Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'Ensaio para uma Cartografia': A liberdade da tentativa

Ver

Ao som de Beethoven e Ravel, Mónica Calle estreia-se no Teatro Nacional D. Maria II, com uma peça em que trabalha a vulnerabilidade e a coragem, a resistência e a superação. Ensaio para uma Cartografia pode ser vista até 9 de abril

“O essencial surgirá do confronto connosco, com os nossos corpos, as nossas almas, e com o que é o gesto artístico” acredita Mónica Calle

“O essencial surgirá do confronto connosco, com os nossos corpos, as nossas almas, e com o que é o gesto artístico” acredita Mónica Calle

Filipe Ferreira

São 12 mulheres e chegam com violinos, violoncelos e contrabaixos. Mónica Calle olha-nos de frente e conta-nos o que ali as trouxe, antes de deixarem instrumentos, sapatos e roupas no chão e voltarem a enfrentar-nos, nuas, de pé, ao centro do palco. O Bolero, de Ravel, há de ritmar o movimento daquela massa de corpos que se forma em cena. Costas direitas, pescoço esticado, mãos para baixo, olhos fixos e concentrados, braços que aos poucos se levantam, dedos dos pés a aguentarem o peso quando os calcanhares se erguem – ei-las, totalmente vulneráveis, mas fortes e corajosas.

Não é fácil manter o ritmo, aguentar a posição e a exposição, mas ninguém disse que seria. Tal como não houve promessas de que conseguissem, mais à frente, aguentar-se em pontas nas sapatilhas de ballet. Nem que, depois, fossem capazes de fazer soltar a 7ª Sinfonia, de Beethoven, das cordas daqueles instrumentos.

É esse exatamente o caminho percorrido neste Ensaio para uma Cartografia, o projeto que Mónica Calle começou em 2014, a partir de Os Sete Pecados Mortais, de Brecht, e de A Boa Alma, de Luís Mário Lopes, e que agora se materializa num novo espetáculo. Ali, connosco na plateia, cada uma delas e todas juntas hão de ser resilientes, resistir e superar-se. “Tentamos trabalhar com materiais que não são os nossos, como a música e a dança clássica, para vermos onde nos leva e irmos ao encontro do que é essencial, seja a nível artístico seja a nível pessoal”, diz Calle, que entrou nesses universos pela mão de Luna Andermatt.

Para Ensaio para uma Cartografia chamou o maestro Rodrigo B. Camacho. Em cena, ouvimos os ensaios de orquestras, dirigidos por Leonard Bernstein, Sergiu Celibidache e Zubin Mehta – vozes mais ou menos rudes, mais ou menos suaves, a desconstruir a música que há de pôr aqueles corpos femininos em esforço. Nunca ali se procura o êxito, mas antes uma certa “liberdade da tentativa”, como lhe chama a atriz e encenadora, uma mistura entre esforço e transcendência, um abismo para onde nos leva o constrangimento e a vontade de conseguir.

“Trabalhamos com a dificuldade e com o erro, aceitamo-los, mas sem condescendência e lidando com as frustrações”, reforça Mónica Calle, para quem este projeto prolongado no tempo é uma forma de resistir a uma arte em modo acelerado. “O essencial surgirá desse confronto connosco, com os nossos corpos, as nossas almas, e com o que é o gesto artístico. É um caminho coletivo e também individual de cada uma de nós, mas acredito que seja também o caminho particular de cada espectador,” acredita.

Tocar instrumentos de cordas será um dos desafios para as atrizes em Ensaio para uma Coreografia

Tocar instrumentos de cordas será um dos desafios para as atrizes em Ensaio para uma Coreografia

Filipe Ferreira

Ensaio para uma Cartografia > Teatro Nacional D. Maria II > Pç. D. Pedro IV, Lisboa > T. 21 325 0800 > 23 mar-9 abr, qua 19h30, qui-sáb 21h30, dom 16h30 > €12 > 27 mar, seg 21h30 > grátis

Na primeira versão de Ensaio para uma Cartografia, as atrizes começaram a treinar-se pôr-se em pontas

Na primeira versão de Ensaio para uma Cartografia, as atrizes começaram a treinar-se pôr-se em pontas

Bruno Simão