Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Boas novas de Alvalade: passeio pelas novidades do bairro de Lisboa (sem esquecer os clássicos)

Sair

Rejuvenescido, o bairro lisboeta de Alvalade, construído nos anos 40, está a fervilhar de novidades. Restaurantes, lojas, galerias de arte e jardins juntam moradores de há décadas, com novos vizinhos e visitantes vindos de toda a cidade

Em Alvalade, não falta sequer um jardim com miradouro para observar a partida e chegada dos aviões

Em Alvalade, não falta sequer um jardim com miradouro para observar a partida e chegada dos aviões

Luis Barra

Se há música que assenta como uma luva ao bairro de Alvalade – que sempre conviveu com o som dos aviões a aterrarem e a descolarem do Aeroporto Humberto Delgado, ali a dois passos – é a do grupo português Azeitonas. Pela voz de Miguel Araújo, somos convidados a ir “... ver os aviões, levantar voo, a rasgar as nuvens, rasgar o céu...” Não é, pois, de admirar que só haja aqui um jardim com um miradouro para fazer isso mesmo – um lugar onde estes gigantes do céu passam tão perto que quase os podemos agarrar.

Aberto há cerca de um ano, na Avenida do Brasil, o Jardim e Parque Hortícola Aquilino Ribeiro Machado, com 25 mil metros quadrados, liga Alvalade à Alta de Lisboa, num passeio agradável entre dois pontos lisboetas que se viam separados pela frenética Segunda Circular. Com várias zonas de descanso, equipamento de fitness – de manhã é possível treinar-se à sombra – e talhões com hortas urbanas de ervas aromáticas, couves, girassóis ou melões, esta zona conta com uma vegetação muito particular, composta por áreas de prado e de sequeiro, que seguem o natural ritmo das estações. É verdejante no inverno, florido na primavera e, por esta altura do ano, discreto, em tons de castanho e de verde-seco. Já o sossego, esse bem essencial para uma boa leitura ou uns minutos de contemplação, está presente durante o ano inteiro.

Este jardim é um entre vários pontos de recreio do bairro, alguns escondidos por ruas e pracetas da freguesia de Alvalade. Ainda com poucos dias de uso, do outro lado da Avenida do Brasil foi criado um pequeno parque infantil, para crianças entre os 3 e os 12 anos. Fica junto ao número 120, num dos logradouros recentemente requalificados, com a relva fresquinha e bancos para se fazer uma pausa e se reparar no conjunto de edifícios amarelos do arquiteto Jorge Segurado que nos rodeia. Um bom ponto de partida para um passeio à descoberta das novidades de Alvalade. A freguesia é grande, tem 5,34 quilómetros quadrados, vai da Avenida Almirante Gago Coutinho ao Hospital de Santa Maria, mas é ao eixo entre as avenidas da Igreja, de Roma e Rio de Janeiro que podemos chamar “coração”. É por aqui, pelas ruas perpendiculares e paralelas, com moradores e visitantes de todas as idades, que quase tudo se passa – o bairro de Alvalade está a mudar. Entre restaurantes, lojas, barbearias e floristas, a arte urbana e contemporânea, por exemplo, ganhou destaque, mas também é preciso estar atento às novidades mais escondidas.

Na galeria Artworks, por marcação, podem ver-se as obras de Rafael Yaluff, de Jérémy Pajeanc e de Tiago Madaleno

Na galeria Artworks, por marcação, podem ver-se as obras de Rafael Yaluff, de Jérémy Pajeanc e de Tiago Madaleno

Luis Barra

Ver, ler, visitar

À semelhança do que está a acontecer em vários pontos da cidade, a arte urbana vem pintando muitas das paredes. Na Avenida Rio de Janeiro, no parque de estacionamento junto ao Mercado de Alvalade Norte, onde residentes e pessoas vindas de outros bairros compram bons peixes e produtos hortícolas, estão dois murais: um em homenagem ao arquiteto Nuno Teotónio Pereira, outro dedicado a José Cardoso Pires. Do outro lado do Campo Grande, no início da Rua Dr. João Soares, junto à esquina com o Campo Grande, está a obra de 20 metros de altura, da autoria de Nuno Saraiva, que assinalou, a 18 de julho, o Dia Internacional Nelson Mandela. E, recentemente, no jardim da Biblioteca dos Coruchéus inaugurou-se um mural em homenagem ao músico João Ribas, referência do punk nacional. Nesta zona, vale também a pena visitar a Quadrum, fundada por Dulce D’Agro, em 1973, galeria que está cada vez menos sozinha na representação das artes em Alvalade.

