Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

A aldeia de um homem só

Sair

Fernando Gonçalves é o único habitante de Val de Poldros, uma povoação abandonada no concelho de Monção, conhecida como "a aldeia dos hobbits". Não será propriamente o Senhor dos Anéis, mas, no seu restaurante, os tesouros gastronómicos do Alto Minho estão bem guardados. No tema de capa da edição da VISÃO Se7e desta semana, esta quinta nas bancas, redescobrimos a região

O único habitante de Val de Poldros é o proprietário, cozinheiro e anfitrião do restaurante com o mesmo nome da aldeia

O único habitante de Val de Poldros é o proprietário, cozinheiro e anfitrião do restaurante com o mesmo nome da aldeia

Percorrem-se uns largos quilómetros de estrada sem avistar qualquer povoação até se chegar a Val de Poldros, a 1200 metros de altitude, com uma vista imponente da serra da Peneda. Como anfitrião, temos Fernando Gonçalves, 48 anos, o único habitante da aldeia, que regressou à terra natal em 2004, depois de ter estado como emigrante em Andorra. “Era tanto o silêncio que parecia que fazia mal”, recorda. Ultrapassou o isolamento com a abertura de um restaurante que, atualmente, recebe clientes fiéis de paragens mais ou menos distantes, muitos deles de Espanha. “Fui aprendendo com eles o que deveria pôr na mesa”, conta. “Depende da época do ano e do que tenho à mão.”

Não há, por isso, pedidos à lista. Quem chega come o que foi preparado de antemão por Fernando, hoje um cozinheiro experiente e dedicado. Pode ser uma aveludada sopa de saramagos (uma planta silvestre), feijões afogados (misturados com arroz e massa), um novilho assado ou um valente costeletão de novilho. Pratos bem apurados, com matéria-prima de excelência, para comer de preferência ao calor da salamandra, que por estas bandas o vento frio sopra impiedoso, mesmo durante a primavera. As portas do restaurante Val de Poldros estão abertas durante todo o dia e o proprietário desdobra-se em atenções aos visitantes. À noite, só faz jantares por encomenda.

Uma das cardenhas existente em Val de Poldros

Uma das cardenhas existente em Val de Poldros

Da varanda desta casa de granito, tem-se um belo cenário daquela que ficou conhecida como a “aldeia dos hobbits”, dadas as semelhanças com o cenário verdejante do filme O Senhor dos Anéis. Este é um dos exemplos de brandas no Alto Minho (são cerca de dez), povoados de montanha apenas habitado durante os meses de verão, para aproveitar os viçosos pastos. Nos restantes, os habitantes desciam à inverneira Riba de Mouro, a sede da freguesia, uma transumância humana que hoje poucos praticam.

Como abrigo para o frio cortante de Val de Poldros, os pastores utilizavam as cardenhas, construções rudimentares de granito, com teto baixo para preservar o calor, de que ainda ali existe um conjunto muito significativo (o maior da região) e possível de preservar. Se planear uma visita a este património (tema de colóquios internacionais arquitetura popular), saiba que a 13 de junho Val de Poldros acolhe a romaria de Santo António, uma das mais genuínas do Alto Minho. Uma das casas do santuário será sorteada entre os romeiros, ficando assim à disposição do vencedor durante um ano. Quem sabe não fará companhia a Fernando?

Restaurante Val de Poldros > Val de Poldros, Riba de Mouro, Monção > T. 251 561 401/ 93 489 4364 > seg-dom 10h-19h, jantares por encomenda