Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugal

Volta ao Mundo de Moto

  • 333

Quando chegou a hora de voltar à realidade, de vivermos com o dinheiro que realmente temos, o sacrifício é tão grande para os portugueses como para gregos ou espanhóis. E o que é interessante verificar é que não custa mais a um português ver o seu ordenado baixar de 750 para 500 euros que a um grego sofrer uma redução de 1300 para 1000 ou um espanhol de 1800 para 1400 

Estou a ler um livro muito bom: A Cidade da Alegria de Dominique Lapierre. Passa-se em Calcutá nos anos 60 e faz-nos lembrar o quão relativa é a falta de dinheiro que aí sentimos, em Portugal.

A maioria da população vivia mal antes do 25 de Abril. Depois, em cerca de quinze anos, muita gente passou para a classe media, e começaram a comer bem, os filhos a estudarem até à universidade, a segurança social e os hospitais públicos a funcionarem, enfim todos passaram a viver melhor. Com o dinheiro fácil, que os bancos faziam chegar às nossas mãos através de empréstimos que faziam no exterior, esta nova classe média comprou carros e casas, enfim, construiu um nível de vida superior às suas possibilidades reais. Isto passou-se não só em Portugal mas também noutros países que entraram para a Comunidade Europeia e a quem criaram a ilusão que as suas populações podiam viver com o nível de vida dos países industrializados, sem terem uma base económica, de criação de riqueza, que o pudesse fazer crer.

Tenho constatado isso nesta viagem que estou a fazer à volta do mundo e em que atravessei alguns destes países que entraram para a Comunidade Europeia e outros que não.

O que se passa nos países que não entraram na Comunidade Europeia, como a Croácia o Monte Negro ou a Turquia, é que as pessoas, por nunca terem vivido acima das suas possibilidades, não sofreram o choque que nós agora estamos a sentir. O nível de vida dessas populações foi crescendo mas de uma forma gradual e realista e não à conta de dinheiro emprestado. E estão mais felizes. Na própria Albânia encontrei pessoas alegres, simpáticas, bem com a vida, mesmo a viverem com pouco dinheiro.

Quando chegou a hora de voltar à realidade, de vivermos com o dinheiro que realmente temos, o sacrifício é grande tanto para portugueses como para gregos ou espanhóis. E o que é interessante verificar é que não custa mais a um português ver o seu ordenado baixar de 750 para 500 euros que a um grego sofrer uma redução de 1300 para 1000 ou um espanhol de 1800 para 1400. Todos acham que estão na miséria quando miséria verdadeira é o que se passa na India onde ainda hoje, como no tempo da Cidade da Alegria, famílias inteiras têm que procurar cascas de fruta nos caixotes do lixo para as cozinharem por não terem dinheiro para comprar meio quilo de arroz, ou na Africa sub sahariana onde vi crianças a quem mais que alimentos faltava água potável para beberem.

Claro que se compreende a dificuldade de quem comprou casa e carro com dinheiro emprestado e, de um dia para o outro, perde casa e carro e tem que passar a viver de uma forma a que já não está ou mesmo nunca esteve habituado, mas é sempre preferível comer uma bolonhesa num quarto alugado que passar fome numa barraca. No entanto, estes últimos, por nunca terem passado por uma fase boa na vida, conseguem muitas vezes ser mais felizes que os primeiros.

No fundo temos que nos habituar a viver com menos dinheiro e pensarmos que a vida poderia ser muito pior, se temos tido o azar de nascer noutro país. Há que adaptar a vida a uma nova realidade.

Quando parei em Évora, no início desta viagem, uma rapariga casada e com dois filhos contava-me que, hoje em dia, cozinhava tudo na Bimby, desde bolachas a iogurtes ou até Ketchup e que, com isso, poupava 150 euros por mês em supermercado. Claro que a maioria da população não tem dinheiro para comprar uma Bimby nem a prestações e muitos nem para gastarem por mês no supermercado o que aquela rapariga poupa mas eu lembro-me, muito antes de haver Bimbys, que as pessoas faziam as bolachas e os iogurtes em casa, e eram muito melhores que os do supermercado.