Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

'Tigerland', no Discovery Channel: Território em extinção

TV

A vida de dois ativistas na luta aguerrida para que os tigres não desapareçam da Terra, registada no documentário Tigerland que estreia nesta segunda-feira, 1 de abril, no canal Discovery Channel

Em 1900, na Rússia, existiam 100 mil tigres em estado selvagem, hoje são menos de quatro mil e só 540 siberianos permanecem no Extremo Oriente russo. Na Índia, em 100 anos, o número de tigres passou de 40 mil para 2 300

Em 1900, na Rússia, existiam 100 mil tigres em estado selvagem, hoje são menos de quatro mil e só 540 siberianos permanecem no Extremo Oriente russo. Na Índia, em 100 anos, o número de tigres passou de 40 mil para 2 300

Meio século separa a missão incansável de dois homens, o indiano Kailash Sankhala (1925-1994) e o russo Pavel Fomenko, ainda no terreno, com mais de 25 anos dedicados à sobrevivência dos tigres. A estreia de Tigerland no Festival de Cinema de Sundance, em novembro passado, na categoria de Documentário, veio alertar o mundo para a extinção destes animais. Com produção de Fisher Stevens (The Cove, Oscar de Melhor Documentário), esta realização de Ross Kauffman (Born Into Brothels, Oscar de Melhor Documentário) viaja, precisamente, até à Índia e à Rússia para revelar o que os dois ativistas fizeram e continuam a fazer para salvar os tigres.

É pela voz de Amit Sankhala (neto) e Jai Bhati (bisneto) que conhecemos Kailash Sankhala, conservacionista da vida selvagem, tendo sido diretor do Jardim Zoológico de Deli. Chegou a levar um tigre para casa e fez um diário sobre o seu crescimento. Numa altura em que a caça aos tigres era um desporto das colónias britânicas na Índia, Sankhala conseguiu que, em 1972, a primeira-ministra Indira Gandhi proibisse esta atividade e a exportação das peles, além de ter criado reservas protegidas no país.

Em 1991, com o fim da União Soviética, de um dia para o outro surgiram milhares de caçadores ilegais, um desastre para a população dos tigres e uma maneira fácil de fazer dinheiro. Na província de Primorsky, Pavel Fomenko, diretor de conservação de espécies raras do World Wildlife Fund, criou, há 12 anos, um laboratório forense para descobrir as causas de morte dos tigres, ao mesmo tempo que anda no terreno a proteger os animais que saem das áreas protegidas. E mesmo depois de ter sido atacado por um tigre, numa consulta de rotina, tendo ficado com graves marcas no rosto, continua a trabalhar com aqueles que na Antiguidade eram considerados os mais sagrados de todos os animais.

Tigerland > Estreia 1 abr, seg 21h