Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A domesticação da sida

VISÃO Portugal

  • 333

Em trinta anos, a doença passou do estatuto de sentença de morte para o de uma patologia crónica. Mas o sucesso da ciência não foi acompanhado por uma evolução social. Sétima reportagem VISÃO Portugal, uma parceria VISÃO/SIC

  •  SAIBA MAIS SOBRE O PROJETO VISÃO PORTUGAL
  • LEIA A REPORTAGEM NA VISÃO QUE ESTÁ NAS BANCAS
  • VEJA AQUI O VÍDEO QUE PASSOU NA EDIÇÃO DE QUINTA-FEIRA DO JORNAL DA NOITE DA SIC 
  • CONFIRA DESDE JÁ AQUI A INFOGRAFIA E A GALERIA DE FOTOS:
Sobrevivente: Quando soube que era seropositivo, Luís Mendão resolveu a sua vida toda e ficou à espera de morrer. Ao fim de um ano, percebeu que estava a ficar cada vez melhor e que o futuro não acabava já amanhã. Hoje, 17 anos passados sobre o diagnóstico, dá a cara pelo acesso à medicação, como presidente do GAT
1 / 17

Sobrevivente: Quando soube que era seropositivo, Luís Mendão resolveu a sua vida toda e ficou à espera de morrer. Ao fim de um ano, percebeu que estava a ficar cada vez melhor e que o futuro não acabava já amanhã. Hoje, 17 anos passados sobre o diagnóstico, dá a cara pelo acesso à medicação, como presidente do GAT

Ativista: A vida de Mendão é passada entre viagens de avião e o estudo de documentação técnica relacionada com novos medicamentos para a sida. O acesso gratuito e universal à melhor terapêutica disponível no mercado é uma das lutas do GAT
2 / 17

Ativista: A vida de Mendão é passada entre viagens de avião e o estudo de documentação técnica relacionada com novos medicamentos para a sida. O acesso gratuito e universal à melhor terapêutica disponível no mercado é uma das lutas do GAT

Frontalidade: Amílcar Soares tem sido um dos rostos da epidemia de sida em Portugal. Sobrevivente de longa duração, optou por «dar a cara» ainda nos anos 80. Continua a ser um caso raro: para a medicina e para a sociedade
3 / 17

Frontalidade: Amílcar Soares tem sido um dos rostos da epidemia de sida em Portugal. Sobrevivente de longa duração, optou por «dar a cara» ainda nos anos 80. Continua a ser um caso raro: para a medicina e para a sociedade

Denúncia : «Era preciso que em Portugal mais pessoas dessem a cara para que a sida deixasse de acarretar um estigma tão grande»
4 / 17

Denúncia : «Era preciso que em Portugal mais pessoas dessem a cara para que a sida deixasse de acarretar um estigma tão grande»

Checkpoint LX: No coração do Príncipe Real, em Lisboa, este local de diagnóstico, anónimo e gratuito, está vocacionado para homens que têm sexo com homens
5 / 17

Checkpoint LX: No coração do Príncipe Real, em Lisboa, este local de diagnóstico, anónimo e gratuito, está vocacionado para homens que têm sexo com homens

Mito: Além de trabalhar no Checkpoint LX, Júlio Esteves também presta apoio a trabalhadores sexuais e não concorda com a tese de que quem se prostitui ignora o HIV. «São os clientes que insistem em não usar preservativo»
6 / 17

Mito: Além de trabalhar no Checkpoint LX, Júlio Esteves também presta apoio a trabalhadores sexuais e não concorda com a tese de que quem se prostitui ignora o HIV. «São os clientes que insistem em não usar preservativo»

Instantâneo: Os resultados dos testes feitos no checkpoint LX surgem em 30 minutos. Um diagnóstico positivo implica o encaminhamento para uma consulta hospitalar
7 / 17

Instantâneo: Os resultados dos testes feitos no checkpoint LX surgem em 30 minutos. Um diagnóstico positivo implica o encaminhamento para uma consulta hospitalar

Ricardo Fuertes: «É fundamental garantir o acesso gratuito, anónimo e confidencial a testes de diagnóstico de HIV aos homens que têm sexo com homens, uma população na qual está a aumentar a transmissão»
8 / 17

Ricardo Fuertes: «É fundamental garantir o acesso gratuito, anónimo e confidencial a testes de diagnóstico de HIV aos homens que têm sexo com homens, uma população na qual está a aumentar a transmissão»