Desde então, muitas outras se instalaram aqui, a Quadrado Azul, a 111, a Appleton Square ou a Fundação Leal Rios, às quais se juntam agora novas moradas, como a Uma Lulik Contemporary Art Gallery, dirigida por Miguel Rios, e a Artworks. Encontrámo-las, sem qualquer indicação exterior, num pátio escondido na Rua do Centro Cultural. Na porta 2, está a Uma Lulik, local de discussão e de criação de novos públicos para a arte contemporânea, que expõe artistas portugueses mas também representa o trabalho feito em paragens mais longínquas, como a América do Sul, o Médio Oriente e o Sul da Ásia. Já a Artworks, no primeiro andar, abriu recentemente, embora só receba visitas por marcação. “Desenvolvemos este espaço com o objetivo de apresentar os trabalhos que resultam do nosso programa de residências artísticas na Póvoa de Varzim”, explica Diana Menino, coordenadora do projeto em Lisboa. As obras de Rafael Yaluff, de Jérémy Pajeanc e de Tiago Madaleno são as primeiras a sair desta iniciativa, que se chama No Entulho.

Focada em talentos emergentes está também a Balcony, inaugurada há precisamente um ano, na Rua Coronel Bento Roma. Ainda nas artes, mas com uma abrangência diferente, a Bicho Careto apresenta peças de autor nas mais variadas formas, da escultura à arte popular. Carla Correia, a proprietária, mudou-se, em junho, de São Bento para Alvalade. “O bairro é simpático, está a ser revitalizado e em crescimento, e isso nota-se nas pessoas que cá vêm, maioritariamente residentes entre os 30 e os 40 anos, e de vez em quando um ou outro estrangeiro”, justifica.

A STET é uma livraria especializada em fotografia

A STET é uma livraria especializada em fotografia

Luis Barra

Quem também se mudou para Alvalade foi a STET, agora vizinha do Clube Atlético de Alvalade, fundado em 1949. A livraria especializada em publicações de fotografia, criada por Filipa Valadares, em 2011, assentou de alma e coração numa loja minimal, cheia de luz, preparada pela arquiteta Filipa Junqueira, mentora do 1:1 (lê-se “um para um” e dedica-se à promoção do design português), companheiro da STET nesta nova morada. “Como muitos outros, tivemos de sair do Bairro Alto. Estivemos temporariamente noutra zona, mas depois encontrei a loja que a Filipa estava a reabilitar e, ao mesmo tempo, senti que havia um movimento de artistas e galerias a deslocarem-se para aqui”, diz Filipa. O 1:1 é uma iniciativa dinâmica e conta com uma agenda intensa, que decorre dentro e fora de portas. Nas últimas semanas, o lançamento do livro do fotógrafo Valter Vinagre e a apresentação das publicações do artista plástico João Penalva foram alguns exemplos.

Pedro Martins e Margarida Simões, responsáveis pela Legendary Books

Pedro Martins e Margarida Simões, responsáveis pela Legendary Books

Luis Barra

Na mesma rua, umas portas abaixo, somos surpreendidos pela Legendary Books, um paraíso para os amantes de banda desenhada: “Apostamos na divulgação de autores portugueses e numa agenda regular (lançamentos, workshops, sessões de autógrafos), e fazemos uma coisa que mais ninguém faz – vendemos edições antigas”, explica Margarida Simões que, em sociedade com Pedro Martins, fundou a loja em agosto do ano passado. “E quando dizemos antigas, falamos de publicações, por exemplo, dos anos 30 ou 40, tudo bem conservado, verdadeiros achados.”

