Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Um branco do rio Cávado e dois tintos do Guadiana

Visão Se7e

  • 333

A crónica semanal, do especialista da VISÃO, José António Salvador

Os rios são um elemento central de muitas das regiões vitivinícolas no mundo. Para não irmos mais longe basta olhar aqui na Europa para França, Espanha e Portugal. Tema a que regressaremos quando for oportuno para agora vos propôr vinhos do Cávado e do Guadiana.



Quinta de Santa Maria Alvarinho-Arinto Regional Minho 2011 **** - €4,50

Um exemplo feliz do quanto de bom se pode produzir no Minho. Um branco que foge à "tradição" dos Vinhos Verdes, às vezes, com gás dispensável, e outras com acidez excessiva. Há neste vinho produzido em Barcelos, município atravessado pelo rio Cávado, um grande equilíbrio e harmonia entre frutado, acidez, frescura de sabores e grau alcoólico limitado aos 11,5% vol., resultante de uma "união de facto" entre duas das melhores castas brancas portuguesas, Alvarinho (cujo solar se estende ao longo do rio Minho fronteiriço) e Arinto (brilhante na região de Bucelas).



Cooperativa Agrícola da Granja Encostas Alqueva Regional Alentejano Reserva 2010 ****/***** - €2,25

Esta cooperativa fundada em 1952 para a produção de azeite estende a sua área de influência ao longo da margem esquerda do Guadiana desde Mourão a Moura, uma zona fronteiriça entre o lago do Alqueva e Espanha. É um território preservado, refere a Comissão Vitivinícola do Alentejo, para sublinhar ainda a existência de vinhas de pé franco nesta zona, onde os vinhedos se estendem por 600 hectares. Este tinto surge bem estruturado, vinoso, com sabor a uvas corretamente amadurecidas das castas Alfrocheiro, Aragonês, Trincadeira e Moreto, sendo esta típica da zona e significante no lote. Tendo em conta a relação qualidade/preço, considero-o excepcional.

 

Riso Regional Alentejano 2010 ****/***** - €10

Uma surpresa pela qualidade superior do vinho e pelas castas escolhidas junto ao Guadiana para o desenhar: Touriga Nacional (84%) e Sousão (16%), esta última uma variedade durienses que enobrece a Quinta do Noval. O produtor deste tinto alentejano é a Herdade Monte do Vau, situada nas encostas do Guadiana, próximo da cidade de Beja. Estamos perante um vinho tinto alentejano diferente do modelo tradicional.

 

MAIS CRÍTICAS DE VINHOS: AQUI