Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'White Rabbit, Red Rabbit', no Porto: Este espetáculo é um salto no vazio

Ver

Doze performers aceitaram sair da sua “zona de conforto” e interpretar uma peça sem nunca a terem lido. White Rabbit, Red Rabbit, um texto viral, apresentado em todo o mundo, chega agora a Portugal, com estreia marcada para esta quarta, 10, no Espaço Mala Voadora, no Porto

João Pedro Vaz, diretor-artístico do Teatro Oficina, de Guimarães, será o primeiro ator a interpretar 'White Rabbit, Red Rabbit' que sobe ao palco do Espaço Mala Voadora, no Porto, no dia 10 de cada mês, ao longo deste ano

João Pedro Vaz, diretor-artístico do Teatro Oficina, de Guimarães, será o primeiro ator a interpretar 'White Rabbit, Red Rabbit' que sobe ao palco do Espaço Mala Voadora, no Porto, no dia 10 de cada mês, ao longo deste ano

Uma página da internet procura conter a curiosidade sobre o texto do iraniano Nassim Soleimanpour com a frase do not google this play (“não procure no Google esta peça”). Não porque as pesquisas sejam um esforço infrutífero, pois há sempre quem quebre as regras e diga mais do que deve (ou lhe foi pedido). Mas para que o espectador mergulhe de cabeça no desconhecido. Assim o farão os 12 performers que prontamente aceitaram o convite da mala voadora para dar voz a White Rabbit, Red Rabbit, sem nunca a terem lido. O ator João Pedro Vaz será o primeiro a subir ao palco e seguem-se Maria João Luís, Fernanda Lapa, Gonçalo Waddington e Ana Deus. Antes deles, muitos atores (famosíssimos e desconhecidos, da cena independente ou do teatro mais comercial, homens e mulheres), por todo o mundo, responderam ao mesmo desafio.

O objetor de consciência Nassim Soleimanpour, de 35 anos, foi impedido de sair do seu país, em 2010, por incumprimento de obrigações militares (atualmente, pode fazê-lo, mas os condicionamentos políticos mantêm-se). Decidiu então escrever um texto capaz de saltar essa barreira e circular pelo mundo, cujo peso emocional é tão relevante quanto as questões da censura ou da falta de liberdade. Não há cenário, figurinos, e muito menos ensaios. A peça chega às mãos dos intérpretes, selada, no exato momento da apresentação. “White Rabbit, Red Rabbit foi detonadora do reconhecimento público do autor e consagrou-o junto do público e da crítica”, conta Vânia Rodrigues, gestora cultural da mala voadora, em cujo espaço será levada à cena, todos os dias 10 de cada mês, transportando cada apresentação o carimbo de um intérprete diferente. “Não fomos atrás de um qualquer virtuosismo, queríamos pessoas que estivessem à vontade com a improvisação”, explica Vânia Rodrigues. “O poder do texto estará em confronto com a imprevisibilidade da interpretação”, acrescenta. Na plateia, será sempre mantido um lugar vazio. O do autor.

White Rabbit, Red Rabbit > Espaço Mala Voadora > R. do Almada, 283, Porto > T. 93 415 2264 > 10 jan, qua 22h > €5