Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

A exposição "UNESCO Green Citizens" desafia-nos a ser pioneiros da mudança

Ver

Em imagens deslumbrantes e rostos felizes, que nos levam do Cairo, no Egito, a Oonuki, no Japão, com escala em Paredes de Coura, a exposição UNESCO Green Citizens: Pioneiros da Mudança mostra projetos de cidadãos que procuram respostas para os desafios atuais, sem comprometer o futuro. Para ver na Galeria da Biodiversidade, no Porto, até 6 de janeiro

A exposição Green Citizens é um tributo a todos aqueles que, diariamente, nos educam para um modo de vida mais amigo do ambiente

A exposição Green Citizens é um tributo a todos aqueles que, diariamente, nos educam para um modo de vida mais amigo do ambiente

Guillaume Bression

É no muro que rodeia o Jardim Botânico e em duas salas da Galeria da Biodiversidade, instalada na Casa Andresen, no Porto, que podemos encontrar até 6 de janeiro, os protagonistas de Green Citizens: Pioneiros da mudança, a exposição da UNESCO que, pela primeira vez, chega a Portugal. “Selecionámos 11 histórias, em áreas muito diferentes como a agricultura, a educação, o ambiente, a biodiversidade, para a exposição ser o mais global possível”, frisa Armelle Arrou, representante da UNESCO, no dia da inauguração.

Ao longo de grande parte do muro exterior, que dá para a Rua do Campo Alegre, alinham testemunhos e fotografias, de grande formato, além de explicações sobre cada projeto selecionado. São 11 reportagens à volta do mundo a traçarem o perfil de homens e mulheres que, nestes projetos, surgem como exemplos emblemáticos, capazes de nos inspirar a fazer as escolhas certas para um mundo melhor. “São trabalhadores locais, discretos, mas realmente comprometidos com o ambiente”, diz Armelle Arrou à VISÃO Se7e. Para a responsável da UNESCO, a Green Citizens: Pioneiros da mudança “é um tributo a essas pessoas e um estímulo a estes projetos que podem inspirar outros”.

Na Reserva da Biosfera de Bosawás, na Nicarágua, as mulheres desempenham um papel fundamental na preservação da cultura Mayangua

Na Reserva da Biosfera de Bosawás, na Nicarágua, as mulheres desempenham um papel fundamental na preservação da cultura Mayangua

Leonardo Wen

A exposição, resultado de uma parceria entre a UNESCO, a agência Sipa Press e a Klorane Botanical Foundation, reúne 45 fotografias e 11 histórias, que nos fazem viajar do Cairo, no Egito, a Oonuki, no Japão, com escala em Paredes de Coura. Ali, conta-se, entre outras, a história de Adham el Sharkawy e de uma escola de reciclagem no Cairo, aprende-se com Hiroto Sato que os métodos tradicionais da cultura do arroz podem otimizar a proteção ambiental ou que “A Grande Muralha Verde” (um 'muro' feito de árvores) contra a desertificação, em Widou, no Senegal, já é uma realidade.

A 'dança com lobos' portuguesa

A ideia do projeto UNESCO Green Citizens “é ter as pessoas a contar a sua própria história”, acrescenta Benoit Delplanque, coordenador de projetos da agência Sipa Press. “É importante saber-se que qualquer pessoa pode ser um green citizen”, seja ele agricultor, professor ou presidente da Câmara. Queremos dar-lhes voz, para persuadirem outros a fazer coisas, a mudar”, reforça Benoit.

O único caso português nesta exposição leva-nos até Paredes de Coura, à boleia do projeto O Lobo e o Homem criado “em defesa de um novo equilíbrio para restaurar a biodiversidade”, cujas primeiras fotografias como as de José Alves Oliveira, acompanhado por um rebanho de ovelhas podem ser vista ainda no jardim. Nas duas salas da Galeria da Biodiversidade, está, além de filmes de programas internacionais, o documentário de João Pedro Marnoto, que nos ajuda a perceber melhor esta temática.

No documentário, o realizador procurou “apresentar o conflito” entre homem e animal “sem tomar partido”. Na região de Paredes de Coura, há duas alcateias que, estima-se, devam ter menos de dez lobos. “Trabalho com os lobos há vários anos e, atualmente, há um projeto com o município de Paredes de Coura que pretende, através da educação e das boas práticas, minimizar esse conflito”, diz-nos Francisco Álvares, do Cibio-inBIO. E, garante o investigador, apesar destes animais serem oportunistas, “não constituem qualquer perigo para o homem”.

Mais do que uma exposição multimédia itinerante, a UNESCO Green Citizens é um programa de incentivo a ideias sustentáveis, à escala global, com uma plataforma online, onde se reúnem cerca de 300 projetos, com partilha de experiências e boas práticas.

Jyothy Karat

UNESCO Green Citizens: Pioneiros da Mudança > Jardim Botânico do Porto e Galeria da Biodiversidade - Centro de Ciência Viva do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto > R. do Campo Alegre, 1191, Porto > até 6 jan > ter-dom 10h-18h > grátis