Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

O melhor da Madeira em Lisboa e no Porto

Sair

A espetada cuja carne é temperada como manda a tradição, um filete de “espada preta” e um cocktail, nascido num bar de Câmara de Lobos nos idos de 80, que faz concorrência à Poncha. Tudo produtos da Madeira, em vários locais de Lisboa e do Porto

Aguardente de cana
Por esta altura do ano, e até ao fim do mês de maio, os engenhos da Madeira laboram as 24 horas do dia com o objetivo de transformar a cana-de-açúcar produzida na ilha, uma das poucas zonas na Europa onde se produz rum agrícola (feito a partir de cana fresca, o outro rum é-o a partir de melaço). O Rum da Madeira é conhecido por aguardente de cana e tem Indicação Geográfica Protegida. No restaurante Polvo Vadio, em Cascais, preparam uma Madeirinha (tipo caipirinha) utilizando o rum branco da William Hinton, produzido na ilha pela Engenho Novo da Madeira. Lançada em 2006, a empresa tinha entre os fundadores um dos herdeiros do célebre engenho Hinton, cuja chaminé está atualmente num jardim do Funchal. O alambique, também original, labora agora na nova empresa, de onde sai este rum branco e o rum envelhecido de três anos, feitos segundos o saber de outros tempos. “Toda a gente conhece a poncha, mas não associa a matéria-prima, o rum branco, à Madeira nem à cana-de-açúcar”, afirma Celso Olim, diretor-geral da Engenho Novo. Com o lançamento do novo rótulo, em 2015, as garrafas de rum da William Hinton como que se tornaram embaixadoras deste produto. “O que estamos a fazer é tentar reavivar a memória e mostrar os bons runs que cá se produzem”, explica Celso Olim. É que o rum agrícola, mais herbáceo e fresco, pode ser trabalhado noutras bebidas - há vida para além da poncha.

Couscous

“É um dos produtos esquecidos em Portugal e merece ser recordado pelo esforço de quem, hoje em dia, ainda o produz.” A frase é de João Espírito Santo, que fez questão de introduzir o couscous artesanal, produzido na Madeira, no menu do restaurante que dirige, o Bistrô 4, do hotel Porto Bay Liberdade. É com esta iguaria que o chefe madeirense confeciona o couscous chow mein (assim se chama o prato), uma espécie de risoto que pode acompanhar com camarão (€19) ou peixe da costa (€22) e que chega à mesa num tacho, para que o cliente possa servir-se à vontade. Embora a origem seja magrebina, o couscous faz parte da cozinha tradicional madeirense sendo utilizado como guarnição, para acompanhar, por exemplo, o cozido à madeirense (o arroz é uma coisa recente). O couscous de que aqui se fala é produzido artesanalmente, tem aspeto rústico e é temperado com tomilho. Está “quase em extinção porque não há gente jovem a querer produzi-lo. É por isso que o devemos valorizar”, explica o chefe. O que é utilizado na cozinha do Bistrô 4 vem da Ponta do Sol, “onde ainda é produzido à mão, por umas senhoras que vão esfregando devagarinho a massa, num processo moroso mas muito interessante”, diz João Espírito Santo.

Ivo Guimarães

Chávenas Alma da Madeira

Na opinião da designer brasileira Beatriz Lamanna, responsável pela coleção Almas, “quem comprar este conjunto de chávenas de café leva consigo uma miniexperiência da Madeira”. O projeto chegou-lhe às mãos através da Vista Alegre, a marca responsável pelo lançamento da coleção, que tenta refletir a essência de vários locais e cidades do mundo. Para a Alma da Madeira (€66, o conjunto de quatro chávenas), Beatriz escolheu oito imagens, quatro para frente e quatro para o verso, além dos pratos: a Sé do Funchal, o vinho Madeira, o Mercado dos Lavradores, a flora e as casas de Santana. Após a pesquisa, Beatriz desenhou cada imagem a lápis, respeitando a área de aplicação da chávena, “que é bem estreita”, segundo explica. Depois, a aguarela, pintou os desenhos um a um. Antes de criar as chávenas dedicadas à ilha da Madeira, Beatriz Lamanna já tinha produzido um conjunto dedicado a Lisboa, ao Porto e a Madrid. Entretanto, já fez o do Rio de Janeiro. E as viagens podem continuar.

