Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

Ode marítima

Visão Se7e

  • 333

Esposende recorda a sua história

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.
1 / 10

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.
2 / 10

Madama Butterfly - O magnífico guarda-roupa foi adquirido pelo teatro em 1976, no Japão.

Tomás Alcaide - Para além da voz magnífica, o tenor português ficou conhecido pela qualidade dos fatos que usava em cena e que ele próprio comprava. Nesta foto, a sua caixa de maquilhagem, pertença do Museu do Traje.
3 / 10

Tomás Alcaide - Para além da voz magnífica, o tenor português ficou conhecido pela qualidade dos fatos que usava em cena e que ele próprio comprava. Nesta foto, a sua caixa de maquilhagem, pertença do Museu do Traje.

Trabalho minucioso - Detalhe do traje de cena Lohengrin.
4 / 10

Trabalho minucioso - Detalhe do traje de cena Lohengrin.

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
5 / 10

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
6 / 10

Silhuetas - projecto de instalção e vídeo da autoria de artistas da Faculdade de Belas Artes de Lisboa.

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.
7 / 10

Aïda, de Verdi - Adereços de cena.

Traje de cena Lohengrin - Usado pelo tenor António de Andrade.
8 / 10

Traje de cena Lohengrin - Usado pelo tenor António de Andrade.

Vestido de Concerto - Usado pelo coro de senhoras do TNSC, executado em 1965 aquando da digressão aos festivais de Oviedo.
9 / 10

Vestido de Concerto - Usado pelo coro de senhoras do TNSC, executado em 1965 aquando da digressão aos festivais de Oviedo.

Rainhas - Quadros da ópera Roberto Devereux, de Donizetti.
10 / 10

Rainhas - Quadros da ópera Roberto Devereux, de Donizetti.

O edifício, sobranceiro ao rio Cávado, marca a paisagem, com as letras, a vermelho, da Estação de Socorros a Náufragos, a vincar antigos (e atuais) serviços. Estava entregue ao abandono quando, por iniciativa da Associação Fórum Esposendense e celebrado protocolo com a Marinha, foi completamente recuperado para albergar, em parte, o Museu Marítimo de Esposende. Inaugurado em julho passado, pretende contar uma história significativa deste concelho, desde a construção naval à pesca. Na exposição inaugural, Do rio ao mar largo a gesta esposendense, quiseram selecionar peças que mostrassem a variedade do espólio reunido. Réplicas de catraias (embarcações típicas) e veleiros outrora construídos nos estaleiros de Esposende, ex-votos com o mar como cenário, documentos ligados a mareantes ou utensílios usados por pescadores são dispostos numa sala a recordar o interior de um barco. Posteriormente, a associação optará por montar exposições temporárias, cingidas a temáticas a próxima será sobre os naufrágios nesta costa. As paredes das escadas que acompanham a denominada Torre da Memória foram preenchidas com retratos recolhidos no registo de pescadores, entre 1896 e 1950, numa homenagem à classe. "Os visitantes perdem-se aqui, na procura dos seus antepassados. É algo que mexe muito com eles", conta Fernando Ferreira, o presidente da Fórum Esposendense. No alto, a vista recompensadora da Foz do Cávado. Para limpar as lágrimas...

MUSEU MARÍTIMO DE ESPOSENDE Estação de Socorros a Náufragos Av. Eng. Eduardo Arantes e Oliveira, Esposende T. 253 964 836 Ter-Sex 14h30-19h Sáb-Dom 10h-12hy, 15h-19h €2,50