Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'Blessed': Dançar num paraíso de cartão

Ver

  • 333

O solo criado por Meg Stuart para Francisco Camacho celebra 10 anos. Blessed, uma coreografia mais perto da maldição do que da bênção, regressa agora aos palcos, numa digressão europeia que passa pelo Porto e por Lisboa

À chuva, num cenário de papelão, o solo de dança transforma-se numa questão de sobrevivência

À chuva, num cenário de papelão, o solo de dança transforma-se numa questão de sobrevivência

Only the Best :-))

O bailarino Francisco Camacho passeia-se demoradamente, vestido de branco e sandálias à turista, por um cenário paradisíaco de papelão (da autoria de Doris Dziersk), formado por uma cabana, uma palmeira e um cisne. Um paraíso insustentável, facilmente arrasado pela chuva que, pouco depois, cai copiosamente no palco, fazendo com que o solo de dança se transforme numa questão de sobrevivência e de perseverança.

Blessed, criada em 2007 por Meg Stuart para Francisco Camacho, depois do furacão Katrina que deixou um rasto de destruição em Nova Orleães, terra natal da coreógrafa, refletia a impotência humana perante as catástrofes climáticas. Para celebrar o décimo aniversário de Blessed, a peça regressa aos palcos, numa digressão europeia que passará pelo Porto e por Lisboa.

Já vem de longe a relação de Meg Stuart e Francisco Camacho, que se conheceram em Nova Iorque, nos anos 80 do séc. XX. A colaboração entre ambos remonta a 1991, à primeira peça da norte-americana, Disfigure Study, em que o português participava como bailarino (espetáculo que inaugurou a programação performativa do Auditório de Serralves). Pouco depois, em 1994, Stuart fundou a sua própria estrutura, a Damaged Goods, sediada em Bruxelas.

Em 2007, a dupla reencontrou-se e Meg Stuart criou o solo Blessed com e para Francisco Camacho, na altura aclamado pela crítica. Hoje, quando sabemos que já não teremos para sempre (o acordo de) Paris, tudo parece tornar-se mais premente ainda.

Auditório de Serralves > R. D. João de Castro, 210, Porto > T. 22 615 6584 > 16-17 jun, sex 21h30, sáb 18h > €10 > Teatro Municipal Maria Matos > Av. Frei Miguel Contreiras, 52, Lisboa > T. 21 843 8800 > 22-24 jun, qui-sáb 21h30 > €9 a €18