• Esta é uma selecção de algumas praias de nudismo dos Guias de Praias da VISÃO 2013 . Se lhe falta algum fascículo contacte os nossos serviços através do 214698801.
  
NORTE - De Caminha a Aveiro

Foz do Minho - ****
Dividida entre a zona marítima, mais ventosa, e a fluvial, tem uma magnífica vista sobre o estuário do rio Minho e o Monte de Santa Tecla, do lado espanhol do rio. Outra mais-valia é a Mata do Camarido: envolve o areal e ali não falta espaço para passeios pedestres ou de bicicleta. Em julho, em Caminha, há a Feira Medieval e em agosto a cidade será palco de uma das etapas do Festival Folkmundo.
GPS: 41º 51' 51" N 8º 51' 52" W

Rodanho - ***
Areal muito extenso mas de  difícil acesso. É ideal para  desportos aquáticos e para quem  procura um local sossegado.
GPS: 41º 40' 02" N 8º 49' 20" W

Furadouro - ***
A proximidade da cidade de Ovar e o facto de ser uma praia muito frequentada pelas populações do interior do distrito, torna-a muito disputada. Perda acentuada de areal, em especial na parte central. Pratica-se naturismo nas áreas mais afastadas dos acessos.
GPS: 40º 52' 25" N 8º 40' 39" W

 

CENTRO - Da Costa Nova ao Vimeiro

Nazaré-Norte - ***
Cheira a dunas, apetece chegar com banda sonora dos GNR. A encosta é suave, a vegetação mantém-se bonita. Mas o mar é perigoso, apenas bom para quem queira enfrentá-lo com uma prancha sonhando ser Garrett McNamara. É famosa pela onda gigante nascida do chamado Canhão da Nazaré, um enorme desfiladeiro submarino.
GPS: 39º 36'48"N 9º 5'5"W

Caniçal - *****
Lindíssima. Uns cem metros a sul do Forte de Paimogo, há uma estrada de terra batida em bom estado em direção ao mar. Estando de frente para as ondas vê-se o forte, ao fundo, à direita. E apetece ficar.
GPS: 39º 16'46"N 9º 20'12"W

 

GRANDE LISBOA - De Santa Cruz à Arrábida

Cambelas ou Porto Novo - ****
É lindíssima, é romântica, nada tem além de um acesso de terra batida que na fase final só é viável a pé, por se estar a desmoronar. Com maré vazia, é possível ir a pé junto ao mar até à foz do Sizandro, a norte. Pelo caminho passa-se por várias zonas de praia frequentadas por pescadores e com nomes não assinalados mas conhecidos: Hortas, Porto da Draga, Ponta-da-Vela, Guincho, Ussa, Baldasma, Porto Chão e Baío. Logo em Hortas pode ver-se ainda destroços do navio alemão Alchimist Emden, que aqui encalhou em 1978. Mas será mais fácil fazer o mesmo trajeto de carro, por um estradão de terra batida paralelo ao mar e que segue pelo topo da falésia. A vista é lindíssima.
GPS: 39º 4' 36" N 9º 25' 11" W

Ursa - *****
o caminho da Azóia para o Cabo da Roca segue-se a indicação "Ursa" instalada no início de uma estrada de terra batida. Parte do trajeto até à praia tem de ser feito a pé (10 minutos para a ida, o dobro para o regresso), admirando o ambiente verdejante e o mar. É aconselhável levar comida e bebida, pois não existe qualquer apoio de praia na área balnear. Na praia, muitas vezes cheia de seixos, a presença dos maciços rochosos conhecidos por Ursa e Gigante impressionam. O nudismo é vulgar.
GPS: 38º 47' 25" N 9º 29' 33" W

Olhos d'Água ou Nato - *****
É comum a prática de nudismo neste extenso areal, emoldurado pela arriba fóssil, que aqui passa a integrar a paisagem da zona balnear. O acesso faz-se a partir das praias contíguas ou a partir das instalações da NATO, no topo da falésia. Leve comida, água e proteção para o sol.
GPS: 38º 33' 2" N 9º 11' 16" W

