Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

O Gosto dos Outros... Travassos

Sair

  • 333

No cartão do cidadão chama-se Jorge Trindade, mas não é por este nome que responde. Quer ser, e é, Travassos, o mentor e organizador do Rescaldo. O festival – cuja 10ª edição está a decorrer na Culturgest, em Lisboa – reúne o que de bom se fez, no último ano, na música portuguesa de vanguarda. Aqui traça uma espécie de roteiro para ouvir música “do melhor que há”

Travassos é o mentor e organizador do Festival Rescaldo

Travassos é o mentor e organizador do Festival Rescaldo

Luís Barra

1. Galeria ZDB, Lisboa Sobre aquele que considera ser um dos locais mais carismáticos de Lisboa, e “das melhores salas de concerto”, Travassos comenta que tem feito, em 20 anos de existência, um trabalho de qualidade. “Um bocadinho eclético”, nota, a “entrar nos eixos nos últimos cinco anos, desde que Sérgio Hydalgo assumiu a programação”.

2. GNRation, Braga “Tem umas condições magníficas e Luís Fernandes, o diretor artístico, tem feito um trabalho de louvar”, afirma. “Muito ligado à música eletrónica (o Festival Semibreve tem os melhores nomes do género), embora não se limite a esta área, fazendo questão de promover residências, criar projetos do zero.”

3. Culturgest, Lisboa É, considera, um dos bons sítios para ouvir música em Lisboa. E não é só por acolher o Festival Rescaldo. “Há bons concertos o ano inteiro e ciclos temáticos também.”

4. Serralves, Porto Apesar de Serralves não ter um serviço de música, “Pedro Rocha, responsável pela programação, tem conseguido ultrapassar esse obstáculo”, salienta. Depois, e para compensar essa lacuna ao longo do ano, há o Serralves em Festa, com muitos concertos distribuídos pelo parque. “Está cada vez melhor e, em Lisboa, não temos nada que se assemelhe.”

5. Damas, Lisboa Fica na Graça, este bar “mais eclético e virado para a música indie pop”. “Tem conseguido ser transversal na programação, mantendo a qualidade. Além das noites temáticas, os concertos são gratuitos.”

6. Teatro Municipal Maria Matos, Lisboa Sobre este teatro, Travassos diz que “a programação é exigente, coerente e bem estruturada ao longo do ano”.