Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Catarina Martins abre a porta a novo acordo com o PS

Legislativas 2019

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda disse que o PS tem dois caminhos para escolher: um acordo “estável” para a legislatura; ou governar ano a ano, dependendo dos orçamentos apresentados.

Nuno Aguiar

Nuno Aguiar

Jornalista

Quatro anos ou um ano de cada vez. São essas as duas hipóteses que Catarina Martins colocou em cima da mesa, em reação aos resultados das eleições legislativas, que colocam o Bloco como terceira maior força política. Ao contrário da CDU que parece afastar a possibilidade de voltar a assinar um acordo a quatro anos, o BE dá a entender que está disponível a repetir a experiência desta legislatura.

“Não temos tabus. O PS tem todas as condições para formar governo e, se precisar de apoio parlamentar, tem duas possibilidades: uma solução de estabilidade, que deve estar refletida no programa de governo; ou soluções ano a ano”, afirmou aos jornalistas. “Se a primeira não se realizar, o BE mostra a sua disponibilidade para negociar ano a ano.”

De seguida, a líder bloquista elencou as condições necessárias para aceitar um acordo mais ambicioso: reverter medidas de legislação laboral do período de ajustamento, nomeadamente o combate à precariedade, trabalho por turnos e pagamento de horas extraordinárias; “salvar o SNS e garantir que tem financiamento necessário”, “combater a promiscuidade entre público e privado” e caminhar para a exclusividade no SNS; proteger os serviços público e regresso dos CTT ao controlo público; recuperar o investimento público, encontrando soluções para a crise na habitação e transportes; e responder à “emergência climática”.

“Aqui estamos e aqui estaremos em qualquer um dos cenários”, conclui Catarina Martins.

Anteriormente, a coordenadora do BE tinha felicitado o PS e António Costa pela vitória nas eleições e decretado a “derrota histórica” da direita.