Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Ano Áustria: O regresso da grande nação da música à Casa da Música

Ver

A Casa da Música, no Porto, volta à Áustria como país-tema. De Schubert a Bruckner, passando por Schoenberg, ali vão ouvir-se os melhores compositores, a partir desta sexta-feira, 12

Um dos momentos altos do programa dedicado à Áustria será quando a Orquestra Sinfónica e o Coro Casa da Música se juntarem para a interpretação de Te Deum de Bruckner

Um dos momentos altos do programa dedicado à Áustria será quando a Orquestra Sinfónica e o Coro Casa da Música se juntarem para a interpretação de Te Deum de Bruckner

Sete anos depois, o país de Mozart, Haydn, Schubert, Strauss, Bruckner, entre tantos outros compositores, com pouco mais de oito milhões de habitantes, volta a dominar a programação da Casa da Música. É a primeira vez que se repete um país-tema e a festa acontece em dois fins de semana, a começar já esta sexta, 12, com o festival Música no Coração, em nome do musical de 1965. “Em oito concertos percorremos o mais relevante da história da música austríaca”, salienta António Jorge Pacheco, diretor-artístico da Casa, lembrando, contudo, que “o repertório é tanto” que o mais difícil foi escolher.

A integral das Sinfonias de Bruckner percorre todo o ano de 2018 e começa com a Sinfonia nº 7 (considerada uma das obras-primas do compositor), interpretada pela Orquestra Sinfónica, sob a direção de Michael Sanderling. Bruckner é, lembra Pacheco, “um compositor especial que exige maestros especializados”. No sábado, 13, o Coro Casa da Música canta Ecos de Viena, uma coletânea das mais belas canções corais de Schubert, Bruckner e Schoenberg. 
O Música no Coração continua depois, no domingo, 14, com o mais célebre ciclo de 24 canções de Schubert, A Viagem de Inverno, cantadas pelo tenor João Terleira com Luís Duarte ao piano. Neste arranque do Ano Áustria, escutar-se-á ainda o Quarteto de Cordas de Matosinhos (terça, 16), numa espécie de tributo à Haydn, inventor do quarteto de cordas. No segundo fim de semana de festa, ouvir-se-á Te Deum, de Anton Bruckner, que junta a Sinfónica ao Coro Casa da Música (19 jan) a uma obra que o compositor considerava o orgulho da sua vida, e Mahler reconhecia ser “para as vozes dos anjos, abençoado pelo céu, para corações castigados e almas purificadas no fogo”. Entre o repertório, estreia Dark Dreams, de Georg Friedrich Haas, o compositor em residência 2018. Um dos concertos mais aguardados será In Vain, de Haas (20 jan), que colocará o Remix Ensemble a tocar às escuras. “É uma experiência alucinante”, garante o diretor-artístico da Casa da Música. A Orquestra Barroca e o Coro encerram os primeiros dias austríacos com Mozart no Coração (21 jan), num concerto dirigido pelo maestro britânico Paul McCreesh, e onde o violinista britânico Huw Daniel inicia a integral dos Concertos para Violino de Mozart.

Para assinalar a abertura do “Ano Áustria”, a Casa da Música terá as portas abertas, de forma gratuita, entre os próximos dias 18 e 21, para workshops, ensaios abertos e visitas guiadas ao edifício (todos os dias às 10h, 11h, 15h, 16h e 17h).

Casa da Música > Av. da Boavista, 604, Porto > T. 22 012 0220 > 12-21 jan > a partir de €10