Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Estudo relaciona trabalho por turnos com cancro da mama

Atualidade

Reuters

Horários irregulares de sono, como trabalhar durante o dia numa semana e de noite na outra, podem ter impactos mais profundos na saúde do que se julgava

Segundo um estudo realizado por cientistas holandeses, publicado no Current Biology, em que utilizaram ratos de laboratório, padrões de sono irregulares podem aumentar a probabilidade de as mulheres desenvolverem cancro da mama.  

Os investigadores alertam que a fase de estudos ainda não está concluída, mas defendem esta ligação torna necessário alertar as mulheres com historial familiar de cancro da mama para o aumento do risco da doença em trabalhos que impliquem horários alternados.

O estudo concluiu também que os ratos com hábitos de sono irregulares pesavam mais 20% do que os outros com padrões regulares, ingerindo a mesma quantidade de alimentos.  

Investigações anteriores já tinham demonstrado que profissões com horários irregulares, como assistentes de bordo, aumentam o risco de várias doenças, devido, em parte, à interferência no ritmo circadiano, ou relógio biológico. O  nível de atividade física ou a quantidade de vitamina D ingerida são outros fatores que interferem na probabilidade de as pessoas que trabalhem por turnos, especialmente à noite, desenvolver cancro.

Este estudo é, no entanto, o o primeiro que "mostra categoricamente uma ligação entre a inversão crónica do dia e da noite e o desenvolvimento de cancro da mama", conforme se lê no documento.

"Se vem de uma família com histórico de cancro da mama, certamente não a aconselharia a trabalhar como assistente de bordo ou fazer turnos de noite", afirma um dos investigadores, Gijsbetus van der Horst, do Centro Médico da Universidade de Erasmus, na Holanda.  

Em declarações à BBC, Michael Hastings, do centro britânico Medical Research Council, elogia o estudo: "Acredito que este estudo evidencia, usando ratos, que a interferência no chamado ciclo circadiano pode acelerar o desenvolvimento de cancro da mama". "A mensagem a transmitir ao público é que trabalhar por turnos, especialmente os rotativos, causa imenso stress e isso atrai consequências", conclui.