Meco ou Moinho de Baixo - ****
Conhecida praia naturista, o seu extenso areal é protegido por um pinhal e por uma falésia arenosa de onde correm pequenos riachos de água doce. A falésia é ainda aproveitada pelos fãs do parapente para se lançarem sobre a praia. No verão, funciona ali uma biblioteca e um campo de futebol no areal. Os parques de estacionamento são pagos (1€).
GPS: 38º 29' 20" N 9º 11' 2" W

Bicas - ****
Acesso através das escadas de madeira que a ligam ao Campimeco ou por uma rampa larga e inclinada. Na zona da rebentação forma-se um fundão que pode ser perigoso para banhistas com menos experiência. Sobre as escarpas está instalada uma pista de voo livre.
GPS: 38º 27' 53" N 9º 11' 32" W

 

ALENTEJO E COSTA VICENTINA - De Troia a Vila do Bispo

Aivados - *****
Muito popular entre pescadores à linha e surfistas, esta bela e isolada praia de areia e pedra rolada serve de fronteira entre a zona mais rochosa de Porto Covo, a norte, e o extenso areal do Malhão, a sul. Chega-se lá virando junto à paragem de autocarro da Ribeira da Azenha e percorrendo depois, até ao fim, a estrada de terra que parte das traseiras do café.
GPS: 37º 48' 27" N 8º 47' 47" W

Alteirinhos - *****
Popularizada numa canção de Jorge Palma, é uma boa alternativa ao habitual rebuliço da Zambujeira do Mar, mas nos últimos anos há cada vez mais banhistas que a procuram. Durante a maré baixa pode-se apreciar todo o seu encanto, com as pequenas enseadas a transformarem-se numa enorme praia polvilhada por rochas e lagoas cheias de lapas, mexilhões e pequenos camarões. O rochedo que se prolonga pelo mar é um dos pesqueiros favoritos da região. É também uma praia oficial de naturismo. Seguir a estrada de terra que sai, para sul, da Praia da Zambujeira.
GPS: 37º 31' 35" N 8º 47' 7"W

Furna das Adegas ou Nus - ***
No miradouro acima do casario da Praia de Odeceixe, um caminho em terra batida dá acesso a esta pequena enseada, hoje uma praia oficial de naturismo, como se lê num cartaz no topo da falésia.
GPS: 37º 26' 17" N 8º 46' 45" W

Carreagem - ****
Outro bom exemplo da beleza desta costa. Durante a maré baixa, as rochas que emergem do mar dão à sua paisagem um ambiente único e na falésia há nascentes de água doce que escorrem encosta abaixo. Seguir indicações no Rogil. A estrada para a praia segue através de campos agrícolas e pinhais, terminando no topo da falésia. O acesso ao areal faz-se através de uma rede de trilhos que descem a arriba, não aconselháveis a pessoas com mobilidade reduzida. Muito tranquila, está quase sempre deserta.
GPS: 37º 30' 55" N 8º 47' 16" W

Murração - *****
Quem passa pela EN 268, entre a Carrapateira e Vila do Bispo, imaginará que a cinco quilómetros fica uma das mais belas praias desta região? A estrada de terra que começa em frente ao parque eólico tem um piso desencorajador e a praia só se vê no final do percurso, após uma curva em cotovelo. Mas a visão é uma merecida recompensa à perseverança. O areal, em forma de ferradura, estende-se pelo vale, da beira-mar ao leito de um curso de água. É limitada, a sul, por uma rocha, enquanto a norte a falésia é mais rasa, permitindo caminhar junto ao mar, explorando a pequena baía que aí se forma durante a maré baixa, quando os caranguejos saem das rochas para se passearem pela areia.
GPS: 37º 9' 17" N 8º 54' 33" W

 

ALGARVE - De Sagres a Portimão

Barranco - *****
Na aldeia da Raposeira, junto à EN 125, no concelho de Vila do Bispo, não existe qualquer indicação para a praia, mas o caminho não tem nada que enganar: em vez de seguir pela via asfaltada, à esquerda, é só seguir pela estrada de terra que parte da localidade, à direita, e parar junto ao mar. A praia fica no final de um imenso vale, decorado de figueiras e alfarrobeiras, com um extenso areal a rodear uma baía de águas calmas, ladeada de duas enormes falésias. Aqui e ali veem-se pequenos muros de pedra, construídos pelos banhistas para se abrigarem do vento, que em certos dias pode ser um problema. O descampado na retaguarda é muito procurado por caravanistas, que aqui encontram a tranquilidade há muito perdida na maior parte da costa algarvia.
GPS: 37º 2' 35" N 8º 53' 42" W

