Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

No filme "Greta", Huppert precisa de amigos

Ver

A atriz Isabelle Huppert é uma stalker improvável no novo filme de Neil Jordan. Greta já se estreou nas salas de cinema

D.R.

É privilégio de qualquer filme ter Isabelle Huppert como protagonista. A personagem da atriz francesa é uma mulher que finge ser francesa, e que, talvez para combater a solidão, se transforma numa stalker (perseguidora) implacável e altamente improvável. Ao mesmo tempo que Neil Jordan cria o anticliché do stalker, transforma a atriz francesa num cliché de si própria, a repetir um género de papel, dando por si engolida por um star system alternativo. Sim, já tínhamos visto Huppert a tocar piano e a falar francês, com traços psicopáticos, em A Pianista, de Michael Haneke. Também a tínhamos visto num assustador e louco papel psicótico, mais recentemente, em Ela, de Paul Verhoeven. Greta, sem nunca pôr em causa o enorme talento da atriz, fica inevitavelmente aquém. Ao lado destes outros, o filme de Neil Jordan é um mero e algo desajeitado entretém.

A ideia até é boa e permite ao filme alguns momentos empolgantes. Uma jovem rapariga encontra uma mala no metro de Nova Iorque. Em vez de a entregar nos perdidos e achados, resolve devolvê-la em mão. Encontra Greta, uma senhora educada, a quem se afeiçoa, tentando compensar-se da morte da mãe. Contudo, quando, inadvertidamente, descobre que se trata de uma louca, que semeia malas nas carruagens do metro como quem prepara armadilhas sentimentais para jovens desprotegidas, tenta libertar-se daquela relação. Só que, em reação, Greta revela-se uma maquiavélica stalker.

A parte mais interessante do filme é esse terror psicológico, aparentemente inofensivo, inimputável por lei, mas de uma persistência intimidante. Contudo, Jordan não tem garra para o levar a um extremo que o torne realmente interessante, preterindo-o por uma ação inverosímil, quase concedendo à personagem superpoderes. Isso torna o filme frouxo, banal e previsível. Mais ainda quando os buracos de argumento são tantos que davam para abrir um túnel. Apesar de tudo, não é um filme terrível, mas a mesma história nas mãos de Haneke, Lanthimos ou Verhoeven resultaria num filme a sério.

Veja o trailer do filme

Greta > de Neil Jordan, com Isabelle Huppert, Chloë Grace Moretz, Maika Monroe > 96 minutos