Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

António Lobo Antunes

António Lobo Antunes

  • Judite

    Como não sentia muito apetite aqueceu um resto de sopa da véspera, tirou duas pêras da fruteira, uma colher, um garfo e uma faca da gaveta dos talheres, colocou as pêras, o prato de sopa, um guardanapo e um copo de água num tabuleiro de plástico com flores estampadas, para além dos talheres, e trouxe aquilo tudo para a cadeira de braços diante da televisão

  • O busto do bisavô

    Porque é que as pessoas morrem? A Avó Querida morreu já eu era médico, antes de ir para África. A minha mãe acariciava-a e beijava-a, eu fui beber uma imperial e comer tremoços à Estrela Brilhante. Em certos momentos apeteceu-me chorar mas não chorei, claro. Ao balcão, num banco alto. Depois paguei e fui-me embora

  • Para António Ramalho Eanes

    Estava um senhor que eu não conhecia junto à porta fechada do prédio, à minha espera, de quem se distinguiam mal as feições pela falta de luz, que me entregou um envelope com uma coisa dura lá dentro e me informou que vinha da parte do senhor general Ramalho Eanes, ou seja, traduzido para a minha língua, de um amigo meu

  • O meu futuro

    É fácil de explicar o sucesso do jornal Correio da Manhã, de certos programas de televisão, de certos políticos, dos espaços sobre futebol que encharcam os ecrãs, das telenovelas miseráveis. Como dizia uma das minhas tias – Ó filho escolhe-me aí um filme levezinho que para maçadas basta a vida

  • A minha família

    A minha avó adorava o pai e nós adorávamo-la a ela, a quem chamávamos Avô Querida. Às vezes, quando nos visitava na Praia das Maçãs, gostava de jogar um bocadinho de bilhar connosco como quando, em adolescente, jogava com o pai, na sala de bilhar do palacete onde moravam, perto de Benfica

  • Miguel Veiga

    Parecia-me mais uma homenagem à beleza do que qualquer outra coisa, as mulheres que, como dizia Vinicius, são a coisa mais bela de toda a criação inumerável. E o Miguel amava as coisas belas: livros, pintura, escultura, o que quer que fosse. Como não ser sensível às mulheres?

  • Os vivos e os mortos

    A última vez que estive com o João mesmo ao andar não tínhamos sombra nenhuma: existiríamos de facto? Quando nos separámos afastámo-nos ou ficámos juntos? A sensação que eu tinha é de que ficámos juntos

  • Mário Soares

    Voltei a encontrar Mário Soares na Suíça, onde estava, numa livraria, a dar autógrafos e, a certa altura, dei com o Mário, de livros meus na mão, na bicha das assinaturas, a conversar com os vizinhos de espera na exuberante naturalidade do costume

  • Croniquita

    O meu pai contava que o Mestre Egas, como ele chamava ao Professor Egas Moniz, de quem foi o último e o mais novo dos discípulos, recebeu um dia, no hospital, uma doente com bola histérica. Em lugar de medicá-la o Mestre decidiu-se por uma terapêutica mais drástica