Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Estudo revela que o instinto é o melhor "conselheiro matrimonial"

Atualidade

  • 333

James McNulty e a sua equipa da universidade da Florida levaram a cabo um estudo para desmistificar a dúvida se o casamento é mesmo para sempre 

James McNulty, juntamente com a sua equipa da universidade da Florida, levou a cabo um estudo que pretendeu desmistificar a dúvida do "é mesmo para sempre?" revelando a capacidade que os casais têm para descobrir se a sua relação têm ou não futuro. Segundo o psicólogo, o instinto revela, na maior parte das vezes, se os dois companheiros são ou não realmente compatíveis para viverem em conjunto.

Publicado esta sexta-feira, na revista norte-americana Science, este estudo utilizou 135 casais heterossexuais casados há menos de 6 meses e acompanhou-os ao longo de 4 anos. Para chegar a conclusões mais concretas, esta equipa de psicólogos pretendeu observar os casais de seis em seis meses, de modo a avaliar a evolução do nível de satisfação conjugal.

De início foi pedido a cada um dos envolvidos que especificasse a gravidade dos seus problemas conjugais. Já em fases mais avançadas do estudo, foram expostos, aos casais, 15 pares de adjetivos opostos (exemplo "bonito/feio", "hórrivel/espantoso"),dos quais, cada pessoa teve de optar por um dos dois.

Para que ao mesmo tempo se obtivessem respostas implícitas, os psicólogos mostraram a cada participante uma fotografia do seu parceiro e, de seguida, uma palavra positiva ou negativa. Os participantes tinham, então, de escolher o mais rápido possível a palavra que consideravam mais adequada. Foi precisamente a rapidez dessas respostas que permitiu medir a atitude implícita, subconsciente, de cada um.

McNulty aconselha todos os casais a "ligarem um pouco mais aos seus palpites". Acrescentando, ainda, que "se alguém sentir que o seu instinto lhe diz que há um problema, então talvez seja benéfico aprofundar a reflexão nesse sentido, inclusive com a ajuda de um conselheiro matrimonial".

O estudo permitiu, portanto, concluir que as pessoas que se sentem satisfeitas com o seu parceiro responderam muito mais rapidamente às questões, enquanto as restantes tenderam a demorar um pouco mais, não querendo reconhecer a veracidade do seu instinto.