Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Mariana Palavra

Mariana Palavra

LUANDA, ANGOLA - Mariana Palavra nasceu em 1978 junto ao mar, em Ovar. Cedo sonhou ser estrangeira. Migrou primeiro para Coimbra para estudar jornalismo. Depois de uma passagem tímida por algumas redacções em Portugal, aterrou em Macau em 2002 para trabalhar na televisão local. Do Oriente para as Caraíbas em 2009. Um ano na rádio da ONU no Haiti (e um terramoto) depois, trocou o jornalismo pelo trabalho humanitário Desde então já passou pelo Nepal (e por mais um terremoto), pelo Myanmar e vive agora em Angola.

  • Até que a paz nos separe

    LUANDA, ANGOLA - A história de duas vidas separadas por uma fronteira, que ao longo dos anos foram escapando aos conflitos que decorriam por ali próximo. Até que a guerra os empurrou e (n)os juntou do lado da paz.

  • Querido Litos

    Quarenta e cinco (45) anos separam tio e sobrinha em Angola. Ele veio para uma guerra alheia e descobriu o amor à rádio, que depois abandonou para nunca mais voltar. Ela, que também já passou pelas rádios, chegou recentemente a Angola, mas já não veio a tempo de lhe contar o que hoje vê. Esta é a primeira de muitas cartas que nunca lhe escreverá.

  • A sul, no paraíso

    Yangon, Myanmar - Um mar de ilhas desertas, um céu azul, e uma semana a bordo de um barco. A despedida de dois anos de vida na Birmânia. As imagens e as notas de viagem ao arquipélago Mergui, a sul do país, no (ainda) paraíso .

  • Descansa em paz meu anjo

    YANGON, MYANMAR: De Myanmar a Angola. Como se fazem mais de 9 mil km, como se muda de continente, de hemisfério, e sentir que ainda estamos em casa, que pouco ou nada (infelizmente) mudou. Que pouco ou nada me mudou

  • Pouca terra, po-pou-pou-ca terr-terrra

    Onze horas de comboio acompanhadas de bichinhos invisíveis que picam nos cotovelos, enjoos, bancos de pau na classe económica e revestidos a alcatifa na “primeira classe”. Tanta história para um percurso de pouco mais de 200 kms que, em carro, se pode fazer em cinco horas.

  • Eu, mentirosa, me confesso

    YANGON, MYANMAR - No escritório, todos sabem quem é quem, o que em Myanmar é sinónimo de conhecer o cargo profissional, etnia e a religião professada. Ninguém está imune. Em Novembro, recebi um email endereçado aos cristãos do escritório, solicitando uma contribuição para realizar a festa de Natal. Mas por que raio o meu nome estava naquela lista?!

  • A Rua dos Medos

    YANGON, MYANMAR - Ao som de músicas comerciais, Mariana Palavra conta como corredores, roedores, camionistas e outros errantes andam num corre-corre numa das ruas mais obscuras de Yangon

  • O ‘tuga’ malvado de Myanmar

    YANGON, MYANMAR - Nos livros de história, aparece como mercenário ou aventureiro ganancioso que fez parte da expansão portuguesa no Sudeste Asiático. De facto, Filipe de Brito foi declarado “rei” de Pegu, uma área do delta do Irrawady de 1602 a 1613