Um bairro onde se encontra tudo

O corrupio de carros e de pessoas, que especialmente ao sábado chegam ao bairro vindos de toda a cidade, é resultado da boa fama granjeada. Diz-se que aqui se encontra de tudo e sempre com simpatia: compram-se lãs na Hermínio Dias Correia e Herdeiros, cafés e frutos secos na Casa Mariazinha (classificada como Loja com História), bicicletas na AIRAF, batas e chitas de Alcobaça nos Armazéns do Minho. Mas é das novidades que queremos dar conta, aguçando o apetite para novas visitas. Iniciamos a viagem pelos negócios de família que sempre fizeram parte do comércio do bairro.

Luis Barra

É o caso da florista de Fernando Neves e da filha Susana, a N’Flor, que veio ocupar o lugar deixado livre pela Dimop, uma das duas lojas de bicicletas de Alvalade. “O negócio começou há 17 anos em Telheiras, mas foi aqui que viemos abrir uma nova loja para a nossa filha”, explica Fernando. Fresca, como se quer neste ramo, e com uma variedade imensa de flores e de plantas, destaca-se logo pelo exterior. “Vendemos muitas plantas de rua – talvez pelas características do bairro – e as pessoas gostam de ter flores nas varandas; há muitas casas com jardim”, justifica o responsável. Mais à frente, na Avenida da Igreja, a sapataria Skarpa abriu uma nova loja fora de Campo de Ourique, onde nasceu. Pedro Fontes é a segunda geração deste negócio familiar e vê esta expansão como uma evolução natural: “O comércio é semelhante nos dois bairros, e nós fazemos questão de conhecer os clientes pelo nome; é essa ligação que nos distingue.” Também a Gerry Weber, antiga casa Castor, tem a segunda geração aos comandos. Pedro Dias é o responsável português pela primeira loja da marca alemã de vestuário feminino, de portas abertas há apenas uma semana.

A loja WareHouse by Maria do Mar, de Mónica Albuquerque, foi pensada para as famílias com crianças. Em 400 metros quadrados, tem disponíveis cerca de 7 800 artigos de puericultura, livros e mobiliário para crianças, dos 2 aos 10 anos

A loja WareHouse by Maria do Mar, de Mónica Albuquerque, foi pensada para as famílias com crianças. Em 400 metros quadrados, tem disponíveis cerca de 7 800 artigos de puericultura, livros e mobiliário para crianças, dos 2 aos 10 anos

Luis Barra

Já a loja WareHouse by Maria do Mar, de Mónica Albuquerque, foi pensada para as famílias com crianças. Em 400 metros quadrados, a WareHouse tem disponíveis cerca de 7 800 artigos de puericultura, livros e mobiliário para crianças, dos 2 aos 10 anos, tudo escolhido segundo “uma componente mais pedagógica e criativa no que diz respeito aos brinquedos, à sustentabilidade dos materiais, à diferença e à exclusividade”. Na Keiki, de Alexandra Martins, vestem-se crianças dos 3 meses aos 12 anos, com marcas nacionais e espanholas, como a Play Up e a Plumeti Rain, diferentes no design e nos tecidos.

Ideias de negócio mais curiosas também se instalaram nas ruas de Alvalade. Na Santa Fé, a funcionar desde outubro do ano passado, na Rua José D’Esaguy, o feltro, um dos tecidos mais procurados para o artesanato, é o rei das prateleiras. Lisos ou com estampados originais, como um padrão da Turma da Mónica, aqui encontram-se bons materiais, e ainda se pode aprender a trabalhá-los num dos vários workshops. Chegando à Rua Acácio Paiva, paralela à José D’Esaguy, dá-se logo pela Espalhafato. Pelas montras (era o antigo Talho do Júlio), veem-se as peças antigas e as velharias escolhidas a dedo pelas sócias, Adelaide Soares e Susana Paisana, “todas com alma e história”, afirma Adelaide. O mesmo se passa na Cap ou pas Cap?, de Raquel Costa e de Nuno Santos, especializada em bijuteria de autor: colares, pulseiras, brincos, botões de punho (feitos de teclas de computador) e relógios (a partir de discos rígidos), tudo produzido pela dupla. “Apostámos na diferença, do design aos materiais, que são todos de qualidade”, diz Nuno. Diferente é também o negócio de tatuagens do coletivo Fresh Ink, composto por João, Raquel, Chico e Valentim, um estúdio onde se faz magia na pele, ou a Lisbon’Style Barbershop que, como diz um dos responsáveis, Pedro Rodrigues, “é uma barbearia moderna, onde se usam técnicas tradicionais, seja para cortar o cabelo seja para fazer a barba”.

