Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Seis sítios para dançar em Lisboa e no Porto

Sair

No Dia Mundial da Dança, que se assinala este domingo, 29, deixamos-lhe seis sítios em Lisboa e no Porto onde pode ouvir música e abanar o corpo, seja qual for o estilo, da kizomba ao lindy hop

A Missa, nome das matinés de domingo do Rive-Rouge, em Lisboa, são dedicadas à eletrónica de dança

A Missa, nome das matinés de domingo do Rive-Rouge, em Lisboa, são dedicadas à eletrónica de dança

ASSOCIAÇÃO CABOVERDEANA

Não serão muitos os restaurantes onde se pode almoçar e ainda dar um pezinho de dança. Na Associação Caboverdeana, em Lisboa, há anos que isso acontece, duas vezes durante a semana (às terças e quintas) e sempre no último domingo de cada mês. A música tradicional de Cabo Verde está, na maior parte das vezes, por conta do músico Zezé Barbosa, a viver em Portugal há longos anos. Na sala de refeições transformada em pista, dança-se morna, coladeira ou funaná. Na ementa diária há sempre cachupa mas, como os pratos do almoço variam todos os dias, poderá provar ainda frango com caril ou com molho de amendoim, bife de atum no forno, muamba de galinha. Aos domingos, o menu é fixo e inclui bebida e sobremesa.

R. Duque de Palmela, 2, 8º, Lisboa > 21 353 1932 > Almoços dançantes: ter, qui 12h30-14h30 €9,50; dom 13h-16h €15/pessoa

RIVE-ROUGE

Abriu há um ano e meio, no primeiro andar do Mercado da Ribeira, em Lisboa, e as matinés de domingo (a partir das 17 horas) do Rive-Rouge continuam a ter um ambiente especial para quem gosta de dançar ao som de música eletrónica. No próximo domingo, 29, será Xinobi e Gusta-Vo a desafiarem o público a abanar o corpo na Missa, o nome destes novos fins de tarde. A partir de maio, o bar e discoteca abrirá às 19h e encerra pela uma da manhã.

Praça D. Luís I, Lisboa > T. 21 346 1117 > ter-sáb 17h-4h > €10 (consumo mínimo)

B. LEZA CLUBE

O clube de música africana mais antigo de Lisboa, junto ao rio Tejo, já se tornou numa escola de ritmos africanos. Aos domingos, das 18h às 20 horas, há workshops de dança, sobretudo, de kizomba, como o que acontece no dia 29, orientado pelo mestre e professor Petchú, com o professor Avelino Chantre. As inscrições devem ser feitas através da página do Facebook.

R. Cintura do Porto de Lisboa, Armazém B, Lisboa > qua-qui 22h30-04h, sex-sáb 22h30-05h, dom 18h-02h > €5

O Indústria Club é um dos clássicos da noite do Porto

O Indústria Club é um dos clássicos da noite do Porto

Jorge Teixeira

INDÚSTRIA CLUB

Com 32 anos de existência, é um dos clubes noturnos mais antigos do País, desde sempre instalado numa cave de uma galeria comercial da Foz do Porto. Mas nem por isso o Indústria deixou de estar na linha da frente da música eletrónica. “Temos um público esclarecido, com uma média de idades superior aos 25 anos, que nos procura porque conhece os DJ's que programamos”, sublinha Ruben Domingues, o gerente da discoteca. Veja-se o próximo dia 30, segunda-feira, com a dupla belga 2ManyDjs à frente da mesa de mistura. Paralelamente, agendam noites mais revivalistas, para maiores de 45 anos, convidando DJs clássicos ou organizando festas como o Som da Frente (a próxima está marcada para dia 4), dedicada à música das décadas de 80 e 90. Os resistentes, já se sabe, dançam até ao nascer do dia e não resistem a dar um salto até aos areais da Foz, no outro lado da rua.

Av. do Brasil, 843, Porto > T. 22 410 2748 > qui-sáb 00h-06h (com alterações) > € 5 a €10

RUA

O calendário de noites temáticas com música ao vivo foi crescendo com a adesão do público. Hoje, o Rua tem muitos clientes fiéis, que conhecem de ginjeira as festas a não perder. Às quintas-feiras as rodas de samba animam a pista, no primeiro sábado de cada mês, organiza-se o New Latin Cuba (dedicado à salsa e merengue) enquanto no último sábado ouve-se música rock. Na primeira sexta-feira de cada mês tudo se mistura e há samba rock. Pelo meio surgem outros ritmos, anunciados na página do Facebook do bar da Baixa do Porto, aberto há cinco anos. “Muitas das bandas formaram-se aqui e são todas constituídas por grupos profissionais”, conta Nuno Garcês, um dos proprietários. Por isso, quem chega pode sempre contar com boa música.

Travessa de Cedofeita, 24, Porto > T. 91 735 6644 > dom-qua 19h30-23h45, sex-sáb 19h30-04h > €10

HOP DANCE STUDIO

Para dançarinos revivalistas à procura de umas horas energéticas e alegres, o Hop Dance Studio, no Porto, é a escola ideal. Começaram por ensinar Lindy Hop, como conta Helena Cardia, uma das professoras e responsáveis pelo estúdio, e mais tarde, acrescentaram o Authentic Solo Jazz e o Tap (sapateado), o Shag e o Balboa. Estilos que são variações de passos ao som do mesmo estilo de música, o swing, e nascidos no seio da comunidade negra norte-americana, nas primeiras décadas do séc. XX. Para aqueles que se querem mover a um ritmo mais lento, introduziram o blues, a acompanhar as vozes quentes e suaves da música com o mesmo nome.

Segundo a professora, “qualquer pessoa consegue dançar, até porque há muitos passos de improviso, e liberdade para desfrutar a música”. O mais exigente dos estilos é, sem dúvida, o sapateado, que exige muita prática e concentração, como se tratasse da aprendizagem de um instrumento musical. Para além das aulas regulares, o Hop Dance Studio organiza aulas práticas livres, aos domingos, uma ou duas vezes por mês (os lugares variam e são anunciados na página do Facebook), para os alunos darem asas ao que aprenderam durante a semana. Pelo menos uma vez por mês, também fazem uma festa. “O convívio é uma componente muito importante”, conta Helena Cardia. Nessas alturas, fazem questão de se vestir a rigor, como se fazia na época. Mesmo quem não seja aluno, pode participar.

Academia de Artes do Porto > R. do Bom Sucesso, 263, Porto > T. 309 835 288 > seg-qui > aulas pares €30 por módulo (4 aulas consecutivas), aulas solo €25 por módulo, shag/balboa €15 (2 aulas consecutivas)

Uma vez por mês, o Hop Dance Studio organiza uma festa para os alunos conviverem e colocarem em prática o que aprenderam

Uma vez por mês, o Hop Dance Studio organiza uma festa para os alunos conviverem e colocarem em prática o que aprenderam

Krystallenia Photography