Lisboa, 01 jun (Lusa) - O presidente do conselho de administração da CGD, Faria de Oliveira, confia que o banco público ficará "confortável" com os rácios de capital exigidos pelas autoridades europeias, após o acionista Estado fazer um aumento de capital.

"A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai ficar confortável com os rácios de capital", disse hoje à agência Lusa o banqueiro, à margem da sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao BPN.

"Prosseguem as conversações com o acionista e com a 'troika'", respondeu, depois de questionado sobre o prazo e o montante em causa do necessário aumento de capital, que visa dar uma resposta positiva ao rácio 'core tier 1' de 9 por cento a atingir até ao final de junho, que é exigido pela Autoridade Bancária Europeia (EBA).