Objetos originais e com história são a filosofia da Espalhafato

Objetos originais e com história são a filosofia da Espalhafato

Luis Barra

O pão artesanal da Isco, a nova padaria de Alvalade

O pão artesanal da Isco, a nova padaria de Alvalade

Luis Barra

A que sabe Alvalade?

O cozido à portuguesa dos Courenses, os croquetes do Tico-Tico, os gelados da Conchanata e a sopa de cação do Salsa & Coentros são exemplos emblemáticos da cozinha de Alvalade... até que chegaram novas gastronomias. Agora, há quem venha ao bairro de propósito comer o pad thai (prato picante tailandês) do Soão - Taberna Asiática, as taças de tayo (com vários peixes marinados) do Chirashi, do chefe Miguel Bértolo, e as pizzas e massas do Pasta Non Basta. O italiano, de portas abertas desde fevereiro deste ano, foi um dos últimos restaurantes a chegar a Alvalade. “É um bairro com uma dinâmica cada vez maior, rejuvenescido, que encaixa na perfeição na nossa filosofia”, explica Frederico Seixas, um dos sócios do Pasta Non Basta. A esplanada exterior e a ementa, com propostas genuínas e preparadas com ingredientes de qualidade, marcam a diferença neste italiano.

Mas, em passeio pelas ruas do bairro, encontram-se ainda os congelados para levar ou comer numa das mesas do Dez Prá Uma, os gelados de rolinho da HeyMate, os pães e bolos da Isco, uma nova padaria artesanal que vai dar que falar e, para júbilo dos fãs de pipocas, a Fol Gourmet Popcorn Lisboa. Nesta loja de decoração minimal, as pipocas são feitas de forma artesanal, rebentadas em ar quente e com 12 sabores que vão variando, como os originais pizza, caramelo salgado, maçã verde ou mojito com hortelã – só para abrir o apetite. E agora, a que sabe Alvalade?

No Pasta Non Basta, a esplanada exterior e a ementa, com propostas genuínas e preparadas com ingredientes de qualidade, marcam a diferença neste italiano

No Pasta Non Basta, a esplanada exterior e a ementa, com propostas genuínas e preparadas com ingredientes de qualidade, marcam a diferença neste italiano

Luis Barra

Onde comer

Pasta Non Basta
R. Marquesa de Alorna, 17B, Lisboa > T. 21 584 6772 > seg-qui 12h-15h, 19h30, 23h, sex 12h-15h, 19h30-24h, sáb 12h30-24h, dom 12h30-23h

Dez Prá Uma
Lg. Frei Heitor Pinto, 2 , Lisboa > T. 21 587 9483 > seg-sáb 10h-20h30

Isco
R. José D’Esaguy, 10D, Lisboa > ter-sáb 10h-19h

Fol Gourmet Popcorn Lisboa
R. Marquesa de Alorna, 23D, Lisboa > T. 91 867 6205 > seg-sex 14h-20h, sáb-dom 16h-21h

Chirashi
R. Marquesa de Alorna, 19C-D, Lisboa > T. 21 603 7332 > seg-dom 12h15-22h30

Soão – Taberna Asiática
Av. de Roma, 100, Lisboa > T. 21 053 4499 > seg-sex 12h30-15h30, 19h30-23h, sex até 24h, sáb 12h30-24h, dom 12h30-23h

Hey Mate
R. Acácio de Paiva, 4A, Lisboa > seg-dom 14h-22h

100 Montaditos
Desde junho que é possível comer, em Alvalade, a seleção de 100 montaditos (entre €1 e €2) desta cadeia de restauração de origem espanhola. R. José D’Esaguy, 5C, Lisboa > T. 91 259 2167 > seg-dom 12h-24h

Quiosque Pizza & Gelato
O primeiro quiosque da marca de restaurantes Mercantina serve pizza romana à fatia e gelados Davvero.

