Visão Sete

Siga-nos nas redes

Perfil

"Mac e o Seu Contratempo": Enrique Vila-Matas e a doença da literatura

Livros e discos

“Tenho vocação de modificador”, diz o protagonista, e aspirante a escritor, do novo livro do autor catalão. Pretexto para mais uma ficção que, como sempre, acaba por ser uma reflexão sobre a literatura

Sérgio Granadeiro

Este é mais um sintoma (grave) de uma doença que há anos assombra o catalão Enrique Vila-Matas: a literatura. A sua obra (sobretudo desde o início deste século) não dispensa essa autorreferência em jogos mais ou menos complexos com a própria ideia, e prática, da literatura. Em Bartleby & Companhia (2001), que inaugurou uma nova fase na obra de Vila-Matas, o tema era o dos escritores que não escrevem; logo a seguir, em Mal de Montano (2002), esse “mal” do título definia-se precisamente como uma obsessão quase patológica com a literatura... O livro, como muitos outros do autor, ganhava a estrutura de uma espécie de diário.

Este Mac e o Seu Contratempo (Teodolito, 264 págs., €16,50) é mais uma peça no puzzle literário de Enrique Vila--Matas, cada vez mais uma espécie de autor de culto com muitos leitores /seguidores

Este Mac e o Seu Contratempo (Teodolito, 264 págs., €16,50) é mais uma peça no puzzle literário de Enrique Vila--Matas, cada vez mais uma espécie de autor de culto com muitos leitores /seguidores

D.R.

Isso volta a acontecer neste Mac e o Seu Contratempo. Numa Barcelona atingida tanto por uma onda de calor como pelos sinais da crise no Sul da Europa (mendigos e vagabundos pontuam estas páginas, no ficcional bairro do Coyote), um ex-advogado dedica os seus dias a tentar tornar-se um escritor iniciado. Rapidamente essa tentativa se transforma num desafio: reescrever, melhorando-o, um livro antigo, Walter e o seu Contratempo, de um vizinho seu, escritor, o enfatuado Sánchez. Esse romance leva-nos à personagem de um ventríloquo que “lutava contra o grave contratempo de, numa profissão como a sua, ter uma única voz, a famosa voz própria por que os escritores tanto anseiam e que, para ele, por razões óbvias, representava um problema”. Um ventríloquo que há de passar por Lisboa (cidade que tem uma presença recorrente nos livros de Vila-Matas) e onde cometerá um crime...

Este mecanismo permite que o tema central de Mac e o Seu Contratempo seja a “repetição” na literatura – ou na vida, o que no universo de Vila-Matas vai dar ao mesmo.