Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

O circo de Léger está montado em Matosinhos

Ver

Mais de meia centena de litografias do pintor cubista, Fernand Léger, expõem-se no NorteShopping, em Matosinhos. Ao mestre francês juntar-se-ão obras de José de Guimarães e José Almada Negreiros, entre outros, além de várias performances. Para ver até 22 de outubro

Algumas das 52 litografias originais de Léger que se podem ver, até meados de outubro, no NorteShopping, em Matosinhos
1 / 7

Algumas das 52 litografias originais de Léger que se podem ver, até meados de outubro, no NorteShopping, em Matosinhos

2 / 7

3 / 7

4 / 7

5 / 7

6 / 7

7 / 7

“Vá para o circo. Nada é tão redondo quanto o circo. É uma enorme tigela na qual se desenvolvem formas circulares… Um circo é um rolo de massas, pessoas, animais e objetos.” Assim recomendava Fernand Léger ao seu público na introdução da obra O Circo (1918), parte da qual – 52 litografias originais e 29 quadros – pode ser vista a partir desta quinta, 6, na praça central do NorteShopping, em Matosinhos.

A beleza da arte circense inspirou o pintor e desenhador francês, mestre do cubismo, a criar uma incrível obra-prima gráfica com apenas 280 edições em todo o mundo, que traduzia a sua relação com o mundo do circo e as formas redondas. Nessa época, aliás, ainda antes de ser finalizada a impressão da obra, os críticos de arte já a definiam como “o mais desejável livro ilustrado do ano”. Jorge Barreto Xavier, embaixador desta exposição e antigo Secretário de Estado da Cultura, congratula-se com a oportunidade que é dada ao público em contactar “com os diversos tipos de manifestação artística”. Fernand Léger, em concreto, é para o gestor cultural, “um dos grandes artistas do século XX, mestre singular do cubismo e homem empenhado no desenvolvimento comunitário”.

Na Praça Central do centro comercial de Matosinhos, foi montada uma estrutura inspirada no ambiente do circo retratado pelo artista francês, que, na sua obra, usou cores vivas, linhas pretas carregadas, com as suas diferentes personagens – a bailarina, o malabarista, ou os animais – a fazerem parte de um mundo de fantasia e ritmo. Ao mesmo tempo, e aproveitando esta temática, serão expostas obras de outros artistas. O primeiro é José de Guimarães, na exposição O Circo na Arte Portuguesa (6 a 20 set), numa interpretação da figura burlesca dos Palhaços, da Dançarina, do Mágico ou, entre outros, do Duende, inspiradas na série Saltimbancos de José Almada Negreiros que também será apresentada entre 4 e 22 de outubro. Dois artistas emergentes, Alexandre Rola e David Oliveira, também vão expor obras sobre o circo (21 set-3 out).

As artes circenses dão ainda o mote a uma série de performances, em parceria com o Instituto Nacional de Artes Circenses (INAC). O primeiro decorre esta quinta, dia 6, às 21h, com Rui Paixão – o primeiro palhaço português selecionado para o Cirque du Soleil – a interpretar ARO, inspirado na obra de Fernand Léger. A companhia de circo italiana Fabbrica C (22 set) e o espetáculo de circo contemporâneo Plaina (21 out) farão os próximos espetáculos.

O Circo de Fernand Léger > NorteShopping (Praça Central), R. Sara Afonso, Matosinhos > 6 set-22 out, seg-dom 10h-24h > grátis