Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Em Macau, cativos de um Oriente mágico

Ver

  • 333

O Teatro Meridional continua a sua viagem pelo mundo da lusofonia e põe em palco a nossa estranheza e fascínio pelo território chinês que nunca chegou verdadeiramente a ser nosso. Contos em Viagem: Macau estreia esta quarta-feira, 12, em Lisboa

Em palco, o ator Romeu Costa junta-se à bailarina Margarida Belo Costa e ao músico Rui Rebelo

Em palco, o ator Romeu Costa junta-se à bailarina Margarida Belo Costa e ao músico Rui Rebelo

No palco do Teatro Meridional cabe um mundo inteiro de sons e imagens. Agora, vão ouvir-se o mar furioso, as vozes no mercado, as flautas e os gongos, as campainhas das bicicletas, o chilrear dos passarinhos… e todo um universo sonoro que nos transporta para quase onze mil quilómetros daqui. Depois de ter trazido Brasil (em dois espetáculos diferentes) e Cabo Verde, o projeto Contos em Viagem do Meridional traz-nos Macau.

Em cena, como sempre, textos não dramáticos, um músico (Rui Rebelo) e um ator (Romeu Costa), aos quais se junta, desta vez, uma bailarina (Margarida Belo Costa). “A minha sensação é a de que este foi o único sítio onde os portugueses estiveram e não existiu miscigenação. O olhar português sobre Macau e a China é de quem se fascina, mas sobretudo de quem estranha e percebe que é diferente”, aponta a encenadora Natália Luiza. Por isso, em palco, quis ter um terceiro elemento, a bailarina, que nunca se une àquele homem que chega de barco e se vai espantando com tudo o que ali encontra.

“Corremos o risco de Macau ser cada vez mais longínquo para nós, portugueses”, nota Natália Luiza, que, tal como fez nos outros Contos em Viagem, foi em busca da escrita poética, ficcional e de prosa sobre o território. Apesar de bem mais escassa do que a do Brasil ou a de Cabo Verde, encontrou textos com que costurou este espetáculo e onde cabem autores como Bocage, Eugénio de Andrade, Camilo Pessanha, Venceslau de Morais, José Augusto Menano, Maria Ondina Braga ou José Jorge Letria. “Eu sou cativo deste oriente mágico”, há de ouvir-se.

No palco, está a história desta relação de ambivalências, dúvidas, fascínio e estranheza, entre magias e cruezas, sempre em tons de vermelho, preto e dourado. Uma viagem que se faz pela Ilha Verde, pelo patoá falado pelos macaenses, por mitos e crenças, pelos mercados de Macau, pelos rituais do chá, pelo jogo, claro, pelas faianças e as eletrónicas sofisticadas, pelos adivinhos, pelos velhos que jogam mah-jong e os miúdos que brincam pelo chão das ruas. “Estes Contos em Viagem também são um percurso pela vida e pelas pessoas”, conclui Natália Luiza.

Contos em Viagem: Macau > Teatro Meridional > R. do Açúcar, 64, Lisboa > T. 91 999 1213 > 12 out-6 nov, qua-sáb 21h30, dom 17h > €5, €10