Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vespa asiática ameaça Viana do Castelo

Alimentação, Agricultura e Pesca

  • 333

Vespa Asiática (Vespa velutina) fotografada em França, perto de Limoges. Novembro de 2010

Siga [CC-BY-SA-3.0-2.5-2.0-1.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons

São conhecidos três dezenas de ninhos desta espécie, que mata as abelhas e ameaça a produção de mel

A Proteção Civil assumiu a coordenação das operações de identificação e destruição de ninhos de vespa asiática (Vespa velutina) no Alto Minho, sendo que só no concelho de Viana do Castelo já se conhecem quase três dezenas de casos.

Segundo informou à agência Lusa o comandante da Proteção Civil do distrito de Viana do Castelo, em toda a região já foram identificados, nas últimas semanas, 36 ninhos desta espécie de vespa, que ameaça a produção de mel, uma vez que caça e se alimenta de abelhas para obter proteínas.

Deste total, 28 correspondem ao concelho de Viana do Castelo, inclusive no centro da cidade, sendo que 17 foram entretanto destruídos pelos bombeiros municipais com recurso a fogo.





Ninho de Vespa Asiática no departamento da Dordonha, região da Aquitânia, França. Março de 2011

Ninho de Vespa Asiática no departamento da Dordonha, região da Aquitânia, França. Março de 2011

Père Igor [CC-BY-SA-3.0-2.5-2.0-1.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons





"A partir de Janeiro/Fevereiro, a rainha fundadora começa a construir um ninho primário. Este ninho é cerca do tamanho de 2 "bolas de ténis" e contêm a rainha e dezenas de vespas obreiras. Durante a Primavera o ninho começa a crescer em número de obreiras, sendo o ninho primário abandonando e construído um ninho secundário. Este ninho secundário é definitivo e bastante maior que o anterior "segundo se lê no artigo A Vespa Velutina em Portugal Continental e a Apicultura Nacional, publicado na revista "O Apicultor".

 Ainda no mesmo artigo, os autores Miguel Maia, da Associação Apícola Entre Minho e Lima, e José Manuel Grosso-Silva, do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto, dizem que "devido ao crescimento exponencial da comunidade de vespas, a maior parte dos ataques aos apiários é realizado do início do Verão até ao início do Outono". Os investigadores descrevem, ainda, que os ninhos "podem atingir um metro de altura por 0,8 m de largura e a entrada/saída de vespas é realizada por um orifício lateral ao ninho".