Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Koper, na Eslovénia

Volta ao Mundo de Moto

  • 333

Lubiana conserva o ar austero dos tempos do comunismo e não tem grande graça como cidade

Ontem cheguei a Koper, na Eslovénia ao final da tarde e fui para o wi fi de um café procurar o quarto mais barato que encontrasse na cidade. O do dia anterior em Vicenza não era de luxo mas era grande e tinha uma vista espetacular. O que me calhou em Koper mal tinha espaço para a mala ao lado da cama e a vista da janela era nada mais que a escada interior de acesso ao andar de cima. Não me queixo. Sei que vai haver alturas em que vou ter saudades desse quarto, mesmo com os mosquitos que me sugaram o sangue a noite toda.

A Eslovénia tem pouco mais de 20.000 Km2, ou seja tem uma área de menos de um quarto de Portugal e uma população de pouco mais de dois milhões. Fazia parte da antiga Jugoslávia e desde 2004 é um dos países da comunidade europeia, com euro e tudo. É um país com uma beleza natural fantástica e o ideal para andar de moto. Metade da área do país é floresta. A população vive da agricultura e alguma indústria metalomecânica (fornecem peças para os fabricantes automóveis da europa central, que estão perto). Não parece haver pobreza nem muita riqueza. Vivem bem e a economia tem crescido todos os anos. Uma das vantagens é não terem metade da população a trabalhar para o estado, como é o nosso caso.

Hoje fui pela manhã a uma lavandaria que tinha visto ontem à noite, tratar de lavar roupa e depois arranquei para Lubiana, a capital. A estrada de montanha é fantástica e muitas motos aproveitam aquelas estradas. Eram às dezenas em ambos os sentidos, muitas delas vindas de Itália e Áustria. De todas as marcas e a circularem a todas as velocidades. Desde os pachorrentos das Harleys aos aceleras das R1, havia de tudo. A polícia chateia pouco mas passa-se tudo muito civilizadamente. Na capital não ouvi uma buzina. Lubiana conserva o ar austero dos tempos do comunismo e não tem grande graça como cidade. Almocei numa esplanada junto ao rio e à tarde arranquei a caminho da Croácia, mais uma vez por uma estrada fantástica através da floresta. Abanquei em Kodevge.