Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

António Lobo Antunes

António Lobo Antunes

  • A Bíblia de Frederico Lourenço

    Para mim, que sempre tive com Deus uma relação complicada, que tanto me zango com Ele, que às vezes sou tão injusto (ou talvez não, pode ser que em algumas ocasiões a razão esteja do meu lado) que me apetece, quando me interrogam acerca da nossa relação, responder como Voltaire (– Cumprimentamo-nos mas não nos falamos) mas este trabalho de Frederico Lourenço fez-me aproximar mais d’Ele e de Cristo

  • Agustina

    Os livros de Agustina são um alimento difícil porque a transgressão sistemática dos nossos conceitos racionais é metodicamente eficaz, substituindo- -os por uma espécie de nudez primordial. E sai-se dos romances como de um pesadelo implacável, irónico, terno, violento, doce, obscuro e evidente

  • Os meus manos

    Pela primeira e última vez, fiz-lhe uma festa na cabeça ao sair. Foi um momento tão intenso de amor: vi-lhe as pálpebras tremerem e foi tudo. Foi tanto. O João falou-me nisso, que tempos depois, uma só ocasião. Nunca nos criticámos também. O máximo que podia sair-nos da boca

  • Subsídios para a biografia de Dinis Machado

    A avó do Dinis dirigia uma casa de prostituição onde ele comia em miúdo com as raparigas que lá trabalhavam e das quais falava, é evidente, com o maior respeito. Levei-o para minha casa (eu nessa época estava sempre a levar gente para casa) onde ele ainda viveu longos meses, obriguei-o a escrever na mesa em que eu escrevia, alimentado a tabaco e a água das pedras

  • Nós, no verão

    Era a casa da família da minha mãe, que nós preferíamos mil vezes aos Lobo Antunes porque eram mais inteligentes e mais doces, adorávamos a Avó a quem chamávamos Avó Querida

  • Introdução a todos nós

    Ninguém é o que é, todos somos não apenas diferentes mas mais do que somos, ou outra coisa além do que somos e daí não podermos conhecer-nos. A verdadeira essência é irreproduzível, como Saint-Exupéry disse invisível para os olhos e, acrescento eu, para os sentidos. A vida, ao fim e ao cabo, não passa de um jogo de espelhos e de máscaras

  • Não sei como chamar a esta crónica

    Na morte do João houve uma coisa que me consolou um bocadinho: saí da Basílica da Estrela de mão dada com o meu irmão Nuno. Nunca tinha dado a mão a um homem, mas não era a um homem que estava a dar a mão. Era ao meu Nuno, era ao sangue dele que é exactamente o mesmo que o meu

  • Bon Dieu

    Recordo-me que chovia o tempo inteiro, uma chuva mansa 
e tristíssima, e eu me sentia idêntico 
a uma personagem 
de Simenon, prestes a um suicídio discreto não sei bem com quê, talvez martelando um prego dos escaravelhos 
no coração