Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os 10 locais mais tóxicos do planeta Terra

Água e Resíduos

  • 333

O Instituto Blacsmith e a Cruz Verde Suíça divulgaram um relatório com os 10 lugares mais tóxicos do planeta Terra, em 2013. VEJA AS FOTOS

Agbobloshie, Accra, Gana - Mais de 40 mil pessoas vivem nesta imensa lixeira, aonde chegam, anualmente, 215 mil toneladas de velhos eletrodomésticos e computadores da Europa. Os níveis de chumbo no solo podem aí ultrapassar 45 vezes o normal.
1 / 25

Agbobloshie, Accra, Gana - Mais de 40 mil pessoas vivem nesta imensa lixeira, aonde chegam, anualmente, 215 mil toneladas de velhos eletrodomésticos e computadores da Europa. Os níveis de chumbo no solo podem aí ultrapassar 45 vezes o normal.

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.
2 / 25

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.
3 / 25

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.
4 / 25

Chernobyl, Ucrânia - A cidade assistiu, em 1986, ao maior acidente nuclear da história (10 milhões de pessoas afetadas) e ainda hoje se mantém uma zona de exclusão de 25 km à volta da central. Desde então, registaram-se 4 mil cancros da tiróide na região e o número de vítimas vai continuar a crescer.

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...
5 / 25

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...
6 / 25

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...
7 / 25

Rio Citarum, Bandung, Indonésia - Nove milhões de pessoas vivem na bacia deste rio que abastece Jacarta e mais de 2 mil fábricas, na região ocidental de Java. As suas águas são um depósito de matérias perigosas – pesticidas, chumbo, cádmio, crómio...

Dzerzhinsk, Rússia - A cidade tem 250 mil habitantes e ainda paga o preço de ter sido o maior centro de produção de armas químicas da URSS, desde 1930. A esperança média de vida, em 2006, era de 47 anos para as mulheres e de 42 anos para os homens. A água da região continua imprópria para consumo.
8 / 25

Dzerzhinsk, Rússia - A cidade tem 250 mil habitantes e ainda paga o preço de ter sido o maior centro de produção de armas químicas da URSS, desde 1930. A esperança média de vida, em 2006, era de 47 anos para as mulheres e de 42 anos para os homens. A água da região continua imprópria para consumo.

Dzerzhinsk, Rússia - A cidade tem 250 mil habitantes e ainda paga o preço de ter sido o maior centro de produção de armas químicas da URSS, desde 1930. A esperança média de vida, em 2006, era de 47 anos para as mulheres e de 42 anos para os homens. A água da região continua imprópria para consumo.
9 / 25

Dzerzhinsk, Rússia - A cidade tem 250 mil habitantes e ainda paga o preço de ter sido o maior centro de produção de armas químicas da URSS, desde 1930. A esperança média de vida, em 2006, era de 47 anos para as mulheres e de 42 anos para os homens. A água da região continua imprópria para consumo.

Hazaribagh, Bangladesh - Cerca de 160 mil pessoas estão à mercê dos efeitos provocados pela indústria do couro, concentrada neste subúrbio de Daca, a capital do país. Diariamente, 22 mil litros cúbicos de materais tóxicos das fábricas (que exportam para a Europa) são lançadas no rio Buriganga.
10 / 25

Hazaribagh, Bangladesh - Cerca de 160 mil pessoas estão à mercê dos efeitos provocados pela indústria do couro, concentrada neste subúrbio de Daca, a capital do país. Diariamente, 22 mil litros cúbicos de materais tóxicos das fábricas (que exportam para a Europa) são lançadas no rio Buriganga.

Hazaribagh, Bangladesh - Cerca de 160 mil pessoas estão à mercê dos efeitos provocados pela indústria do couro, concentrada neste subúrbio de Daca, a capital do país. Diariamente, 22 mil litros cúbicos de materais tóxicos das fábricas (que exportam para a Europa) são lançadas no rio Buriganga.
11 / 25

Hazaribagh, Bangladesh - Cerca de 160 mil pessoas estão à mercê dos efeitos provocados pela indústria do couro, concentrada neste subúrbio de Daca, a capital do país. Diariamente, 22 mil litros cúbicos de materais tóxicos das fábricas (que exportam para a Europa) são lançadas no rio Buriganga.

Kabwe, Zâmbia - As minas de chumbo, a funcionarem há mais de um século, converteram Kabwe na segunda maior cidade do país. Estudos médicos demonstram que os níveis deste metal no sangue das crianças da região roça valores mortais.
12 / 25

Kabwe, Zâmbia - As minas de chumbo, a funcionarem há mais de um século, converteram Kabwe na segunda maior cidade do país. Estudos médicos demonstram que os níveis deste metal no sangue das crianças da região roça valores mortais.

Kalimantan, Indonésia - Mais de 43 mil pessoas que vivem nesta região da ilha do Bornéu dependem da indústria mineira. Anualmente, mil toneladas de mercúrio são usadas, de forma artesanal, na exploração de ouro e outros metais.
13 / 25

Kalimantan, Indonésia - Mais de 43 mil pessoas que vivem nesta região da ilha do Bornéu dependem da indústria mineira. Anualmente, mil toneladas de mercúrio são usadas, de forma artesanal, na exploração de ouro e outros metais.

Kalimantan, Indonésia - Mais de 43 mil pessoas que vivem nesta região da ilha do Bornéu dependem da indústria mineira. Anualmente, mil toneladas de mercúrio são usadas, de forma artesanal, na exploração de ouro e outros metais.
14 / 25

Kalimantan, Indonésia - Mais de 43 mil pessoas que vivem nesta região da ilha do Bornéu dependem da indústria mineira. Anualmente, mil toneladas de mercúrio são usadas, de forma artesanal, na exploração de ouro e outros metais.

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.
15 / 25

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.
16 / 25

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.
17 / 25

Matanza, Riachuelo, Argentina - Cerca de 15 mil unidades fabris lançam todo o tipo de materiais tóxicos para a bacia do rio Matanza, na província de Buenos Aires, que parece fazer jus ao nome.

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.
18 / 25

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.
19 / 25

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.
20 / 25

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.
21 / 25

Delta do Níger, Nigéria - Em média e por ano, o equivalente a 240 mil barris de petróleo são despejados acidentalmente – ou por incúria – nesta região que é a maior produtora de crude do continente. A poluição põe até em causa a segurança alimentar.

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.
22 / 25

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.
23 / 25

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.
24 / 25

Norilsk, Rússia - Esta cidade acolhe, há quatro décadas, um dos maiores centros de produção de níquel do mundo. Num raio de 30 km, a floresta desapareceu e a poluição é tal que, anualmente, são lançados para a atmosfera 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre.

O relatório estima que os dez locais mais poluídos representam um risco de saúde para mais de 200 milhões de pessoas.
25 / 25

O relatório estima que os dez locais mais poluídos representam um risco de saúde para mais de 200 milhões de pessoas.

 

CONHEÇA O ESTUDO EM PORMENOR: AQUI

LEIA TAMBÉM: Sabe o que é um ecocídio?