Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Bienal de Ilustração de Guimarães: A bonecada chegou à cidade

Ver

São mais de 50, os ilustradores portugueses cuja obra vai ser apresentada na primeira edição da Bienal de Ilustração de Guimarães. Para ver até 31 de dezembro

O Prémio Carreira foi este ano atribuído ao ilustrador Luís Filipe Abreu, que terá uma exposição no Centro Internacional das Artes José de Guimarães

O Prémio Carreira foi este ano atribuído ao ilustrador Luís Filipe Abreu, que terá uma exposição no Centro Internacional das Artes José de Guimarães

Cinco anos depois de ser a Capital Europeia da Cultura, Guimarães encontra novas histórias – de ilustradores, esboçadas a lápis e caneta, em jornais e livros, cartazes e revistas, em papel ou suporte digital. É com o foco no artista que a primeira edição da Bienal de Ilustração de Guimarães (BIG) abre portas no Centro Cultural Vila Flor (CCVF) este sábado, 14. Até ao final do ano, haverá exposições, debates e conferências.

Organizada pelo município a partir de uma proposta de Tiago Manuel, artista plástico e diretor artístico, a BIG reúne mais de uma centena de obras de 50 ilustradores portugueses, selecionados num concurso de âmbito nacional. Sem tema ou fio condutor definido pela organização, cada artista submeteu ao júri, composto por João Paulo Cotrim, Jorge Silva e Margarida Noronha, três obras publicadas entre 2014 e 2017. “Sendo um período de crise, há algumas obras de incidência nessa temática”, conta Rui Bandeira Ramos, o diretor técnico da BIG. Diversidade, coerência gráfica e originalidade levaram à final do Prémio Nacional BIG 2017 ilustradores como Abigail Ascenso, André Carrilho, Esgar Acelerado, Cristina Valadas, João Vaz de Carvalho, Mariana, a miserável e Tina Siuda.

Além da mostra no CCVF, o programa inclui também A Ceia de Ilustração, um ciclo de conferências e debates, onde o público pode interagir com os artistas, e a exposição Prémio Carreira, este ano atribuído ao ilustrador Luís Filipe Abreu, para ver no Centro Internacional das Artes José de Guimarães. “A cidade tem sítios, público entusiasta em torno da cultura e um conjunto de características que podem ser essenciais para esta bienal”, continua Rui Bandeira Ramos. Para novembro, a BIG tem ainda agendada uma exposição de Daniel Lima e outra com os trabalhos dos alunos das escolas do concelho de Guimarães.

Centro Cultural Vila Flor > Av. Dom Afonso Henriques, 701, Guimarães > T. 253 424 700 > 14 out-31 dez, ter-sáb 10h-13h, 14h-19h > Centro Internacional das Artes José de Guimarães > Av. Conde Margaride, 175, Guimarães > T. 253 424 715 > 14 out-31 dez, ter-dom 10h-13h, 14h-19h > €4