Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

No Porto, a arte urbana está encurralada no BECUH

Sair

  • 333

Um pequeno beco da rua da Madeira, no Porto, será utilizado por artistas urbanos como espaço de intervenção. A primeira mostra é de Bruno Lisboa e inaugura esta sexta-feira, 27: All my Heroes ride a skateboard, um tributo à cultura do skate

Bruno Lisboa estreará o BECUH com a mostra All my Heroes ride a skateboard

Bruno Lisboa estreará o BECUH com a mostra All my Heroes ride a skateboard

Lucília Monteiro

Um conjunto de paredes brancas sem uso e alguém que diz “faz o que quiseres e mostra o que vales” representa uma prenda para qualquer artista urbano. Pelo menos, essa é a crença da designer Bebiana Branco e dos artistas Filipe Granja (de nome artístico mynameisnotSEM) e Tiago Carvalho Gomes (Godmess), os mentores do projeto BECUH – Badass Experiences by Creatives from Urban Habitat. Há três anos que o trio mantém um ateliê amplo na rua da Madeira, no Porto, onde já era habitual cederem espaço a outros artistas. De tal forma que uma das salas, mais ao abandono, em forma de beco, depois de umas pequenas obras e pinceladas, assume agora a forma de um espaço de intervenção. “Queremos trazer artistas de rua, com diferentes identidades visuais, que tenham capacidade de o transformar”, explica Tiago.

Lado a lado com a estação de São Bento, a rua da Madeira já tinha lugar cativo no roteiro de arte urbana da cidade, com obras como Quem és, Porto?, o mural pensado por Miguel Januário (aka ±MAISMENOS±) ou Clouds, da autoria da dupla italiana Sten & Lex, nas suas fachadas. A partir desta sexta-feira, 27, passará a acolher todos os últimos fins-de-semana do mês uma exposição diferente. “Não temos a imagem formatada de uma galeria, com todas as suas regras e rituais”, adianta Tiago.

“Queremos que os artistas se reconheçam no espaço e desenvolvam o seu trabalho e a sua linguagem com total liberdade.” Podem fazer o que quiserem, desde instalações a performances, com o apoio técnico da equipa do BECUH. Os três dias das mostras serão depois documentados num vídeo realizado por Rute Ferraz e divulgados na página do Facebook. O projeto estará à experiência durante um ano, também com outras iniciativas (como visitas e workshops), ajudando a consolidar o nome de artistas com presenças firmes nas ruas, mas também dando a conhecer os que começam a fazer notar as suas inscrições nas paredes. “Nos últimos anos, a imagem dos graffiters mudou muito e há cada vez mais seguidores, mas este reconhecimento tem de ter uma continuidade”, acredita Godmess.

A estrear o BECUH, esta sexta às 19h, estará o ilustrador, designer e street artist Bruno Lisboa, com All my Heroes ride a skateboard, um tributo à cultura do skate (que pratica nos tempos livres), com murais no tal beco e na fachada do edifício, pranchas intervencionadas e a indispensável rampa. Um retrato das “aventuras, peculiaridades, maneirismos, alegrias e frustrações de quem vive para empurrar um pedaço de madeira sob rodas”. Para que quem visite a mostra, também experiencie um pouco desta cultura urbana.

BECUH > R. da Madeira, 98, Porto > último fim de semana de cada mês, sex 19h-01h, sáb 16h-19h, dom 10h-13h

A fachada do edifício da rua da Madeira também foi intervencionada por Bruno Lisboa

A fachada do edifício da rua da Madeira também foi intervencionada por Bruno Lisboa

Lucília Monteiro