Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Chinês da Fundação Soares envolvido nos Panama Papers

Atualidade

Brendan McDermid / Reuters

Ng Lap Seng está ligado a duas offshores nas Ilhas Virgens Britânicas criadas através da Mossack Fonseca. Leia o perfil do multimilionário publicado há dias na VISÃO.

O multimilionário chinês que pertence, desde o início, aos órgãos sociais da Fundação Mário Soares, aparece nos Panama Papers como acionista de duas empresas offshore registadas nas Ilhas Virgens Britânicas, noticiou a Imprensa norte-americana. Ng Lap Seng – sobre quem a VISÃO publicou há dias uma extensa investigação – terá recorrido ao escritório de advogados Mossack Fonseca para criar a Goluck, Lda (2004) e a South South News (2010), sociedades que aparecem nos 11,5 milhões de documentos que o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI) tem vindo a divulgar desde há várias semanas.

A notícia foi publicada pelo site McClatchy DC, especializado em notícias sobre a Casa Branca e um dos parceiros do CIJI nesta investigação. De acordo com vários órgãos de comunicação internacionais, Ng Lap Seng é uma, entre outras figuras, ligadas ao financiamento das campanhas do casal Clinton, que surgem nos Panama Papers. Há ainda pouca informação sobre as duas empresas alegadamente pertencentes a Ng Lap Seng, mas a sociedade South South News, da qual o magnata chinês será proprietário, surge associada ao escândalo de corrupção envolvendo o ex-presidente da Assembleia Geral da ONU, John Ashee, e que levou à detenção de Ng Lap Seng nos EUA, em Setembro. O empresário com diversos interesses em Macau, que tem ou teve como sócios outros cidadãos chineses que fazem parte da Fundação Mário Soares, foi acusado de corrupção e branqueamento de capitais, encontrando-se em prisão domiciliária com uma caução de 50 milhões de dólares.

Mas quem é, na verdade, Ng Lap Seng? Leia aqui a investigação publicada na última edição da VISÃO.

  • O mistério chinês da Fundação Mário Soares

    Portugal

    Um multimilionário chinês foi detido nos EUA, acusado de branqueamento de capitais e de corromper um ex-presidente da Assembleia Geral da ONU. Chama-se Lap Seng, tem passaporte português e está ligado à Fundação Mário Soares, onde garantem não saber de quem se trata e como foi lá parar. E se puxarmos as pontas soltas de Macau?

  • Os "precários" da Mossack Fonseca

    Mundo

    Dão a cara por empresas de papel que encobrem fortunas de políticos, criminosos e celebridades. Quem são os ricos mais pobres da sociedade de advogados envolvida nos Panama Papers?

  • O que liga Sócrates aos “Panama Papers”

    Portugal

    A história foi avançada pela VISÃO que chegou quinta-feira às bancas: O Ministério Público defende que 15 milhões do total acumulado por Carlos Santos Silva na Suíça tiveram origem na ES Enterprises, empresa do Grupo Espírito Santo referenciada no escândalo das offshores. E juntou o grupo de Ricardo Salgado à lista de possíveis corruptores de Sócrates, numa investigação que detetou ligações improváveis a um multimilionário cipriota e tem novos mistérios para resolver