Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

14 oficinas e workshops, em Lisboa e no Porto, para pôr mãos à obra

Sair

Da tecelagem à joalharia, da cerâmica à ilustração, nestes 14 workshops e oficinas, de Lisboa e do Porto, aprendem-se as técnicas e trabalham-se os ofícios. Faz-se o gosto ao dedo e, no fundo, ao prazer de criar

Joana Loureiro, Susana Lopes Faustino e Susana Silva Oliveira

Na Casa Nic e Inês, em Lisboa, dão-se workshops sobre várias técnicas de encadernação

Na Casa Nic e Inês, em Lisboa, dão-se workshops sobre várias técnicas de encadernação

Divulgacao

1. Encadernação: Papel, linha e cola

Em cima da mesa há tesouras, linhas, papel, cola, lápis e réguas, grande parte do material necessário para começar um workshop de encadernação na Casa Nic e Inês. A técnica, que dá ainda mais beleza a um livro, foi das primeiras a serem lecionadas por Nicholas Carvalho e Inês Almeida, naquela que, há dois anos, era a casa onde ainda viviam. “Interessa-nos o livro como objeto em si. Nas nossas viagens estamos sempre à procura de encadernações diferentes, especiais, para as podermos dar a conhecer”, explica Nic. Neste atelier, tudo é ensinado num registo descontraído e bem-disposto. “Quisemos quebrar aquela ideia de que os workshops são coisas maçadoras e chatas”, acrescenta Nic. A encadernação, conta, “pode assumir as mais variadas formas”, é por isso que, na Casa Nic e Inês, é possível aprender várias técnicas (a japonesa, a medieval, a clássica ou aquela em que as linhas da lombada formam uma seta). O trabalho, muito manual, resulta em propostas originais, em que se veem pontos, cores e texturas diferentes, um encontro entre a técnica e a imaginação de cada um. Casa Nic e Inês > R. José Estêvão, 19, Lisboa > T. 92 745 8401 / 96 373 1318 > encadernação em diamante: 9 nov, sáb 10h-13h, 14h30-17h30 > €15

Vânia Oliveira, da Two Hands Textile Studio, dá workshops de tapeçaria em tear de moldura

Vânia Oliveira, da Two Hands Textile Studio, dá workshops de tapeçaria em tear de moldura

Divulgacao

2. Tapeçaria em tear de moldura: pintar com fios
“É uma arte terapêutica, exercita a paciência e trabalha muito a imaginação”, diz Vânia Oliveira, da Two Hands Textile Studio, sobre a tapeçaria em tear de moldura, uma das técnicas que ensina e que não esconde ser a sua preferida. “É como pintar com fios, é muito singular e emotiva”, explica. Sobre as suas aulas, comenta que são muito intensas: “Gosto muito de ensinar e só temos quatro horas.” Começa por explicar o que é um tear, como se monta, fala depois sobre as principais técnicas de tapeçaria, o remate e os acabamentos. No final, os alunos saem ainda com um manual preparado por Vânia e um contacto, para o caso de quererem tirar dúvidas.

Aprender não requer qualquer tipo de conhecimento prévio, o que é mesmo preciso é, diz, “perceber que não se vê logo um grande trabalho”. “O resultado é uma peça terminada e, embora tenha a dimensão de uma amostra, não é feita às três pancadas”, assegura. É preciso tempo para ver crescer um trabalho em tapeçaria (o que não acontece com outras técnicas, como o macramé ou a fada do lar, que Vânia também ensina), sempre com o mesmo espírito de partilha de conhecimento e liberdade para criar. Retrosaria > R. do Loreto, 61, 2º dto, Lisboa > T. 21 347 3090 > 12 out, sáb 10h10-14h10 > €55 > Fica – Oficina Criativa > LX Factory, R. Rodrigues Faria, 103, Ed. 1, Piso 1, Espaço 1.17A, Lisboa > T. 93 282 6402 / 93 267 4886 > 21 set, sáb 10h-14h > €55 > A Luz Natural > R. dos Bragas, 32, Porto > T. 91 302 86 66 > 9 nov, sáb 10h-14h > €50

A maioria dos participantes, nas aulas de bordados, são mulheres, à procura de um lado mais revivalista ou de dominar a técnica e explorar outros caminhos

A maioria dos participantes, nas aulas de bordados, são mulheres, à procura de um lado mais revivalista ou de dominar a técnica e explorar outros caminhos

3. Bordados: A unir os pontos

Os primeiros tempos não foram fáceis. Há dez anos, Joana Caetano, com formação em teatro e design de cenografia, resolveu fazer um curso de bordados de Guimarães, pensando que poderia ser-lhe útil na profissão. “No início não tinha jeito, mas o processo tinha piada e insisti. Fiquei viciada e nunca mais parei”, conta. Auxiliada pela “bíblia” O Grande Livro dos Lavores, aprofundou conhecimentos para continuar a criar peças desenhadas e bordadas à mão com a marca Jubela, na qual troca as voltas aos pontos tradicionais com humor e criatividade. “Não vejo isto como um revivalismo mas como uma evolução do bordado. Há um lado de expressão plástica”, sublinha.

