Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

"Isto É Arte", na RTP2: Aprender não tem idade

TV

Neste série documental, um livro, um quadro, uma fotografia ou uma música servem para discorrer sobre temas tão variados como êxtase, curiosidade, rebeldia e vaidade. Isto É Arte passa à quinta-feira na RTP2

Ramón Gener apresenta a série 'Isto é Arte', de 12 episódios. Da sua autoria é também o programa 'Isto É Ópera', já exibido na RTP2

Ramón Gener apresenta a série 'Isto é Arte', de 12 episódios. Da sua autoria é também o programa 'Isto É Ópera', já exibido na RTP2

Divulgacao

O tema do segundo episódio era a Curiosidade e a nossa foi despertada pela simplicidade com que o anfitrião, Ramón Gener, ex-barítono, pianista, escritor e promotor musical catalão, nos leva pela mão a descobrir o mundo da arte através das emoções humanas. Recordámos O Principezinho, de Saint-Exupéry, uma das mais curiosas personagens da Literatura; descobrimos os vários traços de Picasso, que dizia ter levado a vida toda a aprender a pintar como uma criança; e a genialidade de Mozart, 
que compôs peças para todos os instrumentos musicais, incluindo Der Spiegel (O Espelho), 
um dueto para violino cuja partitura se lê de cima para baixo e vice-versa. Já o curriculum vitae de Leonardo da Vinci não agradou, na atualidade, 
a técnicos de recursos humanos.

Em Isto É Arte (episódios anteriores disponíveis no RTP Play), qualquer obra 
– e tanto pode ser uma pintura, um livro, uma fotografia ou uma música – é explicada como 
se tivéssemos cinco anos, mas sem infantilidade, antes pelo contrário. Depois da estreia dedicada ao Êxtase, seguiu-se a Curiosidade, a Inspiração e, nesta quinta-feira, 2, aborda-se a Rebeldia. O nome de Banksy, o artista urbano britânico que mantém secreta a sua identidade, surge em três entrevistas a outros artistas. Ramón Gener conversa com o cineasta Julien Temple, que viveu, nos anos 70, a era punk em Londres e fala sobre a importância e o significado desse movimento. A Vaidade é o tema do programa seguinte, exibido a 9 de agosto, com diferentes formas de vaidade humana e artística. Manuel Antón, crítico de arte no Museu do Prado, em Madrid, analisa alguns retratos de monarcas que tentaram alcançar diferentes objetivos com as suas poses. Já uma viagem até ao Palácio de Versalhes, em França, mostra que Luís XIV mandou construir um dos exemplos mais óbvios de vaidade na História da Humanidade. Em Barcelona, a vaidade da arquitetura local comprova-se na entrevista ao escultor Jaume Plensa e na voz calorosa da soprano Desirée Rancatore. Parece que voltámos às cadeiras da escola para aprender, só que desta vez, ao serão e no sofá.

Isto É Arte > qui 23h, repetição sex 13h