Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Guimarães Jazz: Volta ao mundo com improvisos

Ver

A vitalidade do género musical mais livre é revelada, nesta 27ª edição do festival, com a apresentação de projetos de diferentes geografias. O Guimarães Jazz começa esta quinta-feira, 8, e dura dez dias consecutivos

O trompetista Marquis Hill irá dirigir a Big Band e Ensemble de Cordas da ESMAE

O trompetista Marquis Hill irá dirigir a Big Band e Ensemble de Cordas da ESMAE

Todd Rosenberg

Chegam do berço do jazz, os Estados Unidos da América, e ainda do Brasil, da Áustria, de Israel, da Alemanha... Músicos portugueses também estarão presentes, claro. Durante os dez dias do Guimarães Jazz, irão explorar-se projetos musicais de múltiplos territórios, não só geográficos mas também estéticos. No programa tanto constam nomes incontornáveis como músicos que se distinguiram em correntes mais experimentais e vanguardistas, ou que se movimentam em circuitos menos mediáticos.

Entre os consagrados, destacam-se o contrabaixista britânico Dave Holland, com o projeto Aziza (uma espécie de supergrupo, dada a qualidade dos músicos envolvidos), a quem cabe o concerto inaugural, o trompetista Dave Douglas (em palco com os Uplift, um projeto de cariz político) e o trompetista e compositor Steven Bernstein (com a big band Millennial Territory Orchestra e a cantora Catherine Russell), pela primeira vez no festival. Da nova geração, mas já com provas dadas na exigente cena jazzística de Chicago, chegam o trompetista Marquis Hill e o contrabaixista Matt Ulery. Este último irá dirigir a Big Band e Ensemble de Cordas ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, no Porto), um dos projetos basilares da vertente pedagógica do Guimarães Jazz, colocando jovens músicos em contacto com um compositor eclético.

De outros pontos do globo, marcam presença o trompetista israelita Avishai Cohen, a brasileira Léa Freire (em colaboração com a Orquestra de Guimarães) e os alemães Pablo Held Trio. Entre os portugueses, destaque para o acordeonista João Barradas, acompanhado por músicos europeus emergentes, a apresentar Own Thoughts from Abroad, trabalho com uma sonoridade muito particular. Como é habitual, o festival pretende potenciar a formação com oficinas de jazz (dadas por músicos com sólidas carreiras) e ainda o envolvimento da cidade, realizando jam sessions, de quinta a sábado, pela noite dentro, na associação cultural Convívio e no café-concerto do Centro Cultural Vila Flor. Sessões para medir o ritmo de Guimarães.

O contrabaixista britânico Dave Holland, com o projeto Aziza (uma espécie de supergrupo, dada a qualidade dos músicos envolvidos)

O contrabaixista britânico Dave Holland, com o projeto Aziza (uma espécie de supergrupo, dada a qualidade dos músicos envolvidos)

Govert Driessen

Guimarães Jazz > Centro Cultural Vila Flor > Av. D. Afonso Henriques, 701, Guimarães > T. 253 424 700 > 8-17 nov > €7,50 a €15 (assinaturas €35 a €80)