Zavial - ****
Situada no final de um vale, serve de foz a um riacho, como é comum nas praias desta região. O areal é limitado, em ambos os lados, por falésias. Muito procurada por surfistas, o troço leste da praia é o mais tranquilo, com as suas arribas recortadas. Nas imediações podem ainda ser visitadas as ruínas de uma fortificação do séc. XVII. Seguir as indicações desde a localidade da Raposeira, junto à EN 125.
GPS: 37º 2' 31" N 8º 54' 10" W

Furnas - *****
Junto ao leito de um regato, as ruínas de uma antiga azenha remetem para um tempo que já não existe. Servem hoje de abrigo aos banhistas, tal como as grutas na ponta leste. Para aqui chegar é necessário percorrer cerca de três quilómetros por um caminho de terra, que parte a meio da estrada asfaltada entre a aldeia de Figueira e a Praia do Zavial - existe uma placa indicativa. A estrada termina perto de uma pequena mata de eucaliptos, após atravessar uma improvisada ponte sobre o riacho que desagua na praia. Requer algum sentido de orientação, mas a recompensa final, ao chegar a esta baía de águas calmas, protegida por dois promontórios naturais, vale bem a aventura.
GPS: 37º 3' 23" N 8º 51' 17" W

Vale da Lama - *****
Nome pelo qual é conhecida a ponta nascente da Meia Praia, já mesmo junto à foz da ria de Alvor, da qual está separada por extenso cordão dunar. As águas calmas do lado da ria são muito procuradas por praticantes de windsurf e keitsurf, enquanto a frente marítima, quase sempre vazia, é uma excelente alternativa para quem praia é sinónimo de paz e isolamento. Antigamente, o acesso fazia-se através de uma estrada paralela ao areal, que partia desde o Forte da Meia Praia, entretanto cortada devido à construção de um campo de golfe. Hoje, o melhor caminho para lá chegar é a partir de Odiáxere, seguindo as indicações junto ao campo de futebol.
GPS: 37º 8' 20" N 8º 36' 30" W

 

ALGARVE - De Ferragudo a Vila Real de Santo António

Grande - ****
O areal e as dunas estendem-se por mais de dois quilómetros, fazendo até esquecer que esta é uma das áreas do Algarve mais densamente construída. Delimitado por duas zonas húmidas (o sapal de Alcantarilha, a oeste, e a Lagoa dos Salgados, importante local de nidificação do flamingo ou do caimão, a leste) o cordão dunar chega a atingir os 300 metros de largura. No centro da praia, um passadiço de madeira sobre-elevado oferece uma vista panorâmica dos arenitos (antigas dunas fossilizadas). Pratica-se naturismo nas zonas mais recônditas. Seguir as indicações junto à povoação de Pêra. Acesso por estrada de terra batida.
GPS: 37º 5' 44" N 8º 20' 11" W

Deserta ou Barreta - *****
De todas as ilhas-barreira da ria Formosa, a Barreta é a única não habitada e a que melhor preserva o riquíssimo ecossistema da região. A ilha mais a sul de Portugal continental é também considerada um autêntico santuário pelos ornitólogos. São dezenas as espécies que aqui nidificam, entre elas o raro caimão-comum, tornado símbolo do Parque Natural da Ria Formosa. Os primeiros duzentos metros da praia, junto ao porto, estão concessionados - uma pequena área, vigiada e com as habituais mordomias balneares, como toldos, espreguiçadeiras ou aluguer de gaivotas e canoas. Quanto ao resto, são mais de nove quilómetros de areia quase virgem, feitos de silêncio e tranquilidade. Existe uma carreira regular de barco desde Faro, com partida do Cais da Porta Nova, junto às muralhas, que faz a ligação à ilha seis vezes ao dia - o último regresso é às sete da tarde.
GPS: 36º 57' 60" N 7º 52' 31" W

Homem Nu - ****
Na ponta ocidental da ilha de Tavira, esta extensa área de areal, quase deserto e em estado semisselvagem, foi a primeira praia naturista oficializada em Portugal. Acesso apenas de barco ou a pé, pela beira-mar, desde a vizinha Praia do Barril.
GPS: 37º 5' 4" N 7º 40' 9" W