Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Pescas mal geridas põe em causa a segurança alimentar e os meios de sobrevivência

WWF

  • 333

O novo relatório lançado pelo especialista da ONU em alimentação, Olivier De Schutter, "Pescas e o direito à alimentação", veio chamar a atenção para o  impacto devastador da pesca industrial em excesso nas comunidades costeiras.

WWF

"Mais uma vez temos um importante relatório que nos mostra que a pesca excessiva e os efeitos nocivos da pesca mal gerida estão seriamente a afectar a segurança alimentar e os meios de sobrevivência de comunidades vulneráveis??" afirma John Tanzer, Director para os assuntos Marinhos da WWF Internacional. 

"O facto do número de barcos e de pescadores ter aumentado oito vezes entre 1970 e 1990 (ainda que o número de capturas não tenha aumentado na mesma medida, não permitindo fazer uma relação directa entre os factos), deixa um forte alerta para as consequências do excesso de pesca e para os efeitos que isso terá sobre a segurança alimentar num futuro próximo.

Ainda assim continuamos a assistir a medidas de governos relativamente ricos, como colocar recursos públicos para subsidiar a construção de embarcações e actividades de pesca industrial. Não faz sentido, porque estamos, essencialmente, a minar os oceanos, em vez de nutrir a sua capacidade de suportar as constantes necessidades das pessoas" continua.

O peixe corresponde a 15% das proteínas animais consumidas em todo o mundo, mais de 20% na Ásia e o sector do peixe emprega mais de 54 milhões de pessoas. Em países em desenvolvimento, muitos desses empregos correspondem a pequenas actividades pesqueiras que empregam uma alta proporção de mulheres.

Fraca governança e falta de capacidade de gestão estão na base do falhanço das actuais abordagens para combater a pesca ilegal, não regulamentada e não declarada (IUU). A falta de investigação e julgamento das irresponsáveis frotas de pesca longínqua por parte dos Estados também contribui para isso.

As comunidades costeiras estão limitadas na sua contribuição para a redução da pesca excessiva ou da pesca ilegal sem uma protecção social adequada, preços justos e justo acesso aos recursos haliêuticos. O relatório aponta a importância de uma boa gestão e do envolvimento precoce e contínuo de pescadores artesanais locais na gestão da pesca local e da necessidade de apoiá-los na manutenção do melhor acesso ao mercado para as suas capturas.

A crescente globalização da indústria das pescas significou em 2010 que o valor de produtos de peixe comercializado ronde os 102 mil milhões de USD, contra os 8 mil milhões de USD em 1976. Muitos países em desenvolvimento beneficiaram deste crescimento na forma de receitas de exportação e de receitas estatais pela venda do acesso às suas zonas pesqueiras a frotas de pesca longínqua.

Sem salvaguardas e na falta duma eficaz gestão das pescas, estes acordos de acesso às zonas pesqueiras pode ser prejudiciais às comunidades locais na forma de escassez de peixe para pessoas, especialmente em lugares onde a falta de comida é comum" afirma Alfred Schumm, Líder da Iniciativa Global da WWF Smart Fishing.

"O relatório sustenta a importância de abordar este tema na próxima reforma Europeia para a Política Comum das Pescas" acrescenta Schumm.

Consulte aquí o relatório: http://www.srfood.org/index.php/en/component/content/article/1-latest-news/2543-ocean-grabbing-as-serious-a-threat-as-land-grabbing-un-food-expert