Pç. de Alvalade, Centro Comercial Alvalade, Lisboa > T. 21 796 0313 > seg-dom 12h-19h30 (pizzas), 12h-23h (gelados)

Onde comprar

N’Flor – Design Floral
Av. Rio de Janeiro, 54A-B, Lisboa > T. 21 241 9994 > seg-sáb 9h-20h

Lisbon’Style Barbershop Alvalade
Av. do Brasil, 149A, Lisboa > T. 21 244 6260 > seg-dom 10h-22h

Keiki
Lg. Frei Heitor Pinto, 3D, Lisboa > T. 93 234 2047 > seg-sáb 10h-18h

Abanca 31
São as publicações de design, moda, arte ou arquitetura que tornam especial o quiosque de jornais e revistas de Carla Paoliello. Av. da Igreja (em frente ao número 31), Lisboa > T. 93 853 0198 > seg-sáb 8h-14h

Skarpa
Av. da Igreja, 1C, Lisboa > T. 21 247 9960 > seg-sáb 10h-14h, 15h-19h

Cap ou pas Cap?
R. Marquesa de Alorna, 26A, Lisboa > T. 91 199 4199 > seg-sáb 11h-19h30

Fresh Ink
R. Marquesa de Alorna, 34B, Lisboa > T. 91 602 8347 > seg-sáb 11h-19h (atendimento por marcação)

Espalhafato
R. Acácio Paiva, 14C, Lisboa > T. 96 764 2004 / 91 971 4699 > seg-sáb 10h-14h, 15h-19h

Legendary Books
R. Acácio Paiva, 7B, Lisboa > T. 21 248 8514 > seg-sáb 11h-15h, 19h-22h

The Kitchen Shop
Acabadinha de chegar a Alvalade, vende os mais variados e originais utensílios de cozinha. R. Acácio Paiva, 6C, Lisboa > T. 21 793 0427 > seg-sex 11h-19h, sáb 11h-14h

Maria do Mar
R. João Saraiva, 28A, r/c fundo, Lisboa > T. 21 847 0040 > seg-sáb 10h-20h (Warehouse) > R. Acácio Paiva, 7A, Lisboa > T. 93 334 4218 > seg-sáb 10h-19h

STET – Livros e fotografias
R. Acácio Paiva, 20A, Lisboa > ter-sex 15h-20h

Santa Fé
R. José D’Esaguy, 9, Lisboa > T. 21 132 4650 > seg-sex 10h-13h, 14h-19h, sáb 10h-13h

Gerry Weber
Av. da Igreja, 27B, Lisboa > seg-sáb 10h-19h

Uma Lulik Contemporary Art Gallery
R. do Centro Cultural, 15, Porta 2, Lisboa > T. 91 813 6527 > qua-sáb 14h-20h

Artworks
R. do Centro Cultural, 15, 1ºD, Lisboa > T. 91 442 2738 > visitas por marcação

Bicho Careto
R. Acácio Paiva, 6D, Lisboa > T. 91 703 1451 > seg-sáb 11h-19h

Balcony
Pedro Magalhães, Paulo Caetano e Luís Neiva são os fundadores desta galeria que reúne vários talentos emergentes. R. Coronel Bento Roma, 12A, Lisboa > T. 96 984 7655 > ter-sáb 14h-19h30

O que visitar

Jardim e Parque Hortícola Aquilino Ribeiro Machado
Av. do Brasil (entre a Rua das Murtas e o LNEC), Lisboa > seg-dom 7h-21h (mar-out), 7h-18h (nov-fev)