Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

A segunda parte da "Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia e Americana" chega a Serralves

Ver

Nesta exposição, regressa-se ao acervo deixado pela influente galerista norte-americana, Ileana Sonnabend, desta vez com o foco na fotografia – e em Jeff Koons. A partir desta quinta, 10

John Baldessari e o seu trabalho da cor em "Arrive", 1996

John Baldessari e o seu trabalho da cor em "Arrive", 1996

Dois anos após a realização da primeira exposição dedicada à Coleção Sonnabend no Museu de Serralves, em que foram mostradas obras sob a mesma designação – Meio Século de Arte Europeia e Americana –, a instituição portuense volta a abrir portas a este acervo particular (gesto também já feito pelo Museu Arpad Szenes 
– Vieira da Silva, em Lisboa, em 2015-2016). A história da Coleção Sonnabend marcou os trânsitos artísticos entre América e Europa. Quando Ileana Sonnabend (1914-2007) teve a sua galeria parisiense (1962-1980), ela apoiou fortemente os artistas norte-americanos, nomeadamente os das correntes conceptuais e minimalistas. A partir dos anos 1970, no espaço nova-iorquino, Ileana divulgou a arte europeia contemporânea, com destaque para a arte povera e conceptual. Agora dirigida pelo seu filho adotivo, o português António Homem, a Coleção Sonnabend pretende mostrar outros trunfos do atual acervo.

A escultura insuflável "Hulk (Friends)", de Jeff Koons

A escultura insuflável "Hulk (Friends)", de Jeff Koons

A Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia e Americana, Part II, anuncia-
-se com dois grandes temas: “O uso da fotografia desde a arte conceptual dos anos 
1960 até ao presente; e os trabalhos de artistas dos anos 1980 relacionados com a pop art, 
o minimalismo e a arte conceptual.” Duas linhas curatoriais ambiciosas, geradoras de grandes expectativas. Em Serralves, haverá obras do casal alemão Bernd e Hilla Becher, reconhecido pelas tipologias fotográficas de estruturas industriais; da dupla Gilbert 
& George, eternos dandies miméticos representados em vitrais profanos que abrangem tanto temas da política britânica como outros mais escatológicos, patentes em Mental 
nº 4 (1976), Seven Heroes (1982) e Clean Me (2014) – também chamados: Hiroshi Sugimoto (cujas irrepreensíveis fotografias a preto e branco são habitualmente classificadas como tempo congelado), John Baldessari (imagens intervencionadas com cor) ou Candida Höfer (grandes formatos de espaços inabitados). Mas a pièce de résistance poderá ser a “pequena retrospetiva” de Jeff Koons, núcleo de esculturas produzidas pelo ex-enfant terrible entre 1985 e 2012. Um aperitivo? A escultura insuflável Hulk (Friends).

"Seven Heroes", 1982, da dupla Gilbert & George

"Seven Heroes", 1982, da dupla Gilbert & George

A Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia e Americana, Part II > Museu de Arte Contemporânea de Serralves > R. D. João de Castro, 210, Porto > T. 22 615 6500 > 10 mai-23 set, seg-sex 10h-19h > €10