Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

11 alimentos para combater o pneuzinho

Estudo do Dia

  • 333

Não fazem milagres, mas podem ajudar a reduzir alguns centímetros na cintura

Tudo o que se come ao longo do dia vai somando calorias. Disso não há dúvida. Mas se o consumo médio diário ultrapassar as 1 800 calorias recomendadas pela Organização das Nações Unidas para os Alimentos e Agricultura, está tudo estragado. No entanto, deixar de comer não é a solução pois o corpo entenderá essa restrição como fome e vai limitar ao máximo o metabolismo levando à perda de massa muscular, em vez de se livrar das gorduras localizadas na barriga. Ao El País, o porta-voz do Instituto Médico Europeu da Obesidade, Rubén Bravo, advertiu que "mesmo em dias de jejum não se deve baixar das 800 calorias provenientes de alimentos cuidadosamente escolhidos e com um valor nutricional supremo.”

A introdução destes alimentos na dieta pode ajudar a atenuar a fome, dando a sensação de saciedade ao provocar algumas mudanças hormonais que ajudam a reduzir o dito pneuzinho. Se a esta decisão, juntarmos exercício físico moderado, pode ser apenas meia hora de caminhada, a silhueta vai agradecer, e o coração também.

Feijão

Tal como outras leguminosas, o feijão ajuda a controlar o apetite, devido à sua composição rica em proteína, fibra e hidratos de carbono de absorção lenta, que causam uma maior sensação de saciedade. O feijão apresenta um baixo valor energético (cerca de 100 kcal por 100g) e uma baixa percentagem de gordura, contendo pequenas quantidades de ácidos gordos do tipo ómega-3.

Curcuma

A especiaria de cor amarela, proveniente da raiz de uma planta “prima” do gengibre, por ser rica em antioxidantes e fitoesteróis (inibem a absorção de colesterol nocivo no aparelho digestivo), reduzem as células de gordura acumuladas, conduzindo não apenas à estabilização do peso, como a uma efetiva perda de peso.

Abacate

Fruto rico em ácidos gordos essenciais, proteínas, vitaminas, minerais e antioxidantes que atuam como protetores das células. Por a sua gordura ser monoinsaturada contribui para reduzir os níveis de colesterol no sangue. O seu alto teor de fibras, ao provocar maior saciedade, ajuda no processo de emagrecimento.

Café

E todos os refrigerantes à base de cafeína mas sem açúcar. A cafeína é uma das substâncias tradicionalmente associadas à redução de peso por acelerar a oxidação das gorduras e a termogenia (capacidade do corpo em gerar calor). Investigadores japoneses demonstraram que nas dietas ricas em gordura, aumentar o consumo de cafeína ajuda a queimar calorias devido à libertação de substâncias estimulantes como a adrenalina. Mas atenção: modere o consumo de cafés, pois a privação de sono engorda.

MYCHELE DANIAU

Leite

Apesar de a lactose poder provocar, em algumas pessoas, um certo inchaço intestinal, este alimento ajuda a livrar-se do tecido adiposo. É uma das conclusões de um estudo da Universidade de McMaster, no Canadá, que mostrou que o aumento do consumo de produtos lácteos (associado a um pouco de atividade física) provocava um aumento da massa muscular e uma diminuição de lípidos em mulheres na menopausa e obesas.

Chá verde

Se o café é um bom caminho para queimar gorduras, o chá verde ultrapassa-o a toda a velocidade. E tudo graças aos polifenóis, além de ser excelente contra a oxidação celular, potenciam o efeito termogénico da cafeína, segundo um artigo publicado no International Journal of Obesity. No entanto, os efeitos dessa mistura não são conclusivos para todos os investigadores: cientistas, como o bioquímico Michael Boschmann reconheceu que embora esses efeitos anti-gordura sejam corroborados em pequenos grupos de estudo, fazem falta pesquisas em maior escala para atribuir com garantias esse poder de queimar gorduras.

Malaguetas

Para quem gosta de comida picante esta pode ser uma boa solução. Um estudo conduzido por David Heber, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, argumenta que a capsaicina, componente ativo das pimentas do género Capsicum, estimula o consumo de gordura corporal. A capsaicina é responsável pelos afrontamentos que a comida picante causam e que já levaram ao início de inúmeras investigações sobre o seu efeito adelgaçante.

Jacek Chabraszewski

Carne magra

Um dos grandes obstáculos ao querer fazer dieta é a sensação de fome que põe à prova a vontade de querer continuar a perder uns quilos extra. No departamento de Nutrição e Fisiologia do Exercício da Universidade do Missouri, nos Estados Unidos, insistem no poder saciante e na diminuição do desejo de comer de quem leva uma dieta rica em proteínas magras, como o peito de frango e a carne vermelha magra. Costuma levantar-se a meio da noite com um apetite voraz? Aumentar entre 25 e 30% as calorias provenientes das proteínas reduzem até 60% os picos de fome noturna e podem ajudar a perder até meio quilo por semana.

Vinagre

Temperar folhas de alface com vinagre, além de lhes dar uma certa vivacidade, ajuda a combater a flacidez. Uma ideia sustentada por investigadores japoneses: os participantes no estudo que aumentaram o consumo de vinagre durante 12 semanas reduziram o peso, a gordura visceral e o perímetro da cintura. O responsável por estes efeitos é o ácido acético, o que lhe dá o seu sabor tão característico. Mas atenção: só vale com o vinagre de vinho (uma colher equivale a três calorias). Se se usar vinagre balsâmico está a ingerir até 14 calorias.

Laranjas amargas

Conhecidas por serem o ingrediente favorito das compotas britânicas, esta variedade também denominada citrus aurantium ou laranja de Sevilha contém fenilefrina, uma substância que potencia o gasto metabólico em repouso e proporciona uma moderada perda de peso. O reverso da medalha desta laranja é que pode provocar hipertensão, segundo o departamento de saúde dos Estados Unidos.

Toranja

Este citrino também contribui para combater a gordura. Sobretudo, ajuda a reduzir os níveis de colesterol no sangue e a pressão arterial. Mas emagrece ou não? Só um pouco. Um estudo da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, feito com pessoas com excesso de peso, revela que após seis semanas em que incluíram as toranjas no seu menu perderam até 2,45 centímetros de cintura.