Lucília Monteiro

Espetada

Dizem que se trata do prato mais consumido em festas e romarias da ilha – onde a carne é, muitas vezes, assada em braseiros nas ruas. E também tem sido o prato mais requisitado no Di Mare Caco & Companhia, aberto há apenas três meses em Vila Nova de Gaia. Foi quando visitaram a ilha, em setembro passado, que Susana Pedrosa e o marido, José Pereira, decidiram abrir um restaurante madeirense na marginal de Francelos. “Rendidos à cozinha da ilha”, contrataram um cozinheiro madeirense, Antonino Oliveira, “para garantir a confeção dos pratos como manda a tradição”. No caso da espetada, por exemplo, a carne de alcatra é temperada umas horas antes com alho e louro e “só leva sal já no espeto” antes de ir para a brasa. Os oito nacos de carne quentes e tenros (400 gramas) chegam à mesa no espeto e podem acompanhar com milho frito, salada e batata frita (€12,50). Antes, para entrada, conte com bolo do caco feito na chapa à vista do cliente, barrado com manteiga de alho. A refeição pode (e deve) ser acompanhada por Poncha (regional, maracujá, tangerina ou à pescador), Brisa de Maracujá, cerveja Coral ou vinho Barbeito. Com vista para o Atlântico, como convém.

Filete de 'espada preta'

O peixe-espada preto é um produto emblemático da cozinha madeirense. Muito branco e de textura macia, este peixe de profundidade é presença assídua nos restaurantes e casas madeirenses, confecionado de diferentes formas, frito, dourado ou acompanhado pelos sabores da banana ou do maracujá, por exemplo. Em Lisboa, no Bistrô 4, do hotel Porto Bay Liberdade, o espada, como é tradicionalmente chamado, também está no menu, sendo inclusive um dos pratos mais vendidos. Da cozinha do restaurante, comandada por João Espírito Santo, sai um filete de “espada preta” com crosta de tomate, cebola, azeitona e broa de milho, batata chips e beurre blanc (€16,50). “É um prato guloso e que enche a boca, por causa do molho e da broa”, diz o chefe madeirense. O filete é preparado na hora, cozinha-se três minutos, um minuto e meio de cada lado, mais do que isso, diz o chefe, “é demasiado”.

Bordado Madeira

Na Casa Bordados da Madeira, em Lisboa, um dos produtos mais caros é uma toalha de mesa. Feita à mão em Bordado Madeira, custa 6 500 euros, possui dois metros e meio de comprimento e vem com 12 guardanapos a acompanhar. Para produzir esta peça, foi necessário um ano e meio de trabalho, “muita paciência e dedicação”, explica Fátima Antunes, uma das funcionárias mais antigas da casa especializada na venda de artesanato nacional e que comercializa Bordado Madeira há mais de 70 anos: camisas de noite, blusas de senhora, lenços, individuais, toalhas, babetes bordados... Os melhores clientes da loja são estrangeiros, os portugueses não compram muito – Fátima Antunes diz que o preço é alto para as carteiras nacionais. Com mais de 150 anos, o Bordado Madeira é totalmente artesanal e por isso não existem duas peças iguais. “Para ser verdadeiro, tem de ter o selo de certificação que atesta a qualidade do trabalho”, nota Fátima Antunes. Em ponto richelier, corda, folhas abertas e fechadas, granitos ou ilhós, uma forma de arte para se admirar.

