Antecedentes 500 anos que são 90 A propaganda do Estado Novo sempre insistiu na multissecular presença portuguesa em África. Mas, vendo bem, esta durou de forma efetiva menos de um século 

Do pântano indochinês ao deserto argelino Primeiro na Indochina e logo a seguir na Argélia, a França sustentou entre 1946 e 1962 duas longas guerras coloniais que, de certa forma, serviram de "modelo" ao conflito africano de Portugal  

Uma África nova  Do colonialismo às independências 

A casa do fim do império O objetivo era criar elites ultramarinas fiéis, mas o tiro saiu pela culatra. Com a Casa dos Estudantes do Império, o Estado Novo acabou por formar vários dos futuros líderes do combate ao colonialismo português 

Os inimigos do colonialismo português O principal movimento independentista angolano era pró-soviético, enquanto os outros dois eram pró-ocidentais 

O despertar de Moçambique O massacre ocorrido em Mueda em 16 de junho de 1960 prenunciou o choque violento na grande colónia do Índico 

O rastilho de Pidjiguiti O PAIGC capitalizaria em seu favor a revolta dos assalariados do porto de Bissau, em 1959 

Os diários inéditos do massacre A revolta dos camponeses do algodão da Baixa do Cassange através do olhar de um missionário que viveu de perto o massacre ocorrido no Norte de Angola no princípio de 1961  

Luanda, o virar da página A queda do império português em África começa a 4 de fevereiro, na capital angolana, com a tentativa de libertar presos políticos. Histórias com vista para a cidade 

A terra e a gente Quem vivia em Angola e como era administrada a colónia 

Fazer fortuna em África A riqueza dos colonos crescia ao ritmo dos cafeeiros mas, para a metrópole, os territórios africanos eram um encargo pesado. Angola não era exceção 

As joias da coroa Angola era a mais rica das possessões ultramarinas portuguesas 

O dia da barbárie Cerca de 800 portugueses e 6 mil bailundos morreram esquartejados pelas catanas da UPA - União das Populações de Angola, liderada por Holden Roberto, no dia 15 de Março. Ao terror negro seguiu-se o terror branco  

Para Angola em força Dominada a conspiração interna, Salazar ordenou o envio maciço de soldados para as matas do Uíge. Era o princípio da lenta agonia do regime - que teria como pano de fundo uma guerra que consumiu as energias nacionais 

A r eocupação do Norte Entre maio e dezembro de 1961, o número de militares destacados para Angola aumentou de 6 500 para 33 477. Em outubro, o regime declarou o fim das operações militares, mas a guerra duraria mais 14 anos 

Mapa: a primeira batalha Os ataques desencadeados pela UPA e a resposta das Forças Armadas Portuguesas 

Eles inauguraram a guerra A história é de quem a combate. Recordações do primeiro contingente militar a partir de navio rumo a Luanda, em abril de 1961 

Nas malhas da quadrícula No terreno, os militares portugueses estavam organizados segundo um sistema chamado quadrícula, cuja base era a companhia, e que causou dificuldades 

A ajuda vinda do céu Quem foram as primeiras enfermeiras paraquedistas que, de bata branca ou de camuflado, entraram na guerra em missão de paz. Histórias de coragem e de medo 

Querem roubar-nos o império Muito pouco souberam os portugueses sobre o que se passava em Angola nos primeiros anos de guerra. E a imagem que lhes chegava era a de africanos prontos a dar a vida pela metrópole. Contra os interesses estrangeiros, que queriam levar-nos a joia da coroa 

O inimigo americano Com a administração Kennedy, Salazar ganhou um poderoso adversário para a sua política ultramarina. A sua "vitória de Pirro" adiou o inevitável com os custos que se conhecem 

Dez outras datas importantes da guerra colonial