Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A memória das mulheres começa a perder-se a partir dos 50. Nos homens é mais cedo

Estudo do Dia

  • 333

Trata-se de um abrandamento cognitivo que ocorre no cérebro feminino a partir dos 50 anos de idade. Afeta a capacidade de memória

DR

Um novo estudo revela dados muito pouco animadores. Parece que a perda de memória ocorre, nas mulheres, mais cedo do que se imaginava, ainda dentro da faixa etária dos 50.

Duas equipas de investigadores americanos - da Universidade da Califórnia e da Universidade Brandeis em Massachusetts - fizeram um estudo com 2000 mulheres durante 10 anos (começaram aos 40 e terminaram aos 50) e compreenderam que a fluidez do seu processo cognitivo se via reduzida em 5% nestes 10 anos. Durante este período de tempo a memória verbal episódica também se reduziu em 2%.

Aquando da publicação do estudo, os investigadores responsáveis escreveram: "os nossos resultados oferecem uma evidência clara, e a um nível longitudinal, de um declínio substancial na velocidade de processamento cognitivo e na memória nas mulheres".

Este é o primeiro estudo que mede, de forma consistente, estes resultados antes dos 60 anos de idade e importa continuar o trabalho de pesquisa no sentido de relacionar este declínio com os fatores que os possam influenciar e, até, criar soluções que abrandem este envelhecimento cognitivo.

Um outro dado interessante é que não se verificou qualquer relação entre estes resultados e o período da menopausa. As alterações hormonais não foram responsáveis por moldar este abrandamento cognitivo.

Por fim, notar que, além do declínio cognitivo e ao nível da memória, este estudo não encontrou qualquer evidência de nenhuma outra consequência na saúde ou bem-estar geral das mulheres no período de tempo em análise.

O sexo masculino não foi abrangido por este estudo mas outros trabalhos de pesquisa anteriores sugerem que os homens a partir dos 40 têm pior memória do que as mulheres.