Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Roteiros Arte Pública Fundação EDP: O museu está na rua

Sair

Já estão disponíveis os três primeiros roteiros de Arte Pública da Fundação EDP nas regiões do Algarve, Alto Alentejo e Ribatejo – e que são o resultado de um trabalho feito com as comunidades residentes. De guia na mão, ao ritmo de novas intervenções artísticas, assim se descobre o país rural e a sua gente

Os trabalhos da artista brasileira Priscilla Ballarin podem ser vistos em paragens 
de autocarro, na vila da Marmeleira, 
em Assentiz 
e Ribeira de São João. Estão integrados 
no roteiro 
de arte pública do Ribatejo
1 / 8

Os trabalhos da artista brasileira Priscilla Ballarin podem ser vistos em paragens 
de autocarro, na vila da Marmeleira, 
em Assentiz 
e Ribeira de São João. Estão integrados 
no roteiro 
de arte pública do Ribatejo

Paulo Alexandrino

'Watching You', do artista XANA, na Mexilhoeira Grande, Portimão
2 / 8

'Watching You', do artista XANA, na Mexilhoeira Grande, Portimão

D.R.

'Senhora das Laranjas', de Mariana A Miserável, no Mercado da Figueira, na freguesia da Figueira, em Portimão
3 / 8

'Senhora das Laranjas', de Mariana A Miserável, no Mercado da Figueira, na freguesia da Figueira, em Portimão

Os artistas NADA (André Calado) e Luís Silveirinha trabalharam juntos em Campo Maior. A intervenção foi feita num depósito de água
4 / 8

Os artistas NADA (André Calado) e Luís Silveirinha trabalharam juntos em Campo Maior. A intervenção foi feita num depósito de água

Paulo Coelho

Intervenção dos artistas Samina e Alecrim num posto de transformação, na freguesia de Assentiz, no Ribatejo
5 / 8

Intervenção dos artistas Samina e Alecrim num posto de transformação, na freguesia de Assentiz, no Ribatejo

Marta Poppe

Em Vila do Bispo, no Algarve, e sem autorização para usar paredes públicas, o artista Jorge Pereira acabou por fazer a sua intervenção num posto de trasformação da EDP. O desenho representa um mariscador
6 / 8

Em Vila do Bispo, no Algarve, e sem autorização para usar paredes públicas, o artista Jorge Pereira acabou por fazer a sua intervenção num posto de trasformação da EDP. O desenho representa um mariscador

D.R.

Um contrabandista que carrega um grande saco às costas, desenhado por André Calado (aka NADA), num dos edifícios do quartel dos Bombeiros Voluntários de Campo Maior, no Alto Alentejo
7 / 8

Um contrabandista que carrega um grande saco às costas, desenhado por André Calado (aka NADA), num dos edifícios do quartel dos Bombeiros Voluntários de Campo Maior, no Alto Alentejo

Paulo Coelho

Na Vila de Marmeleira, no Ribatejo, está pintado o rosto de uma senhora, de lenço na cabeça. "Tem um olhar dirigido ao horizonte, é uma pessoa do meio rural, trabalhou no campo a vida inteira", diz Samina, o autor da intervenção
8 / 8

Na Vila de Marmeleira, no Ribatejo, está pintado o rosto de uma senhora, de lenço na cabeça. "Tem um olhar dirigido ao horizonte, é uma pessoa do meio rural, trabalhou no campo a vida inteira", diz Samina, o autor da intervenção

Paulo Alexandrino

Para Luís Silveirinha, artista e coordenador do guia do Alto Alentejo, que contempla Campo Maior, Degolados e Ouguela, o desafio foi grande. “Foi a primeira vez que fiz um projeto desta natureza e, ao mesmo tempo, estava de volta à minha terra de origem. A cooperação e coordenação entre todos os intervenientes (artistas e comunidade) terá sido o mais interessante. Nada foi feito ao acaso, as pessoas estão em comunhão com a própria arte”, afirma. É deste pressuposto e com o objetivo de proporcionar nestes territórios, maioritariamente rurais, novas experiências culturais, trazendo ao mesmo tempo gente de visita, que partiu o Arte Pública Fundação EDP. O projeto, que vem a ser desenvolvido desde 2015, conta com mais de 35 artistas, desde os que se dedicam à street art aos que estão integrados noutros circuitos, como o das galerias, num total de 79 intervenções artísticas, em 40 localidades de baixa densidade populacional, espalhadas por várias regiões do País.

Os três primeiros roteiros nas regiões do Algarve, Alto Alentejo e Ribatejo, acabam de ser lançados (€15). Também existe uma versão em mapa, com a localização das obras e uma breve descrição do roteiro (€4) que o ajudará a descobrir um contrabandista que carrega um grande saco às costas, desenhado por André Calado (aka NADA), num dos edifícios do quartel dos Bombeiros Voluntários de Campo Maior, no Alto Alentejo, ou a intervenção Watching You, da autoria de Xana, feita na fachada lateral da antiga Junta de Freguesia na Mexilhoeira Grande, no Algarve.

Nas regiões de Trás-os-Montes, Médio Tejo e Minho, as assembleias comunitárias e as intervenções dos artistas, em postos de transformação da EDP, paragens de autocarro, fachadas, muros ou depósitos de água ainda estão a decorrer. Assim que o trabalho esteja feito, serão lançados os respetivos guias. A terceira fase do projeto será a das visitas guiadas, levadas a cabo por Postos de Turismo ou entidades ligadas ao projeto. Por enquanto, os roteiros encontram-se à venda apenas no MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa, e as visitas têm de ser autónomas. É escolher o destino e partir à descoberta.

MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia > Av. Brasília, Central Tejo, Lisboa > T. 21 002 8130 > qua-seg 11h-19h > €15 (roteiro), €4 (mapa)