Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Fhair: o cabeleireiro sustentável de Lisboa

Sair

Neste salão de cabeleireiro, a beleza alia-se à sustentabilidade, aos produtos orgânicos, ao consumo de água controlado e ao profissionalismo de Ana Fernandes e da sua equipa. Assim é o Fhair, no Cais do Sodré, em Lisboa

No Fhair, as preocupações ambientais vão para além do uso de produtos orgânicos

No Fhair, as preocupações ambientais vão para além do uso de produtos orgânicos

Arlindo Camacho

Durante 11 anos, Ana Fernandes trabalhou no salão de cabeleireiro da irmã – o Griffehairstyle, de Helena Vaz Pereira, em Lisboa. Ali gostava de tudo, do ambiente, do trabalho e das pessoas. Mas um dia sentiu necessidade de mudar e de fazer as coisas de forma diferente, principalmente com o nascimento das duas filhas. E assim idealizou o Fhair, um cabeleireiro sustentável e assente em produtos orgânicos, de forma a reduzir a exposição da pele aos químicos.

Ana Fernandes criou um cabeleireiro sustentável

Ana Fernandes criou um cabeleireiro sustentável

Anna Balecho

Antes de embarcar nesta nova aventura – o Fhair abriu em maio, no Cais do Sodré –, Ana viajou pela Europa e, durante três anos, pesquisou produtos de várias marcas. De todos os que testou – e não foram poucos! – escolheu a Davines, produzida numa fábrica familiar em Parma. Mas não se ficou apenas pela escolha dos condicionadores, shampoos e tintas desta marca italiana, tanto mais que o combate ao desperdício também é uma preocupação. Ana colocou redutores nas torneiras e usa somente lâmpadas Led, de forma a controlar o consumo de água e de energia, os detergentes que usa são biológicos e aposta na reciclagem das embalagens, incluindo as pratas e as luvas que usa nas colorações. “Antes, sempre que fazia uma coloração, deitava fora as luvas. Agora já não é preciso, basta lavar e podem ser utilizadas outra vez”, explica a hairstylist que não alinha em extremos ou fundamentalismos. “Escolho os melhores produtos, mas sem comprometer os resultados, acredito acima de tudo no equilíbrio.”

Quando se espreita pela porta ou pela montra do Fhair, mais parece ser uma florista. Ali há plantas de todos os géneros, flores do campo, manjericos e ervas aromáticas. “Assim compensamos o meio ambiente”, afirma Ana. “Mas não quero que o Fhair fique conhecido por ser apenas um cabeleiro sustentável, antes pelo nosso empenho e profissionalismo.”

No Fhair, o corte de cabelo custa €50. Se optar pelo membro mais novo da equipa, são €35. Já os alisamentos variam entre os €100 e €300.

Fhair > R. da Moeda, 12, Lisboa > T. 93 788 7848 > ter-sex 10h-20h, sáb 10h-17h