Com a difusão do trabalho nas redes sociais, Joana tem sido convidada a dar workshops, sobretudo de iniciação ao bordado, em várias casas do Porto (onde mora) e de Lisboa. Há participantes (na maioria, mulheres) à procura de um lado mais revivalista e outras com vontade de dominar a técnica e explorar outros caminhos. “Quando vejo as pessoas a tomarem o gosto, é quase como se fosse magia”, confessa, motivada por esta transmissão do saber fazer. Retrosaria > R. do Loreto, 61, 2º dto, Lisboa > T. 21 347 3090 > Iniciação ao bordado: 19 out, sáb 15h-19h > €55 > Bordar em tricô: 19 out, sáb 10h30-14h > €50; Atelier de Costura Portuense > Rua da Picaria 41, Porto > 5 out, sáb, 9h-13h > €50

Na Caulino Ceramics, fundada por Cátia Pessoa, há aulas semanais e workshops de cerâmica

Na Caulino Ceramics, fundada por Cátia Pessoa, há aulas semanais e workshops de cerâmica

Diana Tinoco

4. Cerâmica: As Infinitas formas do barro

Há cerca de 12 anos, quando fundou a Caulino Ceramics, Cátia Pessoa só tinha uma aluna, a quem dava aulas uma vez por semana, à terça-feira. “Era muito diferente do que é agora. Hoje, há muita gente a procurar--nos para aprender cerâmica. Portugueses, estrangeiros e até estudantes de Erasmus, que veem nos workshops não só uma forma de adquirir conhecimentos mas também de conhecer pessoas”, explica Cátia. Na Caulino, é possível ter aulas semanais, de segunda a quinta, a melhor forma de saber mais. Para experimentar, aconselha-se um workshop de um ou dois dias, uma formação mais curta durante a qual se aprende todo o processo.

Na Caulino, trabalha-se o barro desde a técnica manual, sem recurso à roda de oleiro, até ao vidrado. As aulas são lecionadas por dois professores e misturam alunos de vários níveis e faixas etárias. “Não há uma idade certa para começar, e aprende-se muito uns com os outros, qualquer que seja o nível”, diz Cátia. “Aqui é tudo muito lento, o que obriga as pessoas a desacelerarem. É uma boa forma de relaxar e de começar a levar uma vida mais calma.” Caulino Ceramics > R. de São Mamede, 28, Lisboa > T. 91 244 7703 > workshop: €40 (1 dia), €75 (2 dias); aulas: €90 mensais (2 horas por semana), €160 mensais (4 horas por semana)

A serigrafia é uma as artes que se ensina na Fica - Oficina Criativa, na Lx Factory, em Lisboa

A serigrafia é uma as artes que se ensina na Fica - Oficina Criativa, na Lx Factory, em Lisboa

5. Serigrafia: Imprimir, estampar, usar

Na Fica – Oficina Criativa, nunca se sai de mãos a abanar quando se vai aprender uma técnica. No caso da serigrafia, depois de terminado o workshop ou a primeira sessão da oficina – a formação mais longa e intensiva, composta por quatro sessões –, cada um dos participantes leva consigo um tote bag com uma estampagem. “É muito importante as pessoas terem ideia de como pode ser o objeto final, um saco, um cartaz, uma t-shirt”, explica Rita Daniel que, com Gonçalo Almeida, fundou a Fica, na LX Factory, em Lisboa.

As aulas são muito práticas e, à medida que avançam, os projetos vão sendo mais complexos e mais personalizados. Imprime-se do papel à madeira e o produto final pode ser uma peça única ou uma série. Não é preciso ter conhecimentos prévios para aprender a técnica, aqui ensinada desde o nível básico. “Só vontade de desenvolver um projeto”, diz Rita. Se ficar com o bichinho, pode sempre voltar e aplicar o saber no ginásio de ofícios, onde é possível trabalhar e treinar com as ferramentas da Fica. Fica – Oficina Criativa > LX Factory, R. Rodrigues Faria, 103, Ed. 1, Piso 1, Espaço 1.17A, Lisboa > T. 93 282 6402/ 93 267 4886 > 24 set, ter 19h30-22h30 > €135