Nikita

Lembra-se da canção de Elton John que falava de um amor platónico por uma militar da Alemanha Oriental? Foi ela que acabou por dar o nome a uma das bebidas mais célebres da ilha (depois da poncha, claro). A Nikita terá sido inventada pelo dono do pub Farol Verde, em Câmara de Lobos, em 1985 (precisamente o ano de lançamento da canção de Elton John, incluída no álbum Ice on Fire). A bebida é confecionada “com gelado de ananás, açúcar, vinho branco e cerveja em igual quantidade”, conta Duarte Pestana, um dos sócios do É Prá Poncha, aberto há quatro anos na Baixa do Porto. Geladinha, portanto – e “quase idêntica a um batido”, diz o responsável pelo bar madeirense cuja decoração, feita com iluminação de cores intensas, se inspira no mar e no gelo. Quem preferir, pode substituir o álcool por sumo de maracujá (€3,50 em qualquer um dos casos).

Lucília Monteiro

Broas de mel
O mel de cana-de-açúcar é um dos ingredientes de grande parte da doçaria madeirense. É o caso das broas de mel, doce típico da ilha, confecionadas sobretudo na altura do Natal. Na Banca da Madeira, aberta há três anos no Mercado do Bom Sucesso, no Porto, que serve de montra dos produtos oriundos da ilha, vendem-se as da centenária Fábrica do Ribeiro Seco (€3/pacote), da marca Chábom. Feitas à base de açúcar, farinha, manteiga, açúcar, canela, noz-moscada e, claro, de mel de cana, habitualmente acompanham-se com uma chávena de chá. Da mesma fábrica centenária, as broas de maracujá e de coco são outros biscoitos muito procurados nesta banca.

Traje regional feminino

A tradição diz que se deve vestir blusa branca de decote redondo, colete vermelho de lã (bordado e preso com atilhos), saia de lã rodada com padrão de riscas (azul, vermelho, amarelo, verde, branco), capa vermelha, botas de pele de vaca curtida (de cano virado para fora pela altura do tornozelo e enfeitada com uma fita vermelha), carapuça e lenço branco. Só assim se está realmente vestido (ou melhor, vestida) com o traje regional feminino madeirense. Na Baixa de Lisboa, a Casa dos Bordados da Madeira, que há várias décadas se dedica à comercialização de artesanato português, é uma das poucas lojas onde se encontra à venda este traje. Disponível em vários tamanhos, custa €190 (é tecido em tear manual e tem selo de origem), sem as botas e sem chapéu, que podem ser comprados à parte. “Os nossos melhores clientes são os ranchos folclóricos, as associações e representações do País e da Madeira no estrangeiro, são eles que aqui vêm comprar este tipo de artigo”, diz Fátima Antunes, funcionária há mais de 30 anos da Casa Bordados da Madeira. Nem o Carnaval faz aumentar a procura.

Madeira em Lisboa e no Porto

El Corte Inglés
Vende banana da Madeira, bolo de mel, vinho da Madeira, rum e poncha. Av. António Augusto Aguiar, 31, Lisboa > T. 21 371 170 > seg-qui 10h-22h, sex-sáb 10h-23h30, dom 10h-20h > Av. da República, 1435, Vila Nova de Gaia > T. 22 378 1400 > seg-sáb 10h-23h, dom 10h-20h

A Vida Portuguesa
Poncha da Madeira, rebuçados artesanais da Fábrica de St.º António (sabores eucalipto, mel de cana e funcho) e bolo de mel. Lg. do Intendente Pina Manique, 23, Lisboa > T. 21 197 4512 > seg-dom 10h30-19h30 > R. Anchieta, 11, Lisboa > T. 21 346 5073 > seg-sáb 10h-20h, dom 11h-20h > Mercado da Ribeira, Av. 24 de Julho, Lisboa > T. 21 136 8446 > seg-dom 10h-23h > R. Galeria de Paris, 20, 1º, Porto > T. 22 202 2105 > seg-sáb 10h-20h, dom 11h-19h