Margarida Martins: Aos ouvidos da ativista chegam muitas histórias de discriminação perante os seropositivos. «Evoluiu-se muito no que toca ao estigma, mas ainda há muitas situações, sobretudo quando se trata de crianças, em que se evita o toque ou a partilha de equipamentos, mesmo sabendo-se perfeitamente quais as formas de contágio do vírus»
9 / 17

Margarida Martins: Aos ouvidos da ativista chegam muitas histórias de discriminação perante os seropositivos. «Evoluiu-se muito no que toca ao estigma, mas ainda há muitas situações, sobretudo quando se trata de crianças, em que se evita o toque ou a partilha de equipamentos, mesmo sabendo-se perfeitamente quais as formas de contágio do vírus»

Eugénio Teófilo: «Hoje já se fala em curar a sida. Estão em teste alguns medicamentos que permitem erradicar o vírus dos locais do corpo onde este se esconde»
10 / 17

Eugénio Teófilo: «Hoje já se fala em curar a sida. Estão em teste alguns medicamentos que permitem erradicar o vírus dos locais do corpo onde este se esconde»

Kamal Mansinho: Ao Hospital Egas Moniz, em Lisboa, ainda chegam doentes em avançado estado da infeção. Como se fossem pacientes dos anos 80, denuncia o médico que trata a doença desde que esta apareceu
11 / 17

Kamal Mansinho: Ao Hospital Egas Moniz, em Lisboa, ainda chegam doentes em avançado estado da infeção. Como se fossem pacientes dos anos 80, denuncia o médico que trata a doença desde que esta apareceu

O vírus ‘português’: No Instituto de Medicina Molecular, a investigadora Ana Espada e Sousa estuda o HIV-2, uma estirpe de evolução mais lenta, que existe sobretudo em África e nos países com ligação a este continente, como é o caso de Portugal
12 / 17

O vírus ‘português’: No Instituto de Medicina Molecular, a investigadora Ana Espada e Sousa estuda o HIV-2, uma estirpe de evolução mais lenta, que existe sobretudo em África e nos países com ligação a este continente, como é o caso de Portugal

Segredo: A família de Inês sabe que ela é seropositiva – uma fatura a pagar pelos anos de toxicodependência. Mas no trabalho ninguém conhece a sua condição. Apesar de manter sigilo, Inês insiste que faz uma vida perfeitamente normal, graças ao comprimido que toma todos os dias para evitar a propagação do HIV
13 / 17

Segredo: A família de Inês sabe que ela é seropositiva – uma fatura a pagar pelos anos de toxicodependência. Mas no trabalho ninguém conhece a sua condição. Apesar de manter sigilo, Inês insiste que faz uma vida perfeitamente normal, graças ao comprimido que toma todos os dias para evitar a propagação do HIV

Ricardo Fernandes: Na associação Positivo, os infetados recebem apoio psicológico e ajuda a enfrentar o diagnóstico que muitas vezes é o culminar de uma sucessão de incidentes
14 / 17

Ricardo Fernandes: Na associação Positivo, os infetados recebem apoio psicológico e ajuda a enfrentar o diagnóstico que muitas vezes é o culminar de uma sucessão de incidentes

Joana Costa: Funcionária da associação Positivo, a psicóloga montou o projeto Red Light, que tenta levar as prostitutas a uma consulta onde são feitos testes ao HIV e despistagem de outras doenças de transmissão sexual
15 / 17

Joana Costa: Funcionária da associação Positivo, a psicóloga montou o projeto Red Light, que tenta levar as prostitutas a uma consulta onde são feitos testes ao HIV e despistagem de outras doenças de transmissão sexual

Joana Rocha: A assistente social ajuda os trabalhadores do sexo a encontrar trabalho e a ter acesso aos cuidados de saúde
16 / 17

Joana Rocha: A assistente social ajuda os trabalhadores do sexo a encontrar trabalho e a ter acesso aos cuidados de saúde

Prostituição: Os trabalhadores do sexo sabem bem o que é o HIV. Os clientes é que parecem ignorar o risco. E pagam mais caro por «sexo ao natural»
17 / 17

Prostituição: Os trabalhadores do sexo sabem bem o que é o HIV. Os clientes é que parecem ignorar o risco. E pagam mais caro por «sexo ao natural»