O movimento upcycling defende a reutilização criativa dos resíduos

O movimento upcycling defende a reutilização criativa dos resíduos

FILIPE PAIVA/NFACTOS

6. Upcycling: Transformar o lixo

Alexandra Arnóbio tem o olho treinado para reconhecer o potencial de uma peça destruída. Nas suas mãos, tambores de máquinas da roupa ou bonecos de peluche sem cabeça ganham uma nova função. Quando começou, Alexandra nem conhecia o movimento associado a esta prática, o upcycling, defensor de uma reutilização criativa dos resíduos como forma de redução da pegada ecológica. Hoje, com o projeto Era Uma Vez, é ela quem se esforça por passar a mensagem de que o lixo de uns pode ser o luxo de outros. Numa mesa no centro da Once Upon a Time, loja social com quem colabora na zona do Bonfim, no Porto, faz oficinas para o público em geral (até quatro pessoas). Normalmente, transformações de pequeno mobiliário, como parte de um louceiro que, através de simples passos, vira bengaleiro, ou uma caixa de fruta convertida em teatro de sombras. “Aos poucos, os participantes encaram os resíduos com outros olhos”, diz Alexandra. Era Uma Vez > R. do Heroísmo, 111, Porto > T. 96 930 0712/ 92 532 1447 > €10 a €60

Às segundas e sextas, há demonstrações gratuitas no Mercado Ofícios do Bairro Alto - MOBA, em Lisboa

Às segundas e sextas, há demonstrações gratuitas no Mercado Ofícios do Bairro Alto - MOBA, em Lisboa

jdm

7. Marcenaria: Dar a volta aos nós da madeira

Desde maio do ano passado que mestres e artífices da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva – FRESS ensinam artes tradicionais portuguesas, incluindo a marcenaria, no Mercado Ofícios do Bairro Alto – MOBA, em Lisboa. Para quem pretende ter um primeiro contacto com o ofício, aconselha-se a participação nos open days, demonstrações gratuitas que decorrem todas as segundas e sextas, entre as 10 e as 20 horas. “Esta formação informal e livre é a melhor maneira de começar, está aberta ao público em geral, basta inscreverem-se. Se a pessoa quiser continuar, tem a possibilidade de frequentar os cursos de curta duração, nos quais aprende as técnicas básicas da marcenaria”, explica Conceição Amaral, administradora-executiva da FRESS.

O curso é lecionado pelos melhores artesãos, formados na própria fundação. Entre plainas e serrotes, dão-se os primeiros passos na técnica dos malhetes (o encaixe das peças), descobrem-se os vários tipos de madeiras e ensina-se a usar as ferramentas, como se fossem prolongamentos das próprias mãos. Tal é a necessidade de afinação entre o corpo e o instrumento, para que tudo encaixe na perfeição. MOBA – Mercado Ofícios do Bairro Alto > Tv. da Boa Hora, Lisboa > T. 21 133 9945 > 17, 19, 24, 26 set, ter e qui 10h-13h > €100 (4 sessões)

No Alquimia-Lab, no Porto, começa-se por técnicas simples, como serrar e polir

No Alquimia-Lab, no Porto, começa-se por técnicas simples, como serrar e polir

RICARDO CASTELO/NFACTOS

8. Joalharia: Laboratório de ideias

Nada falta à escola de Carla Solheiro, que abriu há quase uma década, na Rua do Campo Alegre, junto ao Jardim Botânico, no Porto. Alicates, cilindros, limas e escovas são algumas das ferramentas alinhadas nas bancadas, junto às máquinas de corte e do forno. Carla estudou arquitetura, mas descobriu na joalharia a sua paixão: dar aulas. “Isto é a minha vida, adoro.” Ali, no Alquimia-Lab, onde fervilham ideias e projetos, começa-se por técnicas simples, como serrar e polir, para depois seguir-se o impulso da descoberta, e traçar-se um caminho pessoal. “Aqui nada é fruto do jeito, mas de muito trabalho.” Além da vertente profissional, a escola realiza workshops de joalharia, de modelação de ceras e de filigrana. Pode começar, sem saber nada. Na oficina, Carla ensina tudo o que aprendeu, desafiando os alunos a criar, pois ninguém sai daqui de mãos vazias. “Eles fazem não uma, mas várias peças”, diz. E todas revelam um pouco do seu criador. Alquimia-Lab > R. do Campo Alegre, 1487, Porto > T. 91 459 3571 > seg-qui 10h-13h, 14h30-17h30, sex 10h-13h, sáb 9h-13h > €350 (33 horas, divididas por 11 aulas de três horas, material incluído)

Aos sábados, os workshops de ilustração têm tomado conta da antiga Papelaria Modelo, no Porto