Garrafeira Nacional
Grande variedade de vinho da Madeira (várias marcas e anos de produção), poncha e aguardente de cana. R. de St.ª Justa, 18, Lisboa > T. 21 887 9080 > seg-sex 9h30--19h30, sáb 9h30-19h > R. da Conceição, 20/26, Lisboa > T. 21 885 2305 > seg-dom 10h-21h > Mercado da Ribeira, Av. 24 de Julho, Lisboa > T. 21 346 0432 > seg-dom 10h-23h

Mercearia Criativa
Nesta mercearia, onde também se come, encontra à venda mel, bolo do caco, bolo de mel da Madeira. Av. Guerra Junqueiro, 4 A, Lisboa > T. 21 848 5198 > seg-sáb 10h-20h

Madeira Pura
Serve poncha acompanhada de tremoços temperados ou amendoins e prego ou filete de espada no bolo do caco para matar a fome. R. do Terreiro do Trigo, 72-74, Lisboa > T. 21 887 7315 > ter-dom 18h-2h


Restaurante Típico O Madeirense
O menu inclui filete de espada com banana frita, bife de atum frito com milho frito e molho vilão, carne em vinha-d’alhos, lapas grelhadas com limão e espetada à madeirense do lombo em pau de louro. Amoreiras Shopping Center, Lj. 3027 > Av. Engenheiro Duarte Pacheco, Lisboa > T. 21 383 0827 > seg-dom 12h-23h

Madeira House
Vende Bordado Madeira e o traje regional da ilha também. R. Augusta, 133, Lisboa > T. 21 343 1454 > seg-sex 9h-20h, sáb 9h-13h, 15h-20h, dom 10h-13h, 15h-19h

Ilha da Madeira
Restaurante de comida tradicional madeirense, onde é possível provar, entre outros pratos, o bife de atum à Madeira, picadinho à ilha, carne de porco em vinha- -d'alhos ou espetada. R. de Campo de Ourique, 33, Lisboa > T. 21 386 6453 > seg-sex 9h-20h, sáb 9h-13h, 15h-20h, dom 10h-13h, 15h-19h

Casa da Madeira do Norte
Poesia, concertos e tertúlias. R. da Torrinha, 55, Porto > T. 22 200 9717 > qua-sáb 22h-24h

Bar Number 2 – É Prá Poncha
As especialidades deste bar são as ponchas de vários sabores e o cocktail Nikita. Av. 24 de Julho, 82 B, Lisboa > T. 96 985 8639 > seg-sáb 22h-4h

É Prá Poncha
R. Galeria de Paris, 99, Porto > seg-sáb 17h-4h

Taberna Madeirense
Tem petiscos e bebidas madeirenses e uma zona de mercearia com produtos da ilha. R. do Poço dos Negros, 97-99, Lisboa > T. 21 138 5681 > seg-qui 15h-22h, sex 15h-1h, sáb 16h-1h, dom 16h-21h

Bistrô 4
Funde a ideia de bistrô com alta gastronomia. No menu encontram-se algumas referências da cozinha madeirense, tais como as lapas ou o peixe-espada preto. Hotel Porto Bay Liberdade > R. Rosa Araújo, 8, Lisboa > T. 21 001 5700 > seg-dom 12h30- -15h, 19h-22h30, sex-sáb até 23h

Casa Bordados da Madeira
Dedica-se à venda de artesanato português, em especial, do Bordado Madeira. R. 1º de Dezembro, 137, Lisboa > T. 21 342 1447 > seg-sáb 9h30-19h30

Vista Alegre
Nas lojas da marca, encontra à venda a coleção de chávenas Alma da Madeira. Lg. do Chiado, 20-23, Lisboa > T. 21 346 1401 > seg-sáb 10h-20h, R. das Carmelitas, 40, Porto > T. 22 200 4554 > seg-sáb 10h-20h

Di Mare Caco & Companhia
Al. da República, Francelos, Vila Nova de Gaia > T. 22 410 3142 e 91 716 6154 > ter-dom 12h-15h, 19h-24h

A Banca da Madeira
Mercado do Bom Sucesso > Pç. do Bom Sucesso, Porto > T. 22 320 4849 > dom-qui 10h-23h, sex-sáb 10h-24h