Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Margarida Rebelo Pinto

Margarida Rebelo Pinto

Margarida Rebelo Pinto é uma das mais famosas escritoras nacionais, com 26 livros publicados, 16 dos quais romances, e com mais de um milhão de exemplares vendidos numa carreira de 30 anos. Margarida decidiu que ia ser cronista quando tinha apenas 10 anos e leu As Farpas e os textos de Manuel Portugal no Tempo. Publicou a sua primeira crónica no primeiro número d’ O Independente, como cronista-mistério: chamava-se Miss X 22, a sua idade à época. Gosta de comida japonesa, de ir ao ginásio cinco vezes por semana e é viciada em sms. Escreve na visão.pt sobre sexo, amor e bom senso, com uma pitada de flor de sal. Porque a vida sem sal não tem graça nenhuma…

  • A força da vontade

    "A menina coxa escapou às malhas do destino que a mentalidade fechada da aldeia onde nasceu a quis condenar. A égua foi a sua primeira aliada, a sua melhor amiga e a sua grande referência na vida. É das pessoas mais felizes que conheci na vida". Uma história de superação contada por Margarida Rebelo Pinto no Flor de Sal desta semana

  • Erotismo e virtude

    O namoro consiste em um homem andar atrás de uma mulher até ela o apanhar. A frase não e minha, foi parar à rede dos meus caderninhos de notas há uns anos. Não registei a fonte, mas sei que era um escritor. Achei graça e vou usando ao sabor da corrente e da vida, porque considero que que é muito sábia e que está muito certa

  • Casos sérios

    Se for só atração física, o prazer, ao consumá-la, irá consumi-la. Se for só um entusiasmo, a passagem do tempo irá apagá-la. Se for um impulso num momento de carência, a abundância irá torná-la irrelevante. Mas se reunir desejo físico, emoção profunda, admiração intelectual, valores irmãos e um conjunto de interesses em comum, o caso pode tornar-se muito sério, avisa Margarida Rebelo Pinto no Flor de Sal desta semana

  • Tinderellos e Tinderellas

    No fundo, reflete Margarida Rebelo Pinto no Flor de Sal desta semana, o Tinder "é como em tudo na vida, vai de um extremo ao outro: poetas, bailarinos, empresários, músicos, tímidos, malandros, massagistas, divertidos, diletantes, encostados, chulos semi-profissionais, parvos, totós, predadores, pescadores - de pargos e de sereias - advogados, professores, desportistas"

  • A Lua não é aqui

    Entre o desejo de conquista e a vontade de construir algo a dois, a distância é hoje em dia cada vez maior. Talvez tão grande e tão utópica como a ida à Lua em 1969. O que se está a passar na cabeça dos homens e das mulheres? O que se passa é que anda tudo um bocado no mundo da lua. Margarida Rebelo Pinto, no Flor de Sal desta semana

  • A construção do amor

    Apaixonada por Chico Buarque desde os seis anos, Margarida Rebelo Pinto resume que o músico, compositor e autor "tem todas as ideias, sentimentos e palavras dentro dele". "Tenhamos a capacidade de o ler e o ouvir com o coração aberto e de aprender com ele que o amor quase nunca é perfeito, mas que ainda assim, vale sempre a pena ser vivido sem medo". No Flor de Sal desta semana

  • E de repente

    "Esta não é uma crónica para as pessoas se rirem com tiradas de humor mordaz, é uma crónica para pensarem na vida", avisa Margarida Rebelo Pinto, no Flor de Sal desta semana

  • Passa a manteiga

    As pessoas têm uma D.R. como quem um ataque de tosse, ou apanhou um pifo. Uma D.R. apanha-se no ar como um vírus, é uma coisa que se dá entre casais, um ato com vida própria, nem sempre com um final feliz, nem sequer com um final, seja ele qual for. Margarida Rebelo Pinto explica aos portugueses o que é, para que serve e as vantagens de uma D.R., explicação que nenhum brasileiro certamente precisa... No Flor de Sal desta semana

  • O prazer é todo seu

    Quem não leva o prazer a sério, perde uma das fatias mais saborosas de existência. Quando me refiro a prazer, não estou apenas a falar do sexual, estou a referir-me ao sensorial, lattu sensu. Às vezes, basta um beijo no pescoço ou o passear da ponta dos dedos ao de leve pela curva da anca para nos acender as luzes todas. Não é preciso fazer muito, é preciso fazer bem. Margarida Rebelo Pinto no Flor de Sal desta semana