Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

"O Regresso de Mary Poppins": Brincando aos clássicos

Ver

A magia do cinema – e da infância – continua a ser o tema principal de um nome que nos faz sonhar. O filme O Regresso de Mary Poppins já se estreou nas salas de cinema

remakes mais arriscados do que outros. Em pleno século XXI, tocar em Mary Poppins, imortalizada por Julie Andrews em 1964, exige alguma coragem – e um grande orçamento... Tecnicamente, na verdade, não é bem um remake. Encaixa melhor na definição de “sequela”, uma vez que passaram alguns anos sobre a narrativa original e as crianças da família Banks tornaram-se adultos. Mas todo o conceito é muito semelhante ao do filme de 1964 e – magia! – Mary Poppins não envelheceu. Nesse aspeto, é como o regresso do mesmo filme para novas gerações.

A Disney teve o bom senso de não transportar a história para a atualidade. Situá-la poucos anos depois da Grande Depressão (de 1929), em Londres, ajuda a um certo classicismo nos cenários e a uma evocação nostálgica que faz parte da identidade do filme. Curiosamente, essa opção ajuda também a fazer uma ponte com a atualidade. Grande parte do público adulto (e até alguns espectadores mais jovens) irá certamente reconhecer como bem atual o episódio que guia a narrativa: uma família é expulsa da sua casa no centro de Londres pela dificuldade em cumprir as suas obrigações contratuais com o banco (e o público português estranhará ver o vilão, o banqueiro Wilkins, interpretado por Colin Firth, sempre de cravo vermelho na lapela...).

O expulso é Michael Banks (Ben Whishaw), que enviuvou recentemente e luta por manter alguma ordem na sua casa e na sua vida (mesmo com os três filhinhos sempre muito solícitos a tentarem ajudar). É o mesmo Michael que encontramos como criança no filme de 1964. Vinda dos céus agarrada a um guarda-chuva, Mary Poppins (Emily Blunt), a ama mágica, acorre em seu auxílio, tão disciplinadora como especialista em brincadeiras inesquecíveis... O filme desenrola-se como um escorreito musical, com várias canções e números (um dos melhores é o de Meryl Streep, em versão topsy-turvy, e toda a sequência de desenhos animados quando crianças e ama mergulham numa taça de porcelana partida...). Como filme de Natal para toda a família, era difícil pedir melhor.

Veja o trailer do filme

O Regresso de Mary Poppins > De Rob Marshall, com Emily Blunt, Lin-Manuel Miranda, Ben Whishaw, Meryl Streep, Colin Firth > 130 minutos