Uma antiga velocista indiana, campeã asiáticas dos 4x400 metros em 2006, foi hoje libertada sob fiança, em Calcutá, reiterando ser mulher e não ter violado a sua companheira, que a acusa de abusos sexuais continuados.

"Armaram-me uma cilada. Vou falar com o meu advogado e defender-me destas acusações. Vou para o meu apartamento e agradecer aos que me apoiaram", afirmou Pinki Pramanik, de 26 anos.

Pramanik, que deixou a alta competição em 2007, foi detida em 14 de junho e os responsáveis judiciais ordenaram testes de género num hospital daquela cidade de Bengala ocidental.