Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Vaudeville Rendez-Vous: A voar sobre as ruas de Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão

Ver

O festival de novo circo explora os espaços públicos de três cidades com espetáculos inovadores e de acesso gratuito. A partir desta quarta, 25, até sábado, 28

O espetáculo 'Sodade' sobrevoará o jardim do Paço dos Duques, em Guimarães

O espetáculo 'Sodade' sobrevoará o jardim do Paço dos Duques, em Guimarães

Marie-Colette Becker

À quinta edição, o Vaudeville Rendez--Vous consolida-se no território minhoto, dividindo os 10 espetáculos (e 21 apresentações) por praças, largos e jardins de Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão. Afirma-se, desde logo, pelo apoio à criação, apresentando três coproduções em estreia absoluta no festival: uma performance deambulatória sobre o amor na sociedade contemporânea, Arquétipo – Acto III, entre a dança e a acrobacia, conduzida pela companhia Radar 360o; um espetáculo com uma bailarina, um malabarista e uma trapezista sobre o conceito de casa, Kadok, inspirado nas obras dos artistas Louise Bourgeois e Tadeusz Kantor, da autoria da companhia luso-americana Oliveira & Bachtler; e uma criação com jovens artistas do Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), Esboço para Paraísos, repleta de gestos acrobáticos que remetem para contextos paradisíacos.

As acrobacias de ‘Somos’, uma produção da companhia franco-colombiana El Nucleo

As acrobacias de ‘Somos’, uma produção da companhia franco-colombiana El Nucleo

Sylvain Frappat

As fortes tradições do circo contemporâneo na França refletem-se na programação do Vaudeville, com quatro espetáculos em estreia nacional. Boat – Transe Poétique, da companhia francesa Hors Surface, é uma interpretação livre do poema Le Bateau Ivre, de Artur Rimbaud, e combina o trampolim e o arame, acompanhados por música original ao vivo. Flaque é outra produção gaulesa, da companhia Defracto, a ultrapassar as fronteiras do malabarismo. A sobrevoar o jardim do Paço dos Duques, em Guimarães, estará Sodade, descrito como uma “fábula aérea, narrada por dois músicos que tocam e cantam ao vivo numa estrutura de circo única”. Já em ‘Somos’, uma produção da companhia franco-colombiana El Nucleo, as acrobacias servem de base a uma reflexão sobre a nossa relação com os outros, passando uma mensagem de fraternidade. Do festival constam outros espetáculos de efeitos encantatórios, de diferentes origens, apresentados sempre em espaços públicos emblemáticos das três cidades, ajudando também a valorizar este território.

Três oficinas (de acrobacia aérea, manipulação de objetos e equilíbrio) ensinarão ao público um pouco das técnicas circenses.

Vaudeville rendez-vous > Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão > 25-28 jul, qua-sáb > grátis