Aos sábados, os workshops de ilustração têm tomado conta da antiga Papelaria Modelo, no Porto

Divulgacao

9. Ilustração: Contar histórias sem palavras

Não é preciso saber alguma coisa sobre ilustração para frequentar os workshops da Papelaria Modelo, procurada desde sempre por alunos de belas-artes. Juntar uma comunidade artística, de forte presença no Porto, com admiradores, estudantes e curiosos é o objetivo de Magali Marinho e do irmão, David, os atuais proprietários. “Aproveitamos a sinergia para juntar os dois lados”, sublinham. Desde o início deste ano, geralmente ao sábado, sem uma periodicidade definida, há workshops com a duração de três ou quatro horas. Por ali, já passaram ilustradores como Ana Seixas, Cátia Vidinhas, Carolina Celas, David Penela, Paulo J. Mendes e Mariana, a miserável.

Com traços, cores, formas e símbolos, contaram-se histórias, sem palavras, traçaram-se mapas, deu-se cor à cidade, sem esquecer, claro, o registo de vivências pessoais e do quotidiano. Tudo acontece numa sala do primeiro andar reservada à formação, onde há apenas livros e cavaletes. Os alunos aprendem a passar do texto à imagem, a desbloquear a veia criativa, que, diz Magali, “todos temos”. Ainda sem data, está prevista uma sessão com Uma Joana e outra com Teresa Cortez. Papelaria Modelo > Lg. dos Lóios, 76, Porto > T. 22 208 6983 > seg-sex 9h30-13h, 14h-19h, sáb 9h30-13h, 14h-18h > a partir de €25 (material incluído)

Na The Craft Company, em Cascais, há aulas para aprender tudo sobre tricô

Na The Craft Company, em Cascais, há aulas para aprender tudo sobre tricô

Diana Tinoco

10. Tricô: De malha em malha

Ponto jersey, canelado, meia ou liga, acrescentar e diminuir malhas, fazer cós e decotes, rematar, unir costuras e coser. Tudo isto se aprende na The Craft Company, em Cascais, sob a orientação da formadora Anabela Gabriel-Astrom. Nesta loja/atelier, a vida gira à volta da arte de fazer malha, a que nem os homens escapam. “O tricô é um universo que pertence a todos, não só às mulheres. A minha mãe é inglesa e, na geração dos meus avós, todos tricotavam. Durante a Segunda Guerra Mundial, em Inglaterra, foi feito um apelo nacional para tricotadores, pois era preciso fazer roupa para os soldados”, justifica Alexandra Egreja, proprietária da The Craft Company. Mais do que vender os materiais na loja, das agulhas às lãs, Alexandra sempre achou importante ensinar a usá-los, razão pela qual optou pelas aulas individuais e pelos workshops nos quais se ensinam várias aplicações e técnicas de tricô, das mais fáceis às mais difíceis. The Craft Company > Pç. Dr. Francisco Sá Carneiro, 4 B, Cascais > T. 92 686 8813 > workshop de meias em tricô – 1ª parte: 28 set, sáb 10h-12h

E mais estes workshops:

11. Origami Arquitetónico – 1800, Lisboa
A “casa de neve”, do arquiteto japonês Masahiro Chatani, e o “leão”, da especialista em origami Keiko Nakazawa, são dois dos modelos a serem construídos nesta sessão de Origami Arquitetónico – 1800. O desafio é cortar o desenho em papel, dobrá-lo em secções e vê-lo ganhar vida – e uma terceira dimensão, assim que é levantado como um pop-up. Museu do Oriente > Av. Brasília, Doca de Alcântara, Lisboa > T. 21 358 52 00 > 25 set, qua 15h-17h > €20

12. Bordado sobre Fotografia, Lisboa
Neste workshop aprende-se a técnica de bordar sobre fotografia com as especialistas da casa, as avós da associação A Avó Veio Trabalhar. Assegura-se técnica perfeita e boa-disposição. A Avó Veio Trabalhar > Lg. Mendonça e Costa, 10, Lisboa > T. 93 624 43742 > 20 set, sex 15h-18h > €30

13. Cor da Natureza, Porto
Leonor Soares, criadora de peças de macramé, ensinará a fazer os nós básicos usados nesta técnica. Gira Terra – Oficina de Artes > R. Visconde de Setúbal, 157, Porto > T. 91 102 9035 > 14 set, sáb 14h-18h > €40

14. Curso de Costura Criativa, Porto
Acessível a quem nunca costurou, passará pela execução de várias peças na máquina de costura, como uma almofada, uma bolsa, um estojo...Riera Alta > R. do Rosário, 110, Porto > T. 22 096 4702 > 26 set-14 dez, qui ou sáb 10h-13h > €150