Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'A Partir de uma História Verdadeira': A escritora-fantasma

Ver

Aos 84 anos, Roman Polanski regressa em grande forma com um “thriller” psicológico, intenso e inquietante

Elle, a personagem de Eva Green, apresenta-se como escritora-fantasma

Elle, a personagem de Eva Green, apresenta-se como escritora-fantasma

Divulgacao

Há quem defenda que a arte de escrever um argumento para cinema reside essencialmente nos últimos 15 minutos. Esse é o verdadeiro calcanhar de Aquiles de A Partir de uma História Verdadeira, filme de Roman Polanski, escrito a meias com Olivier Assayas. Tudo o resto é Polanski no seu melhor. E, sobretudo, a exibição de duas grandes atrizes: Emmanuelle Seigner e, acima de tudo, Eva Green.
A Partir de uma História Verdadeira é, na sua essência, um thriller psicológico, em que Polanski volta a debater as questões relacionadas com a criação, a autoria, os conflitos internos das personagens e seus autores, assim como acontecera em Escritor Fantasma e no mais recente Vénus de Vison. Aliás, Elle, a personagem de Eva Green, apresenta-se a si própria como uma escritora-fantasma. Fala-se de egos, alter egos, os conflitos entre a ficção e a realidade, o bullying em idade adulta ou simplesmente a esquizofrenia. Delphine é uma escritora de sucesso. O seu êxito constrói-se, em parte, às custas da “venda” da sua própria vida (ou da alma), o que lhe atormenta a consciência. É confrontada com uma encantadora e dedicada leitora e fã, que se revela uma stalker, mas uma stalker altamente sedutora. Nós próprios inevitavelmente nos apaixonamos por Eva Green. E Polanski eleva a tensão sexual entre as duas até ao seu limite platónico. Aos poucos, Elle vai-se introduzindo na vida quotidiana de Delphine, tirando partido da sua imensa fragilidade, e revelando grande sentido prático e capacidade manipulatória. Isto de forma lenta e progressiva até alcançar o domínio total. A sua vida e a sua obra são tomadas de assalto, numa maquiavélica usurpação de identidade. Quando repara, é tarde de mais.
Nesse alto clima de tensão, encontram-se pontos de contacto com A Noite da Vingança (1994), filme que fala do reencontro de uma vítima de tortura com o seu torturador, no Chile. Mas também com o estilo pernicioso de Michael Haneke (Funny Games), Paul Verhoeven (Elle) e algumas das primeiras obras do próprio Polanski (Repulsa, por exemplo). A Partir de uma História Verdadeira mostra um realizador que, aos 84 anos, parece não ter envelhecido e se mantém psicologicamente tortuoso.

A Partir de Uma História Verdadeira > de Roman Polanski, com Emmanuelle Seigner, Eva Green e Vincent Perez > 100 minutos