Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Mais de metade dos alimentos são desperdiçados quando comemos

Cidades e Consumo

  • 333

Lançado no Dia Mundial do Ambiente, um novo estudo faz as contas aos alimentos perdidos e desperdiçados na Europa, Estados Unidos, Canadá e Austrália

Lançado no Dia Mundial Ambiente, que este ano as Nações Unidas dedicaam ao tema "Pensar.Comer.Conservar - Reduzir a pegada alimentar", o novo documento de trabalho, "Reduzindo a perda e o desperdício", mostra que mais da metade dos alimentos perdidos e desperdiçado na Europa, Estados Unidos, Canadá e Austrália ocorre na fase de consumo. Por outro lado, nos países em desenvolvimento, cerca de dois terços dos alimentos são perdidos e desperdiçados pelo produtor após a colheita e armazenamento. 

Uma em cada quatro calorias produzidas pelo sistema agrícola mundial é perdida ou desperdiçada, de acordo com a nova análise. Este facto representa um sério desafio na redução da fome e satisfação das necessidades alimentares de uma população global em rápida expansão. 

"Reduzindo a perda de alimentos e resíduos" foi produzido pelo World Resources Institute (WRI) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), e baseia-se em investigação feita pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO). 

O documento faz uma série de recomendações, incluindo o desenvolvimento de um "protocolo sobre perda de alimentos e de resíduos" -  um padrão global de como medir, monitorizar e relatar esse desperdício. Se o que é medido for gerido, um protocolo deste tipo poderia contribuir para ajudar os governos e as empresas a evitar a perda de alimentos e resíduos. 

De acordo com o estudo, divulgado na Mongólia, país anfitrião do Dia Mundial do Ambiente 2013 (WED 2013), o mundo vai precisar de cerca de 60 por cento mais calorias em 2050 em comparação a 2006, se a procura mundial continuar na sua trajetória atual. 

O relatório mostra, por exemplo, que a água utilizada para produzir os alimentos que depois são perdidos ou deitados fora em todo o mundo, em cada ano poderia encher 70 milhões de piscinas olímpicas, enquanto a quantidade de terras arável usada para produzir comida desperdiçada é equivalente ao tamanho do México. Cerca de 28 milhões de toneladas de fertilizantes são usados anualmente para cultivar estes alimentos perdido e desperdiçados. O uso ineficiente de fertilizantes está ligado ao crescimento de zonas "mortas" costeiras em todo o mundo e às alterações climáticas. 

 

O documento inclui uma série de recomendações, entre as quais:

- Desenvolver um padrão global comum para medir e reportar a perda de alimentos e resíduos por parte dos governos e do setor privado;

- Definir metas de redução na ordem dos 50 por cento para a perda e desperdício de alimentos, a nível mundial, nacional e empresarial;

- A duplicação do investimento na redução das perdas pós-colheita nos países em desenvolvimento

- A criação de agências e organizações em países desenvolvidos a tarefa de reduzir o desperdício de alimentos. 

Mais exemplos de técnicas tradicionais para conservar os alimentos e reduzir o desperdício estão disponíveis