Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Volvo aposta na condução autónoma e nos carros elétricos

A marca sueca está a preparar um ambicioso programa tecnológico baseado na condução autónoma e nos carros eléctricos. Veja os vídeos e conheça as novidades

A Volvo aproveitou a visita ao nosso país de Anders Gustafsson, vice-Presidente para a Europa, Médio Oriente e África, para promover uma conversa informal com a imprensa portuguesa. Aproveitámos a ocasião para saber quais são as principais novidades da marca sueca a curto prazo e também antecipar a visão da Volvo para o futuro.

A Volvo Car Group anunciou um crescimento das suas vendas mundiais no mês de Maio. Naquele que foi o 12º mês consecutivo a crescer, as 42.107 unidades vendidas. De Janeiro a Maio a Volvo está agora a crescer 10,4% a nível mundial.

Em Maio, a China foi o maior mercado para a Volvo com um total de 7.045 unidades o que representou um ligeiro crescimento em relação a 2015. Os modelos mais vendidos neste mercado foram o XC60 e o S60L. Os Estados Unidos, mercado onde o XC90 foi o modelo de maior sucesso seguido do XC60, apresentou um aumento de vendas na ordem dos 10,2%. Na Europa, com o V40 a liderar as vendas, o resultado subiu 3,3% cifrando-se nas 22.638 unidades.

Em Portugal, a Volvo conseguiu 352 unidades matriculadas a marca cresceu, no mês de Maio, 10,69% quando comparado com o ano anterior.

Na conversa com Anders Gustafsson os jornalistas portugueses trocaram algumas ideias com o vice-Presidente da Volvo sobre a sua visão para a marca a curto e médio prazo. Ao longo dos últimos anos, a Volvo tem vindo a preparar-se para o desafio dos veículos elétricos. Para isso, desenvolveu duas novas plataformas para os seus automóveis de maiores e menores dimensões que sejam capazes de incorporar, não só a tecnologia híbrida, mas também a tecnologia totalmente elétrica – Plataformas SPA - Scalable Product Architecture e CMA - Compact Modular Architecture (CMA) respetivamente.

Anders Gustafsson e os jornalistas portugueses trocaram algumas ideias sobre a visão da marca para o futuro

Anders Gustafsson e os jornalistas portugueses trocaram algumas ideias sobre a visão da marca para o futuro

As series 90 e 60 serão construídas tendo como base a plataforma SPA, e, em breve, será lançada a nova série 40 na plataforma CMA. Todas as séries terão versões elétricas.

A Volvo pretende posicionar-se como um dos fabricantes da linha da frente no caso dos veículos eléctricos. Os gestores da marca confirmam a entrada em produção de um novo automóvel 100% eléctrico até 2019, acreditando que a médio prazo as vendas anuais de carros eléctricos da marca cheguem aos 10 por cento.

Outro dos temas em debate na conferência de imprensa foi a condução autónoma. A Volvo pretende iniciar já em 2017 um novo programa de testes dinâmicos na cidade de Gotemburgo. Cerca de 100 clientes vão conduzir carros equipados com diversas tecnologias para optimizar a condução autónoma. Estes testes estão integrados no programa Drive Me com iniciativas previstas para diferentes países como Inglaterra ou a China, além da Suécia, e pretendem dar corpo ao desafio Visão 2020 que tem como lema – “ninguém perderá a vida ou ficará gravemente ferido num novo Volvo”.

Volvo Ocean Race regressa a Lisboa em 2017

Esta será a terceira vez que a Volvo Ocean Race visita Lisboa, etapa que é unanimemente considerada por todas as equipas como uma das melhores de toda a regata.

Com início previsto para a cidade espanhola de Alicante, a edição de 2017 terá na capital portuguesa o segundo stopover.

Como curiosidade, destaque para o facto de esta ser a primeira vez na história da Volvo Ocean Race que os barcos, depois da partida, rumam a norte. A segunda etapa da competição ligará Lisboa a Cape Town, numa recriação histórica do percurso realizado há mais de 500 anos por Vasco da Gama.

BOATYARD” FICA EM LISBOA

Uma das novidades para a próxima edição da Volvo Ocean Race será a instalação do estaleiro oficial na Doca de Pedrouços. A instalação do boatyard em Lisboa reveste-se de capital importância pois irá assegurar um ano de stopover das várias embarcações da prova. Assim, toda a manutenção e upgrade dos barcos será feita em Lisboa.