Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Durante três dias, o Teatro São Luiz, em Lisboa, quer ser a nossa casa

Sair

A 2ª edição do Estar em Casa, programa desenhado por Anabela Mota Ribeiro e André e. Teodósio, assinala os 125 anos do Teatro São Luiz. Em sete pontos, saiba o que não pode perder nesta festa que toma conta do teatro e inclui uma praia, já a partir desta sexta, 12

Verão, festa, praia. É esta a ideia deste Estar em Casa, que teve direito a um cartaz especial

Verão, festa, praia. É esta a ideia deste Estar em Casa, que teve direito a um cartaz especial

1. Festa de inauguração

Num teatro a celebrar 125 anos, não podia faltar uma festa. Marta Pedroso, funcionária do São Luiz que nas horas vagas é DJ, e Luís Clara Gomes (Moullinex) juntam o seu talento a pôr música e transformam a Sala Bernardo Sassetti em salão de festa que inaugura este Estar em Casa, a partir das 22 e 30. A entrada é livre, sujeita à lotação da sala.

Antes, há a oportunidade de ver (ou rever) Verdes Anos, primeiro filme do realizador Paulo Rocha e se estreou no São Luiz, em 1963. A sessão, com início às 21 e 30, é apresentada pelo professor Bragança de Miranda, na Sala Luís Miguel Cintra. A exibição tem a supervisão de Pedro Costa.

2. Consultórios

Nestes tête-a-tête nos camarotes do teatro, tudo pode acontecer, por isso, valem a espera (na primeira edição de Estar em Casa, houve filas, fica o aviso). Tratam-se de encontros curtos, a durar entre dez a quinze minutos, em que cada visitante entra à vez num dos camarotes disponíveis. No sábado, 13, entre as 15 e 30 e as seis da tarde, há Cartas de Amor por Isabela Figueiredo, Desenhos de Amor com André Tecedeiro e Tarot (uma leitura verdadeira) com Gisela Casimiro. O consultório poético-sentimental é da responsabilidade de Maria Mendes e o consultório fotográfico está nas mãos de Estelle Valente. No domingo, 14, repete-se a receita, mas com “doutores” diferentes.

3. Visitas guiadas

Durante o fim de semana, há três visitas guiadas por dia, conduzidas por diferentes cicerones. Margarida Folque Guimarães, 13 anos, é a primeira a dar um outro olhar sobre o teatro (sáb, 13, 11h), seguindo-se a atriz Cátia Nunes, que veste a pele de uma agente imobiliária para “vender” esta casa o melhor que puder (sáb, 13, 14h) e o artista plástico Vasco Araújo (sáb, 13, 17h). No domingo, 14, às 11 horas, é a vez das irmãs e arquitetas Rita e Catarina Almada Negreiros, netas do poeta e pintor, conduzirem a visita (o Manifesto Futurista de Almada Negreiros foi apresentado, em abril de 1917, no São Luiz - à altura Teatro da República); da atriz Cláudia Jardim (14h), que tão bem conhece o teatro, e, por último, da dupla brasileira Lívia Nestrovski e Fred Ferreira, a guiar o público num percurso finalizado com um concerto.

4. Praia Seca

Sim, é verdade, esta festa também tem direito a uma praia, sem água, é certo, mas uma praia, no Largo do Picadeiro, com direito a bar, boias insufláveis gigantes, música, jogos e algumas surpresas.

5. Teatro e performance

Entre a série de espetáculos integrados no programa Estar em Casa, há teatro e performance. Destacamos dois, ambos no domingo, 14: From Afar It Was na Island. De Perto, uma Pedra., de João Fiadeiro (21h, €7), a ocupar a Sala Luis Miguel Cintra com os objetos da sua companhia (REAL) que está a ser neste momento objeto de um despejo imobiliário, seguindo-se um leilão dessas peças. E a peça Enciclopédia X, da companhia Cão Solteiro & Afonso Cruz (22h), para maiores de 18 anos, pois inclui o consumo de cerveja, sendo também permitido fumar durante o espetáculo.

6. Conversas

Entre as cinco conversas que vão decorrer ao longo dos três dias, destaca-se Melancolia e Adultério, neste domingo, 14, com início marcado para as três da tarde. Nesta sessão, moderada por Susana Moreira Marques, assuntos como o adultério, o ciúme e a melancolia vão ser tratados através dos livros e das personagens preferidas de António Feijó, professor de Literatura, Pedro Mexia, poeta e crítico literário, e de Clara Ferreira Alves, escritora e jornalista.

7. Aulas em Casa

Nunca é tarde para aprender e prova disso são estas Aulas em Casa, para crianças e adultos, a dar sumo ao programa desta edição, abordando temas tão diferentes como literatura e sexo ou assuntos que estão na ordem do dia. As primeiras aulas desta espécie de Escola de Verão decorrem no sábado, 13, direcionadas para as crianças: Inês Fonseca Santos, poeta e jornalista, vai explicar a obra de Cesário Verde a crianças dos 6 aos 12 anos (10h30); Mamadou Ba, dirigente da associação SOS Racismo, tem a tarefa de explicar o que é o racismo ao público infantil (11h). Todas as aulas para crianças têm lugar junto ao bonito janelão da Sala Bernardo Sassetti. Já na aula O Interior em Clarice Lispector (sáb, 13, 12h), os adultos vão poder descobrir, com a ajuda de Carlos Mendes de Sousa, tudo sobre a escritora e jornalista ucraniana, naturalizada brasileira.

São Luiz Teatro Municipal > R. António Maria Cardoso, 38, Lisboa > T. 21 325 7640 > 12-14 jul, sex 20h-2h, sáb 10h30-00h30, dom 10h30-1h > grátis; espetáculos €7 a €15 (consoante